Posts Tagged ‘comportamento’

A natureza do Escorpião na Copa da Rússia

29 de junho de 2018

Numa ilhota no meio do rio, a fauna local discutia o assunto do momento.  Não davam a mínima pro STF soltar o Dirceu e liberar a Gleise.  “Depois a gente discute o aumento do plano de saúde”, disse o marreco.  “Isso mesmo. O que interessa é a Copa do Mundo (da FIFA é o cacete!), que a copa é de todos”, concluiu o jacaré sob aplausos.

Ali só tinha entendido dando pitaco: “o melhor foi Portugal x Espanha”: “pra mim foi pênalti claro”; “e que falha do Caballero!”; “esse VAR é uma chatice”; “a Bélgica vai surpreender”; “o Peru se despediu com dignidade”; “tem que abrir o olho com o Uruguai”…

A garça lamentou: “Que vexame da Alemanha, hein? Deixa ela ir mas cuidado que a Argentina tá no páreo”.   O biguá falou e todos concordaram que o México tá jogando como nunca mas vai perder como sempre… Bem, alguns preferiram se calar por enquanto.

A discussão esquentava e o rio subia.  Era água muita. A ilhota foi ficando pequena. A garça se mandou voando, as formigas desceram terra abaixo, cada bicho dando o seu jeito.

O sapo já ia pular na água quando o escorpião pediu uma carona.

             

“Me leva nas suas costas até a margem. A gente continua a conversa”.

“Negativo, e se você me der uma ferroada?”, retrucou o sapo.

“Tá louco? Se eu fizer isso morro afogado”.

O sapo concordou e a discussão continuou no caminho:

E os craques? O sapo reclamava de todo mundo. “O Messi não tem sangue, não vibra, não se esforça.  O Neymar (o Jr., que fique claro) quer a bola só pra ele, é um cai-cai danado, assim não dá.  E o Gajo? Joga muito mas tá mais preocupado em se ver no telão.  Acabou perdendo pênalti”.

O escorpião contemporizava: “Pacote completo. Eles são assim mesmo. É da natureza de cada um”.

Chegando na margem o escorpião desceu das costas do sapo e sentenciou: “Na minha opinião a Croácia do Modric chega na final”.  O sapo apostava num Brasil x Espanha, “apesar de tudo”.

A garça, que via a cena lá de cima, interrompeu: “Peraí! essa história não devia terminar com uma ferroada no sapo e os dois morrendo no rio?  É da natureza do escorpião, ou não é?”

“Claro que é!”, explicou o artrópode peçonhento.   “Mas na hora H, se a gente quiser continuar vivendo tem que fazer concessões.  O Cristiano teve a lição dele, o Messi já fez gol e o Neymar… Bom, o Neymar  entendeu que se ficar irritando o adversário, o juiz e a torcida não chega a lugar nenhum.  E já tá começando a jogar pro time.”

“Vamos torcer, e que vença quem ganhar!”
“E que seja o Brasil”, piou o biguá voando pra Lagoa Rodrigo de Freitas.

Ilustração obtida na internet: jornalggn.com.br  

Anúncios

Covardia

26 de maio de 2018

O covarde se esconde, dissimula, agride sem que sua vítima tenha chance de se defender.  O covarde não tem ética, não tem moral. Ele testa a sua força na fraqueza dos outros. O outro covarde, fragilizado em seu medo, não reage.

O covarde superfatura remédios, rouba merendas escolares, embolsa fundos para vítimas de catástrofe, assalta na fila de desempregados ou mete uma bala na velhinha que demorou a entregar a bolsa.

A covardia é uma das facetas da falência da nossa sociedade.

Diariamente, duas vezes ao dia, o telefone toca.Na outra ponta tem uma empresa covarde.  Você se levanta e atende a uma gravação que se identifica como o “Eduardo da Vivo” ou o “Fernando da Oi”.  “Tenho uma ótima oferta pra você”.  Dane-se se você está estudando, vendo televisão, com dor de cabeça, esperando o telefonema do médico ou do seu amor depois da DR.

Atribuído a Maomé

A covardia está nos termos do i-cloud. “Agora não” ou “não aceito” não é a resposta certa. Você tem que aceitar, senão ele fica pipocando na sua tela e torna inútil o telefone até que você se renda.

O Trivago não é covarde, é só chato pra cacete. Você vai trocando de canal até que ele não apareça por um tempo. Menos mal.

Os caminhoneiros fecham a avenida, fecham a estrada, impedem o direito de ir e vir. No processo fecham escolas, aeroportos, hospitais… De carona na covardia da vez, a eles aderem motociclistas, peruistas, taxistas, uberistas pra defender seus interesses.  O empresário covarde triplica o preço da água mineral. Logo aparece o encapuzado, esteriótipo do covarde, a vandalizar tudo.

Todos diante de um governo covarde e acovardado, preocupado em se manter a qualquer custo. O que dizer deste patético bando de políticos? Informados com antecedência nada fizeram. Tentaram o jeito populista, com o dinheiro dos outros, sem solução.  Levaram cinco dias pra reagir com a energia que a gravidade do momento exigia.

Mas os caminhoneiros, manipulados ou não, têm direito de se manifestarem!!!
Claro que sim.  Mas não há limite para estes direitos?

No Brasil de hoje, onde tudo são direitos, proliferam crimes, criminosos, igrejas e covardia.

Imagem: grupopesphb.blogspot.com.br

 

A Falta que Faz

16 de janeiro de 2018

Começa hoje o campeonato carioca. O carioca do Rio de Janeiro transcende os limites da cidade, do estado e ocupa um Brasil com centenárias rivalidades.     Em Manaus, Salvador ou Juiz de Fora, discute-se o campeonato carioca.

Que importa se os Patriotas do marido da Gisele vão ganhar de novo ou se os Cavaleiros de Cleveland vão destronar os Guerreiros do Estado Dourado?  Parece ridículo mas os nomes são esses mesmos. Isso lá são nomes de times?  Estamos de acordo que não dá pra comparar com Flamengo, Vasco da Gama, Botafogo, Fluminense … ?

Os políticos do esporte fazem tudo para estragá-lo e dar razão aos que querem o fim do estadual.  Pode um campeonato “começar” com grupos B e C, ter 6 semifinais e 3 finais?

Os que querem o fim dos estaduais não sabem a falta que faz torcer pelo que é nosso.  É torcer pelo time da sua escola, pelo time da sua rua contra o do outro bairro, pelo seu time.

E como faz falta o América, cinco vezes campeão carioca. Lá em casa eram todos América. Pequena ovelha negra, rubro-negra, lembro dos velhos e meu irmão comemorando o campeonato carioca de 1960.

Pensando bem, o que faz falta mesmo é gente, amigos, família.  São as pessoas que dão sentido ao que chamamos de nosso.  Pessoas de quem um dia sentiremos falta, pois muito pior seria não ter de quem sentir falta. Sentir saudade, uma saudável saudade.

Que comece o carioca. E que vença quem ganhar!

Foto by Cariocadorio; “América rubro-negro”, 16/01/18

Futebol e sociedade

8 de fevereiro de 2015

150208 sub20A participação do Brasil no sul-americano de futebol sub-20 reflete o momento da sociedade brasileira. Nossos jovens atletas, a maioria peças importantes em seus clubes, foram amplamente superados pelos rivais. Derrotas claras para Argentina, Uruguai e Colômbia, em todas as partidas que valiam alguma coisa.

Perdemos até nas vitórias. Quando não no placar, perdíamos no comportamento, no “fair-play” (…é o cacete), na inteligência emocional. Nossos jogadores aliavam a burrice à falta de caráter e à irresponsabilidade ao dar entradas covardes nos adversários aos 45 do segundo tempo, com o jogo decidido. Cartões amarelos e expulsões explicáveis apenas pelo instinto perverso de rapazes mal formados moral e psicologicamente.

E que dizer do técnico Gallo igualmente expulso de campo pelo juiz no final de uma partida? Incapaz de conduzir estrategicamente uma equipe ao jogo coletivo, à prática sadia do esporte. Incapaz de transmitir equilíbrio emocional a atletas perdidos em campo. Deixo o pífio desempenho técnico e tático para avaliação de quem entende disso.

Foi patético ver nossos fortíssimos atletas serem envolvidos pelos pequenos colombianos e argentinos. Superados pelos esforçados uruguaios. Um bando de pseudo-estrelas tentando resolver sua própria vida em vez de contribuir para o coletivo.

Estava em campo o Brasil que estamos formando. Fruto da tolerância às transgressões, da prevalência do indivíduo sobre o coletivo. Uma sociedade que busca objetivos pequenos e efêmeros em detrimento de conquistas maiores e perenes.

Gerundismo; será que veio para ficar?

21 de setembro de 2014

140921 GerundismoA invasão gerundista começou como forma de enrolar o cliente:
“Estaremos enviando sua compra na próxima terça-feira.”

A principal característica do gerúndio é que ele indica uma ação contínua, que está, esteve ou estará em andamento, ou seja, um processo verbal não finalizado. Fonte: Info escola .

Portanto, “estaremos enviando” não é o mesmo que “enviaremos” sua compra na terça. Podem começar a enviar na  terça e continuar enviando por meses sem que a compra chegue.

O gerundismo acabou ganhando contornos de erudição.  As pessoas honestamente acham que estão falando bonito. Ontem mesmo, a simpática garçonete perguntou ao trazer a conta.

“Podemos estar incluindo a gorjeta?”

Tudo bem, inclui a gorjeta mas por favor não gerundia uma coisa tão simples.

Em São Paulo o gerundismo tem uma dimensão a mais.  O paulista tem a estranha mania de adicionar um “i” aos gerúndios:
Cê tá entendeiiiindo?”.

O português é suficientemente difícil.  Some-se a isso a deficiência do ensino e já temos aí uma base sólida para maltratar o idioma. Não precisamos de mais nada. 

Voto no candidato que prometer acabar com o gerundismo.

Ilustração obtido aqui.

Meg, uma doce criatura

24 de maio de 2014
Meg

Meg

Meg era uma destas criaturas que parecem estar fora de seu ambiente na Terra de tão boas que são. Seu porte físico de pastor alemão contrastava com a doçura do seu olhar e a bondade de suas atitudes.  Tenho a impressão de que se humana fosse, Meg seria alguem como a Madre Teresa de Calcutá.

Quando a bebê Ruby chegou, Meg abraçou a pequena intrusa com o carinho de mãe que nunca fora. A agitadíssima boxer alegrou a velhice da Meg.

"Mamãe" Meg e Rubi

“Mamãe” Meg e Ruby

Já bem velhinha sofreu com a fraqueza das pernas traseiras. Ficou rabugenta mas até nisso era boa.  Às vezes latia de ciúmes da outra sem jamais ser agressiva.

Esta semana finalmente se foi.

Megs como esta são criaturas raras na Terra e cada uma que se vai diminui o já carente estoque de bondade do planeta.  Espero que Deus tenha tido o cuidado de colocar outra Meg na Terra.

 

Fotos by Cariocadorio: Meg na piscina; Meg e Rubi (2010)

 

Manifestação, liberdade e trabalho

28 de março de 2014

Olhem bem pra mim… Estou com roupas escuras, uma blusa enrolada no rosto e uma mochila nas costas.
Isto é uma manifestação!

Fecho a Av. Rio Branco e agora todos terão que me ouvir.  Caminho entre o lixo dos garis entoando palavras de ordem e faço calar os que são contra e a favor da Copa do Mundo da FIFA.   Destruo carros alegóricos, venço  black blocks, garotinhos, o sindicato dos rodoviários e dos produtores de ovo de codorna de Cachoeiro de Macacu que disputam a avenida comigo.

Não tenho culpa se meu pai começou aos 13 anos e só se aposentou aos 70.  Se minha mãe esfregava panelas até o último fio do Bom Brill.  Se me obrigaram a estudar mais do que eu tinha vontade e acabei no Pedro II.  Se me meti em más companhias, estes malditos caras que entraram pra faculdade.  Se não consegui me livrar deste jugo familiar e segui o exemplo do meu irmão.   O coitado também cresceu neste meio, não teve escolha.

Não tenho culpa se a política me dá náuseas, se não sei ultrapassar pelo acostamento, se não sei ser meio-honesto, se acho que lei tem que ser cumprida e outras besteiras do gênero.  Eu só conheço um caminho para viver em sociedade: trabalho e respeito ao próximo.  E não vou pedir perdão por isso. Posso ser todo errado mas sou brasileiro e tenho os meus direitos.

Com todo respeito a São Jorge e Zumbi, desafio vereadores a acabarem com os neo-feriados do Rio de Janeiro. Fecho a Rio Branco contra as sextas-feiras de carnaval antes que elas comecem nas quintas;  contra os feriados da Copa da FIFA que paralisarão a cidade; contra os meia-dúzia de gatos pingados que a cada dia vão às ruas do Rio em causa própria privando milhares do seu direito de ir e vir.

Pela liberdade de protestar.
Fecho a Av. Rio Branco pelo direito de trabalhar.

Bem-vindo ao caos carioca

21 de dezembro de 2013
Turistas puxando malas na Rio Branco

Turistas puxando malas na Rio Branco

De repente tinha um monte de gente atravessando a rua sob o que ainda resta da Perimetral. Na Praça Mauá e seus arredores, turistas desembarcados dos luxuosos cruzeiros sentiam um choque de realidade.   Rapidamente se espalharam pelas calçadas do início da Av. Rio Branco.   Carregando malas e bagagens caçavam taxis que os levassem ao seu destino na Cidade Maravilhosa. Na praça havia uma fila organizada mas os taxis custavam a aparecer. Ainda tiveram sorte de não estar chovendo e de não terem que encarar o infernal calor do meio-dia, típico desta época.

O cenário era perfeito para ação de bandidos, taxistas desonestos e outros pilantras. A chegada ao Rio de Janeiro pela rodoviária Novo Rio e pelos aeroportos do Galeão e Santos Dumont parecem coisa de primeiro mundo se comparados ao caótico desembarque de turistas na Praça Mauá.

Turistas na Praça Mauá

Turistas na Praça Mauá

Seria fácil dizer que tudo será resolvido quando tivermos o terminal marítimo apropriado.  Mas bastaria um mínimo de organização e competência aliados a respeito ao consumidor para evitar esta situação.  Conhecendo a nossa realidade, é de se esperar que este caos perdure por toda a temporada.    

Fotos by Cariocadorio:  Turistas na Praça Mauá e Turistas na Av. Rio Branco (20/12/13).

A pia quadrada e o meio-ambiente

24 de outubro de 2013

Não há um só arquiteto que não ponha pelo menos uma pia quadrada em seus projetos. Pudera, depois de séculos de ditadura das pias arredondadas, as pias quadradas chegaram para dar um alento à criatividade destes profissionais. 
Pena que chegaram justamente quando a sociedade se preocupa tanto com o meio-ambiente.

E o que tem uma pia quadrada com o meio-ambiente? Tudo. 

Retangular de fundo plano

Retangular de fundo plano

Você já percebeu o esforço que a água tem que fazer para descer pelo ralo de uma pia quadrada? Pois é, porque não há hidrodinâmica de escoamento que resista a um fundo plano e cantos em ângulo reto.  Nas pias arredondadas a gente pode até saber em que hemisfério do planeta esta. Basta observar pra que lado gira o redemoinho formado pela água.  Enquanto isso, nas quadradas e retangulares temos que ficar rezando para a água escoar inteiramente. 

E me explica como é que você faz para deixar a pia limpinha após fazer a higiene bucal depois, digamos, de uma boa salada com alface, agrião, espinafre e outros verdes.  Nas pias quadradas é difícil fazer os verdinhos que sobraram correrem para o ralo.  O problema é que a água desce e eles teimam em ficar no fundo da pia.  E cada vez que você abre a torneira mais os verdinhos se afastam do ralo.  E você joga mais água direcionando com as mãos para os cantos.  Mas insistem em ficar ali os resquícios da sua salada. Aí você fica de saco cheio e retira os inconvenientes verdinhos com papel toalha. Você perde um tempão, enxuga a mão três vezes e desperdiça muita água.  Sem contar o papel.

Antes que alguém invente o vaso sanitário quadrado de fundo plano, que voltem à moda as tradicionais pias arredondadas que facilitam o fluxo da água rapidamente para o ralo.  O meio-ambiente agradece.

Foto da pia retangular by Cariocadorio.

Sem partido!

21 de junho de 2013

Nas manifestações pelo Brasil afora destaca-se, entre tantas mensagens importantes, o repúdio a tudo que corrói as bases da democracia nacional.  O símbolo maior deste repúdio foi a intolerância ao uso do movimento por partidos políticos e sindicatos.  Os gritos de “sem partido”  que escutamos nas ruas mostram que a população considera que os atuais partidos políticos, base da democracia, não nos representa legitimamente. 

SEM PARTIDO !!!

SEM PARTIDO !!!

Estrutura alguma resiste muito tempo quando tem a sua base comprometida.  Que os partidos entendam esta mensagem de que é hora de trabalhar pelo coletivo mais amplo e não apenas para seus interesses mais próximos, muitos destes carentes de um mínimo de moralidade.

Por outro lado, que a triste ação de uma minoria de vândalos e bandidos, sem compromisso  algum com a democracia e o interesse público, não macule a representatividade deste movimento. Para a midia e para o interesse de muitos é fácil chamar a atenção para imagens de depredações e violência.  Vende muito mais que o lado pacífico do movimento. Um movimento popular sem similares na história do país. 

Aos bandidos e vândalos a força e o rigor da lei.

Aos partidos e sindicatos a mensagem de que têm que mudar para se aproximar de quem deveriam representar.

Aos governantes e demais políticos … Bem , o que dizer a maioria deles? 
Por considerarem legítimas suas ações em benefício próprio, por acharem que basta pão e circo para agradar a população, por acharem que é legítimo limitar a justiça e oprimir a imprensa, por acharem que os fins justificam os meios, por viverem uma rotina totalmente descolada da nossa e por tantas outras coisas impróprias, os políticos profissionais talvez nem entendam exatamente porque tanto barulho.   

Foto obtida em http://www.blogdomagno.com.br/