Copa de 2010, África do Sul (Maradunga)

Tempo para uma reflexão tardia sobre a Copa de 2010 na África do Sul onde ficou longe a final sonhada por argentinos e brasileiros.  É muito interessante como estas coisas acontecem. Brasil e Argentina tinham muitas coisas em comum e chegaram exatamente ao mesmo lugar.

Ambos tinham como técnicos ex-jogadores, campeões do mundo, com experiência zero na função.

Ambos procuraram fazer crer que estávamos no caminho certo.  Dunga apregoava a eficiência do seu “método”, afinal de contas bem sucedido até aquele momento.   Maradona preferia uma propaganda ufanista baseada no seu próprio prestígio e carisma aliado a ter, sem dúvida alguma, o melhor elenco.  Os resultados, porém, eram pífios até ali.

Maradona, com uma enorme ânsia de vedetismo e monopolização das atenções, e Dunga, com suas grosserias contra tudo e contra todos, seus ataques de raiva e excessos nos modelitos à beira do campo, pareciam mais preocupados com seus egos do que com suas funções de treinadores.    

Ambos ficaram estupefatos diante da adversidade definitiva e, do alto da sua inexperiência, não tiveram resposta quando o adversário lhes impôs um nó estratégico incapaz de ser superado pela genialidade de alguns de seus jogadores, no caso da Argentina, e pelas  opções de jogo no caso do Brasil.  

Como auxiliares, Maradona tinha Mancuso, o amigo de todas as horas, do futebol, das festas e das noitadas, enquanto Dunga, na sua obsessão por controle, tinha um capataz na figura de Jorginho.  Um e outro tão carentes de experiência como seus chefes.   

Argentinos e brasileiros pouco podiam esperar de suas equipes antes de começar a copa. Após os primeiros jogos, vendo que não tinha nenhum bicho papão, passaram a acreditar em uma fantástica final sul-americana.

Ambos perderam para europeus nas oitavas-de-final.  Seus grandes destaques, Messi e Kaká, renderam abaixo do esperado.

Com tantas coisas em comum, por caminhos diversos, Brasil e Argentina perderam exatamente como era de se prever.    
A Argentina pela falta de organização do seu elenco de craques e pela sua defesa ruim, frutos da incapacidade do seu treinador.
O Brasil pela previsibilidade de suas ações, pela impossibilidade de tentar alguma coisa diferente ao ter no banco um bando de cabeças de área e de bagre (alguns deles no ocaso das suas carreiras) e pelo nervosismo do time em campo, reflexo do que via no seu comando fora dele.   

Mas pouco importa a atuação de Brasil e Argentina na Copa. Mais importante é discutir como isto nos afeta como país que pretende ser civilizado algum dia. 

A derrota brasileira  (creio que a argentina também) começa a ser desenhada muito antes de uma Copa do Mundo. Culpar jogadores e treinadores é equivocado. O erro está na forma como se conduz o futebol nestes países, reflexo do que somos como países. Disto resultou em treinadores de primeira viagem como Dunga e Maradona serem guindados à posição de treinadores dos selecionados nacionais sem experiência alguma para tal.  Acontece com treinadores, administradores de nossas instituições, cidades e estados.

O responsável pela entidade máxima do futebol brasileiro tem poderes absolutos na condução do futebol no Brasil. Administra fortunas em suas mãos da mesma forma que determina quem será o próximo treinador da seleção.  O presidente da CBF se perpetua no poder eleito por um grupo de federações cujos presidentes o fazem da mesma forma.  E neste jogo de protege daqui beneficia dali e é dando que se recebe vão se mantendo à frente da maior paixão nacional.  Nem o presidente da república nem o congresso nacional têm influência sobre o futebol. 

Deveria ser simples assim: nenhum indivíduo poderia ficar mais de 8 anos no comando da entidade máxima do futebol brasileiro, o mesmo valendo para os presidentes de federação, do Comitê Olímpico Brasileiro e qualquer federação de esporte.

A perpetuação dos mesmos nestes cargos dá margem para muita coisa ruim, muita roubalheira. Mas diante da anarquia moral em que vivemos neste país, perder uma copa do mundo é o menos importante.

No mais, parabéns para os espanhóis, um povo que vive intensamente o futebol e que finalmente ve sua seleção brilhar internacionalmente. Méritos para o Uruguai, que volta ao cenário internacional depois de tantos anos de ostracismo.  Para os anfitriões, resta saber o que fazer com os estádios que construíram para a grandeza da FIFA.  

Incorrigível, ainda quero um “Brasil x Argentina” na final da copa do mundo, quem sabe no Maracanã, com vitória da selação nacional.

Anúncios

Tags: , , , , , , ,

6 Respostas to “Copa de 2010, África do Sul (Maradunga)”

  1. maniacosporfilme Says:

    Ótimo comentário.

    Como sugestão adicional, que o presidente da CBF e o técnico da seleção também tenham ficha limpa, para afastar contrabandistas de chopperia que herdam o comando da entidade do “sogrão gagá” mas influente. Deste modo, pode ser que as convocações venham a obedecer estritamente a critérios técnicos, e não a de convocar jogador de empresário para valorizar o passe. Por que será que o competente Muricy Ramalho recusou o comando desta seleção? Por amor ao Fluminense?

  2. Aventoe Says:

    Uma das mais lúcidas avaliações que li. Quanto à final contra los hermanos, se eles se esforçarem, um dia virá…

    Sobre o Muricy, não iria trocar o comando da Esquadra Tricolor por qualquer time!

    Abraços.

  3. Denise S. Says:

    Olha, ainda que eu não seja exatamente fã do fotubel, devo concordar que uma final entre Brasil e Argentina no Maracanã seria algo histórico.
    Excelente post!

  4. Barulho « Um Lugar Para Escrever Says:

    […] Vuvuzela A Copa do Mundo da África do Sul não foi a melhor para nós. A triste campanha dos Maradungas jogou água fria na nossa torcida, mas abreviou nossa aflição e nos permitiu saborear sem […]

  5. Wagner dos Santos Says:

    Tenho um pensamento muito crítico com relação ao assunto abordado. Hoje, no mundo “virtual” do Futebol, temos a falsa noção de que os jogadores ditos “OS MELHORES” estão em condições reais de representar nosso País. A Mídia, Rede Globo, Nike, CBF, FIFA e outros, “enfiam” nas mentes amantes do futebol, que, os ditos jogadores Brasileiros(estrangeiros), fazem parte da seleta seleção, e que não existem melhores do que eles. Que informação pífia. Ontem por exemplo, o Ganso, Neymar e companhia provaram minha teoria. Pode vir Dunga, Mano, Andrade, Zico …. etc, que, se não existir um planejamento sério, sem política do toma lá da cá, sem cumprimento das ordens de meia dúzias de “Babacóns” da NIke e Fifa, teremos o Hexa com certeza. Chega de Kaká e etc. Vamos valorizar os jogadores que estão aquí no nosso país,que querem uma oportunidade na seleção. Nenhum jogador estrangeiro, vai botar a canelinha preciosa no pau, para perder a oportunidade de ganhar os milhões de euros prometidos. Com isso, teremos um futebol regional e nacional com mais raça e técnica, pois todos irão querer chegar a seleção. Bem, finalizando. Não é o técnico que ganha jogo, mas os belíssimos jogadores que entram em campo, e que são considerados os melhores. Fui.

  6. Cariocadorio, Ano I « Cariocadorio's Blog Says:

    […] minha surpresa a copa de 62 superou as de 58 e 70 nos acessos.  A série acaba com Maradunga, triste conclusão da copa deste […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: