Cala a Boca, Galvão

Não é de hoje a crescente aversão àquele que já foi o melhor narrador esportivo da televisão brasileira.  Há alguns anos os cartazes do tipo “mostra nóis, Galvão” começaram a dividir espaço nas arquibancadas com os  “Fora Galvão”.  No início, os desavisados diretores de imagem da Globo chegaram a mostrá-los ao vivo.  No pan de 2007, uma sonora vaia tomou conta da arena de esportes quando o narrador levantou-se para cumprimentar o público achando que seria ovacionado.  

“O Globo” desta terça-feira publicou em primeira página que “A expressão Cala a boca, Galvão virou febre no twitter”.  Comentários a respeito estão em duas importantes colunas do jornal.  No site da Globo tem uma matéria (aqui)  onde o locutor diz rir da corrente “cala a boca, Galvão”.   Não pode ser por acaso esta superexposição.  A poderesa empresa acusou o golpe e usa a velha tática de unir-se ao inimigo quando não se pode vencê-lo.  Pretende com isso transformar em brincadeira ou factóide, um movimento que espelha honestamente o sentimento de uma grande parcela da população.  Na sua grande maioria, público da TV Globo.    

Não creio que a tática possa dar certo porque isso não é um movimento isolado.  A aversão ao Galvão Bueno não é fabricada por pessoas despeitadas que têm inveja do profissional.  Ela está nas ruas,  nos ambientes de trabalho e é impressionante em blogs especializados em fórmula 1.  Não é para menos.  Quem acompanha este esporte percebe que o narrador da Globo mente em nome de um ufanismo desnecessário e desagradável.  Desinforma, engana, diz quase o oposto do que se está vendo na tela.  Isso é inaceitável em um jornalista.

Mas o que teria acontecido para chegar a este ponto após tantos anos de televisão e sucesso? 

Preciso nas transmissões esportivas, o carismático Galvão Bueno se destacou na TV Bandeirantes narrando partidas de futebol e a fórmula 1 no início dos anos 80.  Sua competência o levou à rede Globo onde deu sequencia à sua vitoriosa carreira, cada vez com mais poderes dentro da mais poderosa empresa de midia do Brasil.  Infelizmente em algum momento este merecido sucesso lhe subiu à cabeça e o levou a se considerar acima do bem e do mal.  Nada menos do que o show em si mesmo.  Cada vez mais consciente da sua capacidade e popularidade, Galvão Bueno passou a tratar os colegas e o próprio esporte como coadjuvantes em seu próprio espetáculo.  Não é a toa que prefere se cercar de comentários insossos de Reginaldo Leme e Falcão, que não têm a força da comunicação, e a fazer de escada o seu comentarista de arbitragem. 

Sua arrogância e auto-suficiência são sentidas pelo telespectador.  Com as TVs por assinatura  cada vez mais disseminadas, inclusive pelas gatonets espalhadas pelo país (ontem no Rio estouraram uma com mais de 30.000 clientes), o telespectador tem mais opções.  As boas narrações da SporTV e da ESPN, menos afetadas e mais atentas ao esporte em si, ajudam a fazer comparações.  Isso aumenta a percepção do quão desagradável é a participação do narrador oficial da TV Globo atualmente. 

Todos perdem com esta situação, inclusive os telespectadores. Um pouco de humildade é fundamental.  Ninguém é tão bom que não possa ser derrotado ou substituído.  Afinal, o inferno está cheio de insubstituíveis. 

Foto:  Gavião, by Ana Cotta (Flickr, Creative Commons, Julho 2008)

Anúncios

Tags: , , , , , ,

8 Respostas to “Cala a Boca, Galvão”

  1. Wagner dos Santos Says:

    Acredito que por traz de um excepcional profissonal que o nosso Jornalista Galvão Bueno é, existe uma emissora que por sí só, já emprega em quase todos os Jornalistas, um sentimento prepotente, de que estão acima do bem e do mal. É como se isso fosse exigência contratual.

    Pior do que o Galvão, é ouvir o Willian Boner e Fátima Bernardes falarem diariamente, que a Globo sempre está à frente das outras.

    Realmente, a Rede Globo possui uma estrutura inquestionável, mas infelizmente, ela é o divisor de águas da opinião pública, principalmente na política.

    Fui

  2. Marco Says:

    Sem comentários .
    Meus parabéns ! Perfeito !
    Grande abraço Cariocadorio !

  3. maniacosporfilme Says:

    Fiz duas modificações:

    Aqui em casa eu não ouço o Galvão Bueno nem quando a transmissão é exclusiva da Globo; nesta situação, eu ligo o rádio e coloco a TV em “Mute”.

    Na estréia do Brasil na Copa, assistimos no 39 da Sky, apesar da imagem ser um pouco inferior a da Globo.

    Com relação a locutores esportivos, a TV Globo é pavorosa: ouvir e ver a cara de babaca do clone (ou filhote) do Galvão, o Luiz “Catatau” (- Fala Zé Colméia) Roberto, é terrível. O seu sorriso de bozo no intervalo das transmissões é hilário e eu chego a ficar com pena dele. E o tal do Cleber Machado consegue ser chato e burro. E quando isto é acompanhado da anta (e as vezes”aparenta estar bêbado) José Roberto Wright, tape os ouvidos!

    Concordo parcialmente com o Wagner sobre os ridículos William Boner e a atualmente repórter esportiva Fátima Bernades (que tem como maior qualidade aguentar o “boner” do William, que é o chefão). Neste caso, prefiro assistir a paulistada da Band ou o 40 da Sky.

    Abraços para o Cariocadorio e desculpe o termo “babaca (eu ia amenizar com um “deucebag”, mas o texto ia ficar muito “americanizado”. Não consegui uma palavra melhor para definir a cara do Luiz Roberto).

  4. Luciano Says:

    Eu passei só para falar das tabelas, mas vi esse título e não resisti. Faço coro ao Carioca e aos comentários até agora. No quesito jornalistas da Globo insuportáveis, acrescento Evaristo mico-de-realejo e Sandrinha Annenberg, a Rainha das carinhas (acho que são jornalistas). É verdade, Galvão mente, inventa, fala o que dá na telha, desmente qualquer pessoa que esteja com ele de forma totalmente grosseira, desvia o assunto, tá louco. Ninguém pensou nisso? Caduco. A prepotência subiu tanto que surtou. Ele já tinha se manifestado sobre a corrente, de forma um tanto “brabinha” dizendo que não sabia disso. Depois aparece”dando força” junto com o novíssimo piadista em treinamento Tiago…ficou deprimente. Sabem aquele vovô meio louco que todo mundo releva um pouco? É ele. Mas uma hora o véio apanha. A Globo tem o defeito de não saber quando chega, saturou, não dá mais. Abs.

  5. maniacosporfilme Says:

    Galvão Bueno e Vuvuzela: esta é a Copa para se ver no “mute”.

  6. maniacosporfilme Says:

    Olha o “- Cala a boca, Galvão” também nos Simpsons:

    http://caleabocagalvao.blogspot.com/2010/06/simpsons-aderem-ao-cala-boca-galvao.html

  7. Valéria Says:

    Faço meu coro e conto um causo.
    Uma amiga assistia com a família o jogo Brasil x Coréia, pela Sportv. O jogo estava tão chato e tão ruim que alguém disse “Vamos ver na Globo que pelo menos tem as bobagens do Galvão” Segundo ela, foi a maior animação porque todos passaram a rir e comentar as besteiras.

  8. Aventoe Says:

    Acho que no futebol, ao contrário do tênis em que a narração é absolutamente desnecessária e irritante, o locutor tem um papel a desempenhar, informando (ao menos aos mais leigos como eu) quem é aquela formiguinha correndo com a bola. O Galvão ficou chato, porque se sente o senhor da verdade. Eu prefiro o pessoal da SporTV, com a ressalva de que são quase todos Botafoguenses, portanto parciais ao comentar jogos dos demais times cariocas…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: