Politicamente Incorreto

Capa de Revista

Este grupo se vê uma vez por ano, pouco mais ou menos. Ontem concordamos que daqui a uns 20 ainda é possível que estejamos juntos mas em 30 anos, certamente, só no andar de cima.

No alegre convescote, regado a um pouco de álcool e a simpatia dos anfitriões, falávamos de temas atuais:

Insegurança, fora Temer, o Rock in Rio de 85, agora me aposentei, jamais me casaria com a Dilma, fechei o escritório, as dores na coluna, e seguia por aí até chegar nos transisso, transaquilo etc.

Aquela história de que era proibido e passou a ser permitido, bonito, na moda, finalmente chegou ao que os mais rodados temiam: agora é obrigatório.

É claro que cada um faz o que quiser com a própria vida, com o que sente e deseja.  Que use os avanços da ciência como lhe convier.  Pode tatuar o corpo, trocar de sexo e o que mais for necessário para se encontrar na vida.  Pode ser homem, mulher ou qualquer uma das milhares de opções entre uma coisa e outra.  Muito justa a luta para que se eliminem os preconceitos e se respeitem o direito de cada um na busca da felicidade.

Obrigatório

Há que respeitar e mesmo admirar os que, com tantos problemas que a vida nos impõe, ainda precisam enfrentar, e enfrentam, as dificuldades de nascer por fora diferente do que sente por dentro.

Mas quando se nasce, se tem pintinho é macho, se tem pepeca é fêmea.  Mais tarde vai produzir esperma ou menstruar.  Simples assim, biologicamente pode ser menino ou menina. Há que respeitar isto também.

Mas a mídia parece pensar diferente.  O que é difícil entender é qual seria o interesse que tem boa parte dela em convencer a sociedade de que o certo são vestidos para os meninos e gravatas para as meninas.   Parece que qualquer coisa diferente é uma agressão aos direitos de alguns. Seria apenas o justo interesse em defender o direito de cada um viver como queira?  Não parece e, caso seja, precisam repensar a dose.

Fato é que para aqueles que dependem da mídia para vender sua arte não dá pra ignorar esta onda.  Se quiser aparecer rápido é obrigatório, como mínimo, namorar alguém do mesmo sexo, se me permitem simplificar assim.  Seja homem ou mulher, se for macho (opa, desculpe) o suficiente para mudar de sexo, tanto melhor.

A revista Ela d’ O Globo de hoje, com capa e dez páginas desinteressadamente em torno do assunto, é apenas mais um exemplo.

Ou talvez este grupo que viveu Woodstock, queimou soutiens e sobreviveu a 21 anos de ditadura, aos Sarneys e às Dilmas da vida esteja mesmo ficando velho demais.

Fotos: fotos parciais da revista citada.

Anúncios

Tags: , , ,

4 Respostas to “Politicamente Incorreto”

  1. Paulo Roberto Dias Lopes Says:

    Gostei do texto. Bom vê-lo de volta ao Carioca do Rio com seus comentários sempre inteligentes e atuais. Abraço!
    P.S. Estou fazendo um curso intensivo de “politicamente correto” com minha filha. Talvez em breve eu possa até comentar. Uma coisa eu sei: estou ficando velho.

  2. Gilda Massari Coelho Says:

    Um tema delicado, bem abordado. Concordo com você sobre os exageros da mídia no tratamento da questão. Não é querer fugir da discussão, já que preconceito e discriminação são cruéis para todo “pássaro pintado”, tudo aquilo que é diferente dos nossos modelos mentais. No entanto, começamos a vivenciar algumas situações absurdas, como pais dando nomes “neutros” para que a criança futuramente defina o que quer ser. Esse é o exemplo mais leve, mas há outros extremamente sérios. Nascemos macho ou fêmea. Se durante a trajetória, nossa identificação é diferente daquela que o exame inicial mostrou, temos o direito de mudar e a sociedade deve aceitar nossa opção. O que não pode é tentar transformar exceção em regra. Sempre que preencho algum formulário com meus dados pessoais, quando o item é “sexo”, nunca tenho dúvida: feminino. Ultimamente, começaram a perguntar a raça. Branca, acho eu, mas não tenho certeza por onde meus antepassados andaram. Agora, desde o advento do novo prefeito do Rio, parece que andam perguntando a religião. Aí complicou de vez: católica, que não frequenta a igreja, nunca vai à missa, não comunga, reza de vez em quando, continua sendo católica? Do jeito que vai a coisa, a única certeza que tenho, em breve, será eliminada de todos os formulários. Sou da geração que viveu Woodstock, queimou soutiens e sobreviveu a 21 anos de ditadura, aos Sarneys e às Dilmas da vida… e talvez esteja mesmo ficando velha demais!

  3. João Camargo Says:

    Bom ver o Carioca do Rio novamente em atividade. Sobre o tema em questão, prefiro não comentar por motivo de extrema fadiga ao lidar com este assunto. Provavelmente é a velhice.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: