Posts Tagged ‘aniversário’

Minha Grande Família III

20 de fevereiro de 2011

Nem só de Rio vive o Carioca.  Ainda que um pouco mais distante, São Paulo também é terra da família. 

Tio Horácio

 Minhas lembranças da Cidade de São Paulo começam em 1964 quando lá chegamos pra uma visita a bordo da Vemaguete novinha. As indicações de ruas eram complicadas.  Alguem nos indicou para entrar á direita no farol.   Passamos por três sinais e estamos procurando o farol até hoje.   Foi em um cruzamento destes que deixamos o cano de descarga do carro no chão… ninguem nos avisara das valas para escoamento fluvial.  Ficamos alguns dias com o motor dois tempos da Vemaguete fazendo um barulho infernal.

 

Acho que a história da família começa em Bauru antes de chegar em São Paulo mas deixo pra turma mais velha relembrar, identificar os personagens e contar para os mais novos.   

Uma Menina linda, 1945

Aliás, o pessoal de São Paulo foi o que mais contribuiu para aumentar a família.  Este é um mês de aniversários, uns que passaram há pouco, outros que estão por vir.
Parabéns para todos os aniversariantes.

Guarujá, fevereiro de 1961

 

São Paulo pode ser um ótimo lugar mas de vez em quando é uma boa dar uns passeios por aí. Paulista tem fama de gostar de ir ao litoral e a família não é exceção.  Aqui está a turma passando umas férias no Guarujá. 

 

Mas como há muita riqueza nas cidades no interior, vamos aproiveitar a visita do vovô Abel e da vovó Belmira para um passeio na Gruta da Glória, entre Itu e Pirapora.  Fica o registro nesta foto.  

Estrada Itu - Pirapora, 18/9/1955

As novas gerações devem estar pensando:  “E nós?”
Bem, isto aqui é para a gente lembrar o passado.  Vocês ainda estão fazendo o presente e preparando o futuro para os que vem por aí.  Quem sabe alguem não tem a idéia de pegar as fotos do finzinho do século passado e einício deste para montar um blog? 
Vai juntando fotos e vídeos.

Fotos do acervo pessoal Cariocadorio.  Proibida a reprodução sem autorização prévia.

Anúncios

Cariocadorio, Ano I

3 de outubro de 2010

“Por que você não faz um blog?”,  perguntou-me  Aventoe

Celebremos

Celebremos

Eu tinha todas as razões do mundo para não fazer um blog.  A primeira delas era não saber exatamente o que era um blog e muito menos como começar um.  E tinha ainda aquela má vontade por conta de um tal político que gastava mais tempo factoideando em um blog do que cuidando do Rio de Janeiro. 

Um dia depois eu já tinha um blog com nome e tudo:
Cariocadorio – cheguei ao nome após um toró de palpites pessoal.  Não sei bem como foi.  Gostei e ficou.

O primeiro post foi Olimpíadas 2016, Esperanças e Preocupações . Importante por ser a primeira aventura de escrever alguma coisa que poderia ser lida por qualquer pessoa. O importante  era escrever. A vontade de que alguém lesse veio depois. E, depois ainda, querer saber quantos leram cada artigo, se comentaram etc.

E assim, 86 artigos publicados e mais de 27.000 acessos depois,  passou este primeiro ano de Cariocadorio. Quisera poder me concentrar mais no tema Rio de Janeiro, com mais críticas e análises sobre a cidade.  Mas isso é  difícil, coisa para profissionais.  A política nacional e local  não ajudam. Quem pode manter a esperança com tanta desordem e corrupção? 
Se não quero ficar calado também já estou muito rodado para ficar malhando em ferro frio.

Enseada da Botafogo

Ao mesmo tempo virei freguês dos fotologs do Rio antigo que me incentivaram a buscar inspiração nos baús de fotos da família.  E a família virou tema. O automóvel e o esporte foram inevitáveis na sequencia.   Alguns temas incidentais apareceram mas o acorde principal se manteve.

O mais importante:
As velhas fotos trouxeram o artigo mais importante: Trampolim do Diabo, com uma foto inédita tirada pelo meu avô em 1935.  Mostra o trágico acidente que vitimou Irineu Correa no tradicional circuito da Gávea no Rio de Janeiro.

Meus favoritos:

Vemag em Ibicuí, 1959

Alguns deram muito trabalho, outros mais satisfação e tem aqueles que eu não precisava ter escrito que felizmente são poucos.  Alguns, por algum que outro motivo, são os que eu gosto mais.
O Guarda Livros, sobre uma foto de 1910.
Barra da Tijuca 2017, uma preocupação que começa a ficar menor.
O Homem e sua Próstata, uma preocupação de tantos.
A Cigana Rica, muito especial.
Copa de 82, Espanha, baseado em um fato quase real.
A Porta do Elevador, pra quem sabe o que é isso.
Ibicuí, pelo que representa e pela foto.
Autódromo do Rio, uma paixão de longa data.

Campeões de audiência: 

Veleiros no Píer Mauá

Em fevereiro os veleiros das armadas nacionais atracaram no Pier Mauá.  Com mais de 840 acessos,  este foi o artigo mais acessado.  Grandes Veleiros no Pier Mauá foi ponto fora da curva nos gráficos das estatísticas.

Outras fotos, estas de 1950, mostram o Estádio do Maracanã ainda incompleto.  Representante maior do esporte favorito do Brasil, o Maracanã não poderia deixar de ser dos mais acessados no blog.  Com mais de 830 hits, logo chegará ao topo. 

Uma série de artigos sobre as copas do mundo de 1950 a 1986 (faltou tempo para continuar) aumentaram a audiência. Para minha surpresa a copa de 62 superou as de 58 e 70 nos acessos.  A série acaba com Maradunga, triste conclusão da copa deste ano.

O Estádio do Fluminense, mostra a abertura da Pinheiro Machado para atender ao Túnel Sta. Bárbara.  A procura tem crescido com a ascensão do Fluminense.  

Acidente em Ipanema e Aeroporto do Galeão completam a lista de mais votados com mais de 370 acessos.

Enfim, um balanço positivo que me anima a continuar este passatempo com o qual espero, de carona,  contribuir um pouco com o Rio de Janeiro e manter próximos relacionamentos distantes.

Aos que por aqui apreceram e contribuiram, obrigado pela visita e pelos comentários, mesmo os que discordam do Cariocadorio.  Voltem sempre.  

Parque das Águas de São Lourenço

Fotos by Cariocadorio:  Celebremos (Fev 2010); Enseada de Botafogo (Out 2009); Veleiros no Píer mauá (Fev 2010); Parque das Águas de São Lourenço (Jul 2010); Vemag em Ibicuí, 1959 (Acervo Cariocadorio, proibida a reprodução sem autorização prévia)

Tela Redonda

14 de julho de 2010

Relíquias dos anos 50

Estamos em agosto de 1960.  Enquanto minha madrinha faz pose para a foto, o tio Maurício está muito mais preocupado com o jogo do Flamengo.  O radinho de pilha, coisa moderna na época, vai colado ao ouvido.

Na época esta foto foi apenas mais uma do dia do meu aniversário. Hoje ela  nos traz algumas relíquias.  Começando pelo tradicional telefone preto, passando pelo radinho da marca Spika e chegando às estrelas da companhia. 

Uma típica rádio-vitrola em que vagamente me recordo de ter ouvido tocar uns velhos discos de 78 rpm e a formidável televisão Zenith, tela redonda, que não me lembro de ter visto outra igual. Nesta TV desfilaram artistas renomados como o Pica-pau, a Tartaruga Touché, Lippy o leão e a hiena Hard Rá-Rá (Oh céus, oh vida, oh azar!), o Super Homem e o meu favorito National Kid.  Tinha ainda o programa de tia Fernanda que apresentava os flautistas “Bicudo e Bicudinho”. Um deles era o Altamiro Carrilho.    

Esta TV durou bastante. Os tempos eram difíceis e não dava para comprar uma nova.  No final era um sacrifício assistir os programas favoritos.  Primeiro tinha que esperar até que esquentasse.  Enquanto isso dava pra ouvir o Altemar Dutra cantando “o Trovador” no Rio Hit Parade da TV Rio. Ver era mais difícil.  Depois, a toda hora os controles de vertical e horizontal tinham que ser acionados para parar a imagem.  O problema era em um tal de flyback, seja lá o que isso fosse.  

Finalmente a heróica Zenith foi aposentada e em seu lugar chegou uma Telefunken. Totalmente sem graça mas funcionava muito bem.  Junto com a Copa de 74 chegou uma Philco a cores, 24 polegadas se não me engano.   Tempo de milagre brasileiro …

Pesquisando na internet encontrei o modelo da foto, praticamente igual, no site “Television History” que lista diversas TVs em ordem cronológica:
http://www.tvhistory.tv/1950-59-ZENITH.htm

Foto: Relíquias dos anos 50 (agosto de 1960); acervo Cariocadorio, proibida a reprodução sem autorização prévia.

Aniversários de junho

28 de junho de 2010

Vovó com netinhos

Estamos no mês de junho, o mês nos traz o inverno, as festas juninas e, a cada quatro anos, uma Copa do Mundo. Este ano a copa da África do Sul está roubando a cena mas nem ela pode ofuscar o que de mais importante junho nos trouxe. 

Chuta, Moleque!!!

Bate firme, garoto!!

Bem que a gente tentou juntar as duas coisas e até preparou a turma pra jogar futebol.  Se desse certo eles poderiam estar nos representando na África do Sul. Mas apesar do estilo não deu.  Os caras seguem jogando  só nos campos de pelada.

O que importa é que junho é mês de comemorar os aniversários desses primos todos.  Dos que quiseram ser econômicos, da que preferiu fazer as coisas direito e daquela que gosta de gente doida.

O importante é a vocação e as pessoas formidáveis que são. 

Cuida bem da neném

Nestas datas queridas vai uma mensagem especial para vocês quatro:
Feliz aniversário e muitos anos de vida!

Que vida boa!

Fotos by CariocadorioVovó com netinhos  (Rio, Jan 1989);  Chuta,  Moleque!  e Bate Firme, Garoto! (Itaguaí, Maio 1989); Cuida bem da neném (Jun 1987); Que vida boa (São Pedro D’Aldeia, Maio 1989)

Nesta Data Querida

21 de abril de 2010

 

Hoje é dia de Tiradentes.  Primeiro herói da independência nacional, pelo menos de acordo com os livros de história do Brasil. Seja como for, Tiradentes é uma figura importante da história deste país.  Graças a êle hoje é feriado e está fazendo um belíssimo dia no Rio de Janeiro.  Hoje também é o dia em que Brasília comemora os seus cinquenta anos, tanto quanto faria hoje o nosso Estado da Guanabara.  Tudo isso tem a sua importância mas nada a ver com o título deste artigo. 

Nesta data querida celebramos um acontecimento muito especial que nos é lembrado a cada dia, todos os dias. 

Foto: 1° aniversário (arquivo pessoal Cariocadorio)

Semana de Festas

3 de março de 2010

445 anos de Rio de Janeiro

Nesta semana comemoram-se vários aniversários.  Aquele que deveria ser mais lembrado passou quase desapercebido.  Aliás é sempre assim.  A gente até esquece a data da fundação da cidade do Rio de Janeiro.  Fora um bolinho de 10 metros na rua da Carioca nem sei o que foi feito para comemorar. 
Pensei em tirar uma foto mas o dia  estava tão cinzento que preferi colocar  alguma coisa mais azul, mais Rio de Janeiro.  A foto acima foi inspirada (quase copiada) em uma idéia do Fotolog “Coisa Lúdica”.  Veja clicando aqui, vale a pena.

No Ed. Zacatecas, 1954

Os outros aniversariantes são de casa. O moleque da esquerda faz pose no edifício Zacatecas em Laranjeiras, lá pelos idos de 1954.  Este ainda é um garoto, particularmente se comparado ao pai, que completa 87 anos.   Para  o homem chamado trabalho nada melhor que uma foto em plena ação.  Cuidando do dinheiro da empresa onde trabalhava, lá estava ele nesta foto de 1977.  Nada de computador, excel, e-mail e outros acessórios.  A velha planilha manual, uma bic escrita fina, a calculadora Facit e um telefone de disco davam conta do recado.   

Fiquei preocupado quando disse que ia se aposentar de vez, aos setenta e tal.  Ficar em casa podia não fazer bem pra quem trabalhou desde os treze. Perguntei se era isso mesmo, se tinha certeza que queria parar.  Na hora ficou meio em dúvida mas sabia que precisava. Seis meses depois completou:  “se soubesse que ia ser tão bom já tinha parado faz tempo”.

Ao trabalho, 1977

Fotos:  Pão de Açúcar (outubro de 2009) by Cariocadorio; No Ed. Zacatecas (1954) e Ao trabalho (Agosto de 1977), acervo pessoal Cariocadorio, proibida a reprodução sem autorização prévia. 

Dia de festa

24 de fevereiro de 2010

Contador de piadas

Esta festa de 2 de agosto de 1960 é a minha mais nítida memória da infância.  Talvez por estar tão bem documentada com fotos. Lá estiveram quase todos que faziam parte do meu mundo familiar, que durante tanto tempo foi o mundo que conheci.   Celebrávamos o meu aniversário. Eu estou aí, pequenininho, de costas.  O bolo em cima da mesa, ornamentado com o Falcão Negro, foi feito com carinho e competência pela tia Vinícia.

Pois foi ela que nos trouxe, em um certo 24 de fevereiro, aquele que é o centro das atenções nesta foto.  O contador de piadas.

O Studebaker

Em todas as festas da família chegava uma hora que a turma se concentrava para ouvir as piadas do Ronaldo.  Tinha sempre uma nova e muito bem contada, em geral com com aquela picardia que hoje soaria quase inocente. A vida é assim mesmo, já não temos tantas festas com antigamente mas, sempre que surge a oportunidade, as piadas nos divertem.

Do tempo desta foto de fevereiro de 1956 eu confesso que não me lembro bem, o que é muito justo.  Assim como é justo que o Ronaldo não tivesse jeito com crianças, afinal ainda estava longe de formar sua bela família com tantos filhos e netos.   O fato é que estamos juntos . Aqui nós servimos de desculpa para mostrar a grande estrela desta foto tirada em Ibicuí: o Studebaker do vovô que eu diria, sem grande convicção, ser de 1949. 

Meu primo

 
Já que começamos, vamos continuar voltando no tempo até chegar em 1942.  A foto foi dedicada aos meus pais em 24-3-1942 e bem guardada até hoje.

Vendo essa foto, não sei porque me lembrei de uma daquelas brincadeiras rápidas que não faltam no repertório do meu primo:
“Tô com o olho anuviado”.

Fotos: acervo pessoal Cariocadorio (proibida a reprodução sem autorização prévia)

Feliz Aniversário

3 de janeiro de 2010

 

Posando no barco

Depois de feliz Natal e feliz ano novo só pode vir o feliz aniversário.  Uma homenagem aquela cigana rica do Carnaval de 49. Desta vez em foto de 1956, na lancha do Tio Altair, na casa de Ibicuí.
A trajetória desta casa de Ibicuí vai aparecer mais vezes neste espaço. Temos um acervo de fotos muito interessante sobre este período que certamente foi dos mais felizes do legado de Belmira e Abel.
A foto é para comemorar este três de janeiro de 2010, aniversário de quem tem muito a ver com este espaço. Aliás, sem ela não haveria este blog.

Portanto, feliz aniversário pra minha Cigana Rica.

Foto: Posando na lancha (Ibicuí, Fev. 1956). Acervo pessoal Cariocadorio. Proibida a reprodução sem autorização.