Archive for março \28\UTC 2014

Manifestação, liberdade e trabalho

28 de março de 2014

Olhem bem pra mim… Estou com roupas escuras, uma blusa enrolada no rosto e uma mochila nas costas.
Isto é uma manifestação!

Fecho a Av. Rio Branco e agora todos terão que me ouvir.  Caminho entre o lixo dos garis entoando palavras de ordem e faço calar os que são contra e a favor da Copa do Mundo da FIFA.   Destruo carros alegóricos, venço  black blocks, garotinhos, o sindicato dos rodoviários e dos produtores de ovo de codorna de Cachoeiro de Macacu que disputam a avenida comigo.

Não tenho culpa se meu pai começou aos 13 anos e só se aposentou aos 70.  Se minha mãe esfregava panelas até o último fio do Bom Brill.  Se me obrigaram a estudar mais do que eu tinha vontade e acabei no Pedro II.  Se me meti em más companhias, estes malditos caras que entraram pra faculdade.  Se não consegui me livrar deste jugo familiar e segui o exemplo do meu irmão.   O coitado também cresceu neste meio, não teve escolha.

Não tenho culpa se a política me dá náuseas, se não sei ultrapassar pelo acostamento, se não sei ser meio-honesto, se acho que lei tem que ser cumprida e outras besteiras do gênero.  Eu só conheço um caminho para viver em sociedade: trabalho e respeito ao próximo.  E não vou pedir perdão por isso. Posso ser todo errado mas sou brasileiro e tenho os meus direitos.

Com todo respeito a São Jorge e Zumbi, desafio vereadores a acabarem com os neo-feriados do Rio de Janeiro. Fecho a Rio Branco contra as sextas-feiras de carnaval antes que elas comecem nas quintas;  contra os feriados da Copa da FIFA que paralisarão a cidade; contra os meia-dúzia de gatos pingados que a cada dia vão às ruas do Rio em causa própria privando milhares do seu direito de ir e vir.

Pela liberdade de protestar.
Fecho a Av. Rio Branco pelo direito de trabalhar.

A estátua do Bellini

21 de março de 2014
A estátua do Bellini, 1969

A estátua do Bellini, 1969

Uma geração de jogadores de futebol, que com todo o mérito nos tornou um povo de “mascarados”, vem se despedindo de nós.  Esta semana Hilderaldo Luís, o Bellini, capitão de 1958, partiu ao encontro dos colegas Gilmar, Djalma, Nilton Santos, Garrincha (o segundo maior jogador de todos os tempos para desespero de Maradona) e outros.

Pelé, o caçula da turma, Zagalo e alguns mais seguem firme conosco.  Que seja por muito tempo.

Bellini foi o primeiro a erguer a taça Jules Rimet sobre a cabeça. Símbolo maior da conquista de 1958 na Suécia, este gesto foi desde então repetido por todos os campeões do mundo.  Nosso capitão foi homenageado com uma estátua na entrada principal do Maracanã.  A estátua do Bellini passou a ser o ponto de encontro dos torcedores que combinavam assistir juntos as partidas no antigo Maracanã.

A gente se encontra na estátua do Bellini

Naqueles tempos de um Rio de Janeiro mais tranquilo, a estátua do Bellini era o ponto de encontro entre as zonas norte e sul mesmo quando não se tratava de ir ao Maracanã.

Na foto, a equipe carioca de basquete infantil de 1969 junto à famosa estátua antes de iniciar a viagem de ônibus para Feira de Santana na Bahia.  Lá disputaríamos o campeonato brasileiro de seleções. Mas esta é outra história. Qualquer dia eu conto.

Ao Bellini e seus capitaneados, o agradecimento de uma geração que, graças a eles, cresceu campeã do mundo.

A Copa da FIFA

9 de março de 2014

brasil_2014As Copas do Mundo de Futebol eram conhecidas pelo país e pelo ano de realização.  Melhor que na escola e muito antes da intenet, as copas marcavam datas e ensinavam geografia.

A história fala da Copa de 62, no Chile. Da Copa da Suécia, nosso primeiro triunfo, que talvez tenha feito daquele país um eterno amigo do Brasil. 
A Copa da Alemanha que trouxe o carrossel holandês.  O que dizer da  maravilhosa Copa de 70? 

O sentimento, talvez inocente é bem verdade, era de que o futebol unia os povos em uma festa que pertencia a todos.      As Copas do Mundo de futebol eram uma instituição das pessoas, dos países. Enfim, podia ser a “Copa da Argentina” mas, fosse qual fosse, pertencia efetivamente ao mundo.

suecia_58Não sei bem em que momento esta “copa de todo mundo” deixou de existir para pertencer exclusiva e definitivamente à FIFA. 

A Copa do Mundo de Futebol que acontecerá na nossa terra este ano não é do Brasil.  É da FIFA.  A copa e tudo que a ela está associado. Seremos meros hospedeiros e financiadores. 

espanha_82 

Curiosamente, talvez o que tenha chamado atenção a este ponto seja a forma clara de definir o possessivo no nosso idioma. 

“Copa do Mundo da FIFA”, como a midia é obrigada a se referir, define muito bem a quem pertence o evento. Muito melhor que o “FIFA World Cup” que de algumas copas para cá ficamos acostumados a ver.  

 

franca_1998 

Pertencer a uma entidade cuja reputação é frequentemente arranhada por escândalos mundiais não ajuda a imagem do evento neste país. O que em parte explica manifestações de repúdio à Copa do Mundo em pleno “país do futebol”. 

coreia_japao_2002 

Os dizeres dos cartazes das copas nos ajudam a entender este processo.  Até 1998, na França não havia necessariamente menção à FIFA.  A partir de 2002,  Coréia e Japão, é Copa da FIFA e pronto.   

Vejam os cartazes de todas as copas no link para a Gazeta do Povo. de onde foram copiados para este artigo.