Archive for the ‘Rio de Janeiro’ Category

Hora de torcer pro Brasil

8 de junho de 2014

É claro que aquela senhora não acredita no que disse.  Aquela, de invejável pedigree, que trabalha no COL.  Todos sabemos que ainda há muito para ser roubado. Mas … voltemos a este assunto depois da Copa?

140608 copa no Rio

Agora não importa se a economia vai muito mal, se a mistura de político brasileiro e dirigente da FIFA deu neste descalabro, se a vitória pode beneficiar este ou aquele partido, se passamos atestado de incompetência e tudo mais.

A Copa (a de todos, não a da FIFA) é um maravilhoso encontro de nações. Agora é hora de receber em paz os que nos visitam em paz. É hora de assistir um dos maiores espetáculos do planeta.  Agora é hora de dar uma trégua e fingir que a gente acredita que “o que tinha que ser roubado já foi”.

Agora eu vou me enrolar na bandeira brasileira e
torcer para o Brasil.

Foto: cartão postal do Banco Itau

Minha história das Copas do Mundo

14 de maio de 2014

A cada quatro anos, nesta época, os canais de esporte se fartam de apresentar a história das copas do mundo. Filmes oficiais, clássicos das Copas, reportagens e por aí vai.  Tudo bem ver pela enésima vez o gol que o Pelé não  fez contra o Uruguai em 70, os dribles do Garrincha em 58 e o pênalti que o Baggio bateu pra fora em 94.  Mas o que dizer da fatídica final na França e dos gols do Paolo Rossi em 82?

Cada um tem suas preferências e sua própria história das copas do mundo.  Qual é a sua história? Onde é que você estava na final da Copa de 70?  Essa é fácil, mas na final de 86 fica mais difícil lembrar.  Aqui vai a versão do Cariocadorio.

Comecemos pela Copa de 50.  Para mim é aí que começa a história das copas apesar de que em 50 eu não fosse nem um lampejo de luxúria nos olhos dos meus pais. Mas não dá pra deixar de falar da grande catástrofe nacional: o Maracanazo.  Parece que foi ontem.

Maracanã, Jun/50

O palco foi este que aparece na foto, quase pronto para maltratar os brasileiros, vivos ou mortos, que contavam celebrar uma grande vitória.  A formidável campanha que nos iludiu com esta certeza teria sido a causa da derrota para o Uruguai na final.  Meu pai conta como foi a goleada sobre a poderosa Espanha da época, com o povo cantando nas ruas “eu fui às touradas de Madri” (clique para escutar com Carmen Miranda).

O goleiro Barbosa, injustamente lembrado como o símbolo desta derrota, sofreu por toda a sua vida.  Criminosos cumprem a suas penas (ou parte, ou apelam para a OEA como alguns mensaleiros) e depois ficam livres.  Barbosa não, sua pena foi perpétua e ele carregou até o túmulo nossa catástrofe nacional.

Copa de 54, Suiça

Em 1954, na Suíça, o Brasil ainda sofria as conseqüências da derrota anterior e caiu diante do (quase) invencível esquadrão húngaro.  Este, o grande favorito, foi derrotado na final pelos alemães, que conquistaram o seu primeiro titulo na base da tecnologia, perseverança e do cansaço dos adversários.

Faltavam então apenas quatro anos para o Brasil se livrar do complexo de cachorro vira-lata.

Pensamento de quem está ficando velho:  “Por que será que antigamente levava tanto tempo entre copas e hoje mal acaba uma e já começa a outra?”

A história das copas por Cariocadorio:
https://cariocadorio.wordpress.com/category/copas-do-mundo/

Fotos: Maracanã, Jun/50, (by Kléber, acervo pessoal Cariocadorio; proibida reprodução sem autorização prévia); Bandeira da Suiça (internet, open 4 group, downloads)
Nota: post reeditado com pequenas alterações. 

Perimetral, a demolição em 2 tempos

23 de abril de 2014
Remoção de escombros na Praça Mauá

Remoção de escombros na Praça Mauá

Há alguns anos critico esta obra faraônica que seria normal se fossemos uma economia como a dos Emirados Árabes.  Ainda acho que haveria alternativas para não demolir o elevado da Perimetral.  Mas não há mais espaço para reclamar porque a coisa está no chão.  Agora só resta torcer para que o Porto Maravilha faça juz ao nome.  

Antes da implosão

Antes da implosão

Depois da implosão

Depois da implosão

Pré-perimetral, circa 1965

Praça Mauá; pré-perimetral, pré-ponte, circa 1965

Houve um tempo, nem tão longínquo assim, que não havia Perimetral.  Aí sim, deveriam ter seriamente pensado em não construí-la.  Mas era tempo de Brasil Grande… 

A boa notícia é que o prefeito Eduardo Paes e sua equipe agora partirão para demolir o elevado da Paulo de Frontin e revitalizar o Rio Comprido e a Tijuca. Seria de um propósito ainda mais nobre: devolver à região a tranquilidade que lhe foi roubada há quatro décadas.  

Escombros da Perimetral

Escombros da Perimetral

Fotos atuais by Cariocadorio (i-phone – abril 2014) ;
Foto antiga: Praça Mauá circa 1965, obtida na internet (Site Portogente, Julio A.R. Reis)

Manifestação, liberdade e trabalho

28 de março de 2014

Olhem bem pra mim… Estou com roupas escuras, uma blusa enrolada no rosto e uma mochila nas costas.
Isto é uma manifestação!

Fecho a Av. Rio Branco e agora todos terão que me ouvir.  Caminho entre o lixo dos garis entoando palavras de ordem e faço calar os que são contra e a favor da Copa do Mundo da FIFA.   Destruo carros alegóricos, venço  black blocks, garotinhos, o sindicato dos rodoviários e dos produtores de ovo de codorna de Cachoeiro de Macacu que disputam a avenida comigo.

Não tenho culpa se meu pai começou aos 13 anos e só se aposentou aos 70.  Se minha mãe esfregava panelas até o último fio do Bom Brill.  Se me obrigaram a estudar mais do que eu tinha vontade e acabei no Pedro II.  Se me meti em más companhias, estes malditos caras que entraram pra faculdade.  Se não consegui me livrar deste jugo familiar e segui o exemplo do meu irmão.   O coitado também cresceu neste meio, não teve escolha.

Não tenho culpa se a política me dá náuseas, se não sei ultrapassar pelo acostamento, se não sei ser meio-honesto, se acho que lei tem que ser cumprida e outras besteiras do gênero.  Eu só conheço um caminho para viver em sociedade: trabalho e respeito ao próximo.  E não vou pedir perdão por isso. Posso ser todo errado mas sou brasileiro e tenho os meus direitos.

Com todo respeito a São Jorge e Zumbi, desafio vereadores a acabarem com os neo-feriados do Rio de Janeiro. Fecho a Rio Branco contra as sextas-feiras de carnaval antes que elas comecem nas quintas;  contra os feriados da Copa da FIFA que paralisarão a cidade; contra os meia-dúzia de gatos pingados que a cada dia vão às ruas do Rio em causa própria privando milhares do seu direito de ir e vir.

Pela liberdade de protestar.
Fecho a Av. Rio Branco pelo direito de trabalhar.

A estátua do Bellini

21 de março de 2014
A estátua do Bellini, 1969

A estátua do Bellini, 1969

Uma geração de jogadores de futebol, que com todo o mérito nos tornou um povo de “mascarados”, vem se despedindo de nós.  Esta semana Hilderaldo Luís, o Bellini, capitão de 1958, partiu ao encontro dos colegas Gilmar, Djalma, Nilton Santos, Garrincha (o segundo maior jogador de todos os tempos para desespero de Maradona) e outros.

Pelé, o caçula da turma, Zagalo e alguns mais seguem firme conosco.  Que seja por muito tempo.

Bellini foi o primeiro a erguer a taça Jules Rimet sobre a cabeça. Símbolo maior da conquista de 1958 na Suécia, este gesto foi desde então repetido por todos os campeões do mundo.  Nosso capitão foi homenageado com uma estátua na entrada principal do Maracanã.  A estátua do Bellini passou a ser o ponto de encontro dos torcedores que combinavam assistir juntos as partidas no antigo Maracanã.

A gente se encontra na estátua do Bellini

Naqueles tempos de um Rio de Janeiro mais tranquilo, a estátua do Bellini era o ponto de encontro entre as zonas norte e sul mesmo quando não se tratava de ir ao Maracanã.

Na foto, a equipe carioca de basquete infantil de 1969 junto à famosa estátua antes de iniciar a viagem de ônibus para Feira de Santana na Bahia.  Lá disputaríamos o campeonato brasileiro de seleções. Mas esta é outra história. Qualquer dia eu conto.

Ao Bellini e seus capitaneados, o agradecimento de uma geração que, graças a eles, cresceu campeã do mundo.

Tchau, Tchau, Perimetral

26 de janeiro de 2014

O Cariocadorio começou na Praça Mauá, com o Porto Maravilha e com o anúncio do fim  da Perimetral.  Desde 2009 me manifesto contra a derrubada da Perimetral (clique aqui e aqui). Cheguei a criar um VLT  na Perimetral (clique aqui) que, aliás, ainda acho que seria muito interessante e útil para os cidadãos.

Em frente à Praça XV

Em frente à Praça XV

Arcenal de Marinha e Baía de GB

Arsenal de Marinha e Baía de GB

Pois bem, nesta sexta dei o meu último “passeio” pela Perimetral.  Era este, até então, o meu caminho diário para o trabalho desde o século passado.

Obras do Museu do Amanhã e Transatlântico

Saída para a Pr. Mauá – Obras do Museu do Amanhã e Transatlântico

Agora só me resta torcer para que a fortuna que gastamos para derrubar esta via nos traga, pelo menos, o alento de uma melhora substancial para a região.  Alguma coisa que nos faça esquecer o desperdício e o sofrimento de um trânsito caótico por tantos anos.

Que não fiquem somente as mazelas das enormes torres e aglomerações de edifícios que serão construídas, segundo a prefeitura, para pagar a conta. Que as pessoas, e não só os grandes empreendimentos, lucrem com esta história.

Não quero ser pessimista mas, para quem defendia a vista para a baía de Guanabara, aquele monstrengo de vidro ao lado do INTO não é um bom começo.

O INTO e o monstro

O INTO e o monstro vistos da Linha Vermelha

Fotos by Cariocadorio, Janeiro de 2014

Árvore de Natal da Lagoa – 2013

25 de dezembro de 2013

???????????????????????????????

Caminhava na chuva pela lagoa Rodrigo de Freitas um tanto vazia nesta véspera de Natal.  Alguns se exercitavam nos aparelhos do baixo bebê da região.  No bolso a pequena câmera, lá ia eu tentar tirar umas fotos da árvore de Natal da lagoa.  Tarefa difícil com os recursos disponíveis.

???????????????????????????????

O tempo deve ter afastado a maioria dos turistas desta época.  Ainda assim havia alguns incautos se  molhando para ver a árvore.  Já na volta pra casa me ofereci para tirar a foto de uma família que estava por ali.  Foram tantos os agradecimentos pelo gesto que a recompensa teve mais valor que a foto.  Não é preciso muito para ser feliz. De repente a gente á que complica as coisas.

 

Consegui fazer algumas fotos que saíram melhor do que eu podia esperar. Aproveito para dividir aqui com os amigos deste Cariocadorio.

Feliz Natal e que tenham todos um ótimo 2014.

042panoramica contraste

Fotos by Cariocadorio:  Árvore de Natal da Lagoa (dezembro de 2013)

Bem-vindo ao caos carioca

21 de dezembro de 2013
Turistas puxando malas na Rio Branco

Turistas puxando malas na Rio Branco

De repente tinha um monte de gente atravessando a rua sob o que ainda resta da Perimetral. Na Praça Mauá e seus arredores, turistas desembarcados dos luxuosos cruzeiros sentiam um choque de realidade.   Rapidamente se espalharam pelas calçadas do início da Av. Rio Branco.   Carregando malas e bagagens caçavam taxis que os levassem ao seu destino na Cidade Maravilhosa. Na praça havia uma fila organizada mas os taxis custavam a aparecer. Ainda tiveram sorte de não estar chovendo e de não terem que encarar o infernal calor do meio-dia, típico desta época.

O cenário era perfeito para ação de bandidos, taxistas desonestos e outros pilantras. A chegada ao Rio de Janeiro pela rodoviária Novo Rio e pelos aeroportos do Galeão e Santos Dumont parecem coisa de primeiro mundo se comparados ao caótico desembarque de turistas na Praça Mauá.

Turistas na Praça Mauá

Turistas na Praça Mauá

Seria fácil dizer que tudo será resolvido quando tivermos o terminal marítimo apropriado.  Mas bastaria um mínimo de organização e competência aliados a respeito ao consumidor para evitar esta situação.  Conhecendo a nossa realidade, é de se esperar que este caos perdure por toda a temporada.    

Fotos by Cariocadorio:  Turistas na Praça Mauá e Turistas na Av. Rio Branco (20/12/13).

Saudades do Rio

1 de dezembro de 2013

O título deste post é uma homenagem ao fotolog do mesmo nome. Durante anos o “Saudades do Rio” e outros espaços criados com propósito similar ajudaram a reconstruir a história recente do Rio de Janeiro.  Vários deles estão referidos com links na página inicial deste Cariocadorio. Recentemente, o Terra, site que hospeda os FRA (fotologs do Rio antigo), anunciou para 30/12/13 o fim deste serviço.

Laranjeiras, Campo de Fluminense, 1936

Laranjeiras, Campo de Fluminense, 1936

Rua Ipiranga, 1905: ao fundo A Praça de Touros do Rio

Rua Ipiranga, 1905: ao fundo, a Praça de Touros do Rio

Mais que o grupo de pessoas acostumadas a ver as postagens diárias, perde o Rio de Janeiro. As fotos e os comentários dos frequentadores formaram um importante acervo sobre a história recente da cidade que merecia ser mantido.  Esperemos que as fotos voltem a ser postadas onde possam permanecer como referência. Mas alguns comentários de pessoas que conheceram os logradouros e viveram a história do lugar não serão recuperados. Saudades também de alguns comentaristas que já estão frequentando sites da próxima dimensão.

Pavilhão Mourisco, início do Sec. XX

Pavilhão Mourisco, início do Sec. XX

Minha homenagem vai com estas fotos roubadas dos FRA  que me ajudaram a conhecer minha própria história. Mostram regiões do Rio que  são referências da infância. O Fluminense e as ruas em seu entorno, onde morei e caminhei no caminho da escola; a rua Ipiranga com uma inacreditável praça de touros ao fundo, na rua das Laranjeiras; e o pavilhão Mourisco, que explica o nome daquela região ao final da enseada de Botafogo.

Registro meu agradecimento aos que tiveram a ideia de criar os FRA e àqueles que ajudaram a construí-los e a mantê-los portanto tempo.  Ficamos no aguardo de novas plataformas que suportem uma iniciativa que não pode acabar.

Colégio Pedro II, turma B, 1966

17 de novembro de 2013
CP II Turma B, 1966

CP II Turma B, 1966

A turma B era até mal vista na escola.  O pessoal estourava cabeções no banheiro, batucava nas carteiras, fazia guerra de giz, colava chiclete no teto para vê-los descer lentamente em plena aula e, de repente; …. culpa do Bacalhau que tirou a cara da frente e deixou o apagador quebrar a vidraça. Quando a Gina da turma D fez aniversário foi uma festa…”Viva a Gina!”,  cantava o andar inteiro.

 

Via Dutra, 1968

Via Dutra, 1968

Transgredíamos mas o inspetor Fausto não deixava barato.  Havia disciplina. E lá vai todo mundo formado de pé na porta do banheiro, detidos mais uma vez depois da hora.

Lago Azul, Itatiaia, 1968

Lago Azul, Itatiaia, 1968

 

Nos encontramos em 1966, no 1º ginasial.  Era o tempo da ditadura embora no início não tivéssemos nem ideia do que isso significava. Seguimos por décadas perdidas e sobrevivemos aos militares, aos Sarneys que nunca se vão, aos planos e às cores do poder, ao Itamar e suas saliências, ao Real que deu certo e nos reencontramos há alguns anos sob o império de Lula e seus mensaleiros.

As aulas da D.Mary, do Freitinhas, da bela tia (ou seria prima) da saudosa Maria Cristina, da sisuda prof. de inglês, do Ítalo de histórias e passeios e até daquele simpático professor de latim serviram para alguma coisa. Porque podemos nos orgulhar da bagunça que fizemos e do rumo que demos às nossas vidas.

 

juntos novamente, 2011

juntos novamente, 2011

Os que perdemos viverão na nossa memória, parte que sempre serão da turma B de 1966, turno da tarde do Colégio Pedro II do Humaitá.