Archive for novembro \26\UTC 2011

As obras do MAR (museu de arte do Rio)

26 de novembro de 2011

O prédio da Rodoviária, parte do MAR, 21nov11

As obras do Museu de Artes do Rio (MAR) seguem em ritmo acelerado na Praça Mauá, como pode ser visto na sequência de fotos abaixo. Com a quantidade de gente trabalhando é possível mesmo que seja entregue no primeiro semestre de 2012.  O MAR será uma composição entre o Palácio D. João VI e o prédio da antiga rodoviária.  Clique  aqui para ver uma animação de como ficará o MAR.

12 de agosto de 2011

20 de setembro de 2011

8 de novembro de 2011

Pode-se notar ao fundo que as obras de estaqueamento (creio que reforço) do Pier Mauá para as fundações do Museu do Amanhã foram concuídas no período. O Museu do Amanhã será mais uma atração na Praça Mauá que integrará a revitalização da zona portuária. O conjunto completo que se estende até a Francisco Bicalho é conhecido como Porto Maravilha.
Dependendo de como serão administrados, estes museus poderão formar um magnífico quadrilátero cultural se pensarmos no Mosteiro de São Bento e nos centros culturais do Banco do Brasil, dos Correios, da Casa França-Brasil e outros situados entre a Rio Branco e a Praça Pio X.  Sem falar na majestosa igreja da Candelária. 

Em contrapartida, a Praça Mauá continua com o seu caos diário (clique qui). Mendigos se acumulam nas calçadas, o terrível beco (Travessa do liceu) atrás do abandonado edifício “A Noite” que torna-se um lamaçal quando chove e o próprio edifício, há anos em franca decadência, com intermináveis obras que, na verdade, nunca começaram.

Novo "MAR" e velha "Noite"

Inaugurar o MAR com a situação em que se encontra o seu entorno seria muito triste.  É colocar remendo de pano novo em pano velho. Aguardemos.

Fotos by Cariocadorio: Museu de Arte do Rio em construção (agosto a novembro de 2011)
Informações adicionais, clique  aqui.

Anúncios

Tristeza flamenguista

13 de novembro de 2011

É muito triste torcer para um time que demonstra em campo todo o desacerto de administrações pouco comprometidas com o clube. Tem sido assim há muito tempo com o Flamengo.  Mesmo nas vitórias.

É muito triste ver que contratações de comissão técnica e jogadores seguem critérios nebulosos. O que achar desse   Luxemburgo, misto de vedete ultrapassada e treinador decadente com um histórico de vitórias (há muito tempo atrás) e polêmicas em torno das boas intenções das suas decisões técnicas? 

É muito triste torcer para um time que tem na figura do Sr. Ronaldo de Assis Moreira seu maior ídolo.  Há muitos anos no ocaso da carreira, Ronaldinho Gaúcho é mais preocupado com sua promoção pessoal que com o clube.  Há inúmeros exemplos de sua falta de profissionalismo, demonstrada dentro e fora do campo. 

No campo, além das pífias atuações, demonstra uma falta de caráter imperdoável.  São incontáveis as vezes que atinge covardemente seus adversários para depois, sem um pingo de vergonha na cara, pedir desculpas como se fosse um lance acidental.  Enganam-se aqueles que acreditam que seja reação às faltas que recebe dos adversários.  Não, a agressão é conseqüência da frustração com o seu fraco desempenho, presa fácil de marcadores que, com imperdoável ousadia, impedem que faça suas jogadas de efeito circense e pouca objetividade. 

Enganam-se também os que acreditam que Ronaldinho “joga quando quer”.  Acostumou-se tanto a “não querer” que hoje o jogo não vem nem quando quer.  Não estou falando de uma ou outra jogada de efeito nem mesmo um ou outro gol ou assistência.  Afinal, precisa compensar os momentos em que fica escondido no campo ou quando mata a bola para o adversário, como no gol do Coritiba nesta tarde. Falo de um campeonato bem jogado, algo que justifique seu salário.  

É muito triste torcer para um Flamengo de pequenos escândalos diários, de grandes dívidas impagáveis, de efêmeros ídolos de barro, todo desarrumado em campo, com uma defesa esburacada e sem chutar pra gol.  

Quando teremos novamente ídolos da dimensão profissional de um Adílio, de um Andrade ou de um Zico?

Pior ainda é a seleção brasileira cujos dirigentes não dão a mínima pra futebol, aliás, eles detestam futebol… certamente não estariam nem perto dele se houvesse outra forma de ter tanto poder e dinheiro.