Posts Tagged ‘comportamento’

Futebol e sociedade

8 de fevereiro de 2015

150208 sub20A participação do Brasil no sul-americano de futebol sub-20 reflete o momento da sociedade brasileira. Nossos jovens atletas, a maioria peças importantes em seus clubes, foram amplamente superados pelos rivais. Derrotas claras para Argentina, Uruguai e Colômbia, em todas as partidas que valiam alguma coisa.

Perdemos até nas vitórias. Quando não no placar, perdíamos no comportamento, no “fair-play” (…é o cacete), na inteligência emocional. Nossos jogadores aliavam a burrice à falta de caráter e à irresponsabilidade ao dar entradas covardes nos adversários aos 45 do segundo tempo, com o jogo decidido. Cartões amarelos e expulsões explicáveis apenas pelo instinto perverso de rapazes mal formados moral e psicologicamente.

E que dizer do técnico Gallo igualmente expulso de campo pelo juiz no final de uma partida? Incapaz de conduzir estrategicamente uma equipe ao jogo coletivo, à prática sadia do esporte. Incapaz de transmitir equilíbrio emocional a atletas perdidos em campo. Deixo o pífio desempenho técnico e tático para avaliação de quem entende disso.

Foi patético ver nossos fortíssimos atletas serem envolvidos pelos pequenos colombianos e argentinos. Superados pelos esforçados uruguaios. Um bando de pseudo-estrelas tentando resolver sua própria vida em vez de contribuir para o coletivo.

Estava em campo o Brasil que estamos formando. Fruto da tolerância às transgressões, da prevalência do indivíduo sobre o coletivo. Uma sociedade que busca objetivos pequenos e efêmeros em detrimento de conquistas maiores e perenes.

Gerundismo; será que veio para ficar?

21 de setembro de 2014

140921 GerundismoA invasão gerundista começou como forma de enrolar o cliente:
“Estaremos enviando sua compra na próxima terça-feira.”

A principal característica do gerúndio é que ele indica uma ação contínua, que está, esteve ou estará em andamento, ou seja, um processo verbal não finalizado. Fonte: Info escola .

Portanto, “estaremos enviando” não é o mesmo que “enviaremos” sua compra na terça. Podem começar a enviar na  terça e continuar enviando por meses sem que a compra chegue.

O gerundismo acabou ganhando contornos de erudição.  As pessoas honestamente acham que estão falando bonito. Ontem mesmo, a simpática garçonete perguntou ao trazer a conta.

“Podemos estar incluindo a gorjeta?”

Tudo bem, inclui a gorjeta mas por favor não gerundia uma coisa tão simples.

Em São Paulo o gerundismo tem uma dimensão a mais.  O paulista tem a estranha mania de adicionar um “i” aos gerúndios:
Cê tá entendeiiiindo?”.

O português é suficientemente difícil.  Some-se a isso a deficiência do ensino e já temos aí uma base sólida para maltratar o idioma. Não precisamos de mais nada. 

Voto no candidato que prometer acabar com o gerundismo.

Ilustração obtido aqui.

Meg, uma doce criatura

24 de maio de 2014
Meg

Meg

Meg era uma destas criaturas que parecem estar fora de seu ambiente na Terra de tão boas que são. Seu porte físico de pastor alemão contrastava com a doçura do seu olhar e a bondade de suas atitudes.  Tenho a impressão de que se humana fosse, Meg seria alguem como a Madre Teresa de Calcutá.

Quando a bebê Ruby chegou, Meg abraçou a pequena intrusa com o carinho de mãe que nunca fora. A agitadíssima boxer alegrou a velhice da Meg.

"Mamãe" Meg e Rubi

“Mamãe” Meg e Ruby

Já bem velhinha sofreu com a fraqueza das pernas traseiras. Ficou rabugenta mas até nisso era boa.  Às vezes latia de ciúmes da outra sem jamais ser agressiva.

Esta semana finalmente se foi.

Megs como esta são criaturas raras na Terra e cada uma que se vai diminui o já carente estoque de bondade do planeta.  Espero que Deus tenha tido o cuidado de colocar outra Meg na Terra.

 

Fotos by Cariocadorio: Meg na piscina; Meg e Rubi (2010)

 

Manifestação, liberdade e trabalho

28 de março de 2014

Olhem bem pra mim… Estou com roupas escuras, uma blusa enrolada no rosto e uma mochila nas costas.
Isto é uma manifestação!

Fecho a Av. Rio Branco e agora todos terão que me ouvir.  Caminho entre o lixo dos garis entoando palavras de ordem e faço calar os que são contra e a favor da Copa do Mundo da FIFA.   Destruo carros alegóricos, venço  black blocks, garotinhos, o sindicato dos rodoviários e dos produtores de ovo de codorna de Cachoeiro de Macacu que disputam a avenida comigo.

Não tenho culpa se meu pai começou aos 13 anos e só se aposentou aos 70.  Se minha mãe esfregava panelas até o último fio do Bom Brill.  Se me obrigaram a estudar mais do que eu tinha vontade e acabei no Pedro II.  Se me meti em más companhias, estes malditos caras que entraram pra faculdade.  Se não consegui me livrar deste jugo familiar e segui o exemplo do meu irmão.   O coitado também cresceu neste meio, não teve escolha.

Não tenho culpa se a política me dá náuseas, se não sei ultrapassar pelo acostamento, se não sei ser meio-honesto, se acho que lei tem que ser cumprida e outras besteiras do gênero.  Eu só conheço um caminho para viver em sociedade: trabalho e respeito ao próximo.  E não vou pedir perdão por isso. Posso ser todo errado mas sou brasileiro e tenho os meus direitos.

Com todo respeito a São Jorge e Zumbi, desafio vereadores a acabarem com os neo-feriados do Rio de Janeiro. Fecho a Rio Branco contra as sextas-feiras de carnaval antes que elas comecem nas quintas;  contra os feriados da Copa da FIFA que paralisarão a cidade; contra os meia-dúzia de gatos pingados que a cada dia vão às ruas do Rio em causa própria privando milhares do seu direito de ir e vir.

Pela liberdade de protestar.
Fecho a Av. Rio Branco pelo direito de trabalhar.

Bem-vindo ao caos carioca

21 de dezembro de 2013
Turistas puxando malas na Rio Branco

Turistas puxando malas na Rio Branco

De repente tinha um monte de gente atravessando a rua sob o que ainda resta da Perimetral. Na Praça Mauá e seus arredores, turistas desembarcados dos luxuosos cruzeiros sentiam um choque de realidade.   Rapidamente se espalharam pelas calçadas do início da Av. Rio Branco.   Carregando malas e bagagens caçavam taxis que os levassem ao seu destino na Cidade Maravilhosa. Na praça havia uma fila organizada mas os taxis custavam a aparecer. Ainda tiveram sorte de não estar chovendo e de não terem que encarar o infernal calor do meio-dia, típico desta época.

O cenário era perfeito para ação de bandidos, taxistas desonestos e outros pilantras. A chegada ao Rio de Janeiro pela rodoviária Novo Rio e pelos aeroportos do Galeão e Santos Dumont parecem coisa de primeiro mundo se comparados ao caótico desembarque de turistas na Praça Mauá.

Turistas na Praça Mauá

Turistas na Praça Mauá

Seria fácil dizer que tudo será resolvido quando tivermos o terminal marítimo apropriado.  Mas bastaria um mínimo de organização e competência aliados a respeito ao consumidor para evitar esta situação.  Conhecendo a nossa realidade, é de se esperar que este caos perdure por toda a temporada.    

Fotos by Cariocadorio:  Turistas na Praça Mauá e Turistas na Av. Rio Branco (20/12/13).

A pia quadrada e o meio-ambiente

24 de outubro de 2013

Não há um só arquiteto que não ponha pelo menos uma pia quadrada em seus projetos. Pudera, depois de séculos de ditadura das pias arredondadas, as pias quadradas chegaram para dar um alento à criatividade destes profissionais. 
Pena que chegaram justamente quando a sociedade se preocupa tanto com o meio-ambiente.

E o que tem uma pia quadrada com o meio-ambiente? Tudo. 

Retangular de fundo plano

Retangular de fundo plano

Você já percebeu o esforço que a água tem que fazer para descer pelo ralo de uma pia quadrada? Pois é, porque não há hidrodinâmica de escoamento que resista a um fundo plano e cantos em ângulo reto.  Nas pias arredondadas a gente pode até saber em que hemisfério do planeta esta. Basta observar pra que lado gira o redemoinho formado pela água.  Enquanto isso, nas quadradas e retangulares temos que ficar rezando para a água escoar inteiramente. 

E me explica como é que você faz para deixar a pia limpinha após fazer a higiene bucal depois, digamos, de uma boa salada com alface, agrião, espinafre e outros verdes.  Nas pias quadradas é difícil fazer os verdinhos que sobraram correrem para o ralo.  O problema é que a água desce e eles teimam em ficar no fundo da pia.  E cada vez que você abre a torneira mais os verdinhos se afastam do ralo.  E você joga mais água direcionando com as mãos para os cantos.  Mas insistem em ficar ali os resquícios da sua salada. Aí você fica de saco cheio e retira os inconvenientes verdinhos com papel toalha. Você perde um tempão, enxuga a mão três vezes e desperdiça muita água.  Sem contar o papel.

Antes que alguém invente o vaso sanitário quadrado de fundo plano, que voltem à moda as tradicionais pias arredondadas que facilitam o fluxo da água rapidamente para o ralo.  O meio-ambiente agradece.

Foto da pia retangular by Cariocadorio.

Sem partido!

21 de junho de 2013

Nas manifestações pelo Brasil afora destaca-se, entre tantas mensagens importantes, o repúdio a tudo que corrói as bases da democracia nacional.  O símbolo maior deste repúdio foi a intolerância ao uso do movimento por partidos políticos e sindicatos.  Os gritos de “sem partido”  que escutamos nas ruas mostram que a população considera que os atuais partidos políticos, base da democracia, não nos representa legitimamente. 

SEM PARTIDO !!!

SEM PARTIDO !!!

Estrutura alguma resiste muito tempo quando tem a sua base comprometida.  Que os partidos entendam esta mensagem de que é hora de trabalhar pelo coletivo mais amplo e não apenas para seus interesses mais próximos, muitos destes carentes de um mínimo de moralidade.

Por outro lado, que a triste ação de uma minoria de vândalos e bandidos, sem compromisso  algum com a democracia e o interesse público, não macule a representatividade deste movimento. Para a midia e para o interesse de muitos é fácil chamar a atenção para imagens de depredações e violência.  Vende muito mais que o lado pacífico do movimento. Um movimento popular sem similares na história do país. 

Aos bandidos e vândalos a força e o rigor da lei.

Aos partidos e sindicatos a mensagem de que têm que mudar para se aproximar de quem deveriam representar.

Aos governantes e demais políticos … Bem , o que dizer a maioria deles? 
Por considerarem legítimas suas ações em benefício próprio, por acharem que basta pão e circo para agradar a população, por acharem que é legítimo limitar a justiça e oprimir a imprensa, por acharem que os fins justificam os meios, por viverem uma rotina totalmente descolada da nossa e por tantas outras coisas impróprias, os políticos profissionais talvez nem entendam exatamente porque tanto barulho.   

Foto obtida em http://www.blogdomagno.com.br/

O colesterol e a qualidade de vida

18 de abril de 2013

111230 hermestrismegistus1

O Dr. Júlio analisou minuciosamente os resultados do check-up anual do paciente e procedeu aos exames clínicos com a tranquilidade habitual.  Marcello Senna já estava acostumado com esta rotina e também com o discurso que viria a seguir. Desta vez, porém, o seu médico e amigo de longa data resolveu se estender um pouco mais. 

Estava claro que o Marcello não seguia suas recomendações de fazer exercícios regularmente, melhorar a alimentação, beber menos e dormir mais.  Por isso seus resultados de percentual de gordura, peso, colesterol e outros haviam progredido de mais-ou-menos-meio-ruim para desastre-total em poucos anos.  

Por mais de uma hora Julinho pacientemente doutrinou seu paciente com conceitos de medicina, estatística, mecânica dos fluidos e o escambal. Explicou que pessoas com percentual de gordura mais alto têm mais probabilidade de fazer derrames, infartos e outras doenças cardio vasculares como seria óbvio prever.  Pior, também morrem mais cedo por conta de outras doenças que nada têm a ver com isso.  Questão de estatística.  Ao concluir disse ao Marcello que se ele viver mais uns dez anos isto não faz muita diferença mas se tiver que ir além… 

Pela primeira vez Marcello Senna pareceu dar importância ao assunto.  Como havia chegado a tal ponto?
Lembrou dos cursos no Crosby College em Chicago no início dos anos 90 com aquela baboseira de qualidade total, a moda pós-reengenharia. Prometiam que seriam mapeados os processos, analisadas as interfaces e eliminadas as ineficiências, sobrando assim mais tempo para o lazer, a família e a saúde. Bullshit, como se diz por lá. 
Implementada a qualidade total eliminaram-se ineficiências, é verdade, porém mais rápido ainda cortaram-se cabeças. O trabalho só aumentou desde então.  Logo vieram os e-mails, os celulares, os blackberrys, video conferências e outros truques para facilitar a vida que só nos tornaram mais escravos do trabalho.   E cadê tempo para acabar com o sobrepeso, o LDL e os triglicerídios do mal? 

Havia, porém, duas máximas do guru Philip Crosby que Marcello considerava verdades incontestáveis.

  • “Insanidade é continuar fazendo tudo igual que dantes e achar que o próximo resultado será diferente”.
  • “Pode ser tarde demais para querer mudar depois que alguma coisa grave (um enfarto, por exemplo) acontece”.  

O tal do Crosby e o Dr. Julinho finalmente o convenceram a tomar uma atitude.  Era isso, qualidade total, de vida!
Naquele mesmo momento Marcello Senna decidiu solenemente que em algum ano desses entrará para uma academia perto de casa e que fará exercícios três vezes por semana na volta do escritório, sempre que der tempo.

Foto: “Hermes Trimegistus” capturada na internet.

O fracasso do Cesar Cielo

4 de agosto de 2012

Na mesma tarde em que Cielo ganhava apenas o bronze em Londres aconteciam algumas situações interessantes:

  • Os campeões olímpicos do vôlei de praia, os norte-americanos Rogers e Dalhausser, perderam para uma pouco votada dupla italiana e estão fora.
  • No estádio olímpico, na primeira tarde do atletismo, o panamenho Salinas campeão em Pequim, nem passou no corte do salto em distância. 
  • Chamou atenção o carinho dos ingleses com as suas representantes nos dez mil metros. As duas deram a volta olímpica sob calorosos aplausos após terminarem nas 7ª e 8ª posições na prova. 

A surpreendente saída dos americanos não causará dano ao desempenho da maior nação do planeta enquanto que para o Panamá a desgraça olímpica está sacramentada.    Mas o que tem o Cesar Cielo com isso?

A situação dos nossos atletas é parecida com a do panamenho.  São poucos os que têm chance de ganhar.  Uma característica bem brasileira é querer que nossos desportistas sejam heróis nacionais e que nos redimam de toda a desorganização social e vergonha política que nos levam a desempenhos pífios como nação, não só no esporte. 

O desempenho brasileiro nas olimpíadas é proporcional ao desempenho tecnológico, científico e social do país.  Enquanto nos EUA todas as crianças vão à escola e lá recebem boa educação e praticam esportes desde o primário até a universidade, aqui não damos a mínima para a isso.  Tem sido assim desde a ditadura dos anos 60 e 70 até o governo de esquerda do século atual, passando pelos liberais dos anos 90.  Governo algum deu real prioridade à educação.  

Sarah Menezes, a heroína do Piauí

Enquanto os gringos dão condições a todos mas premiam os melhores e mais ainda os fora-de-série, aqui fazemos tudo para nivelar por baixo.  Em vez de educar desde o início para permitir que todos possam disputar em igualdade o acesso aos cursos superiores, fazemos, através das “cotas”, que gente despreparada alcance a universidade, o que prejudica o desempenho de todos.

 Não adianta colocar dinheiro e esperar que a grana se converta em medalhas.  Estas são conseqüência de um trabalho de base, junto com a educação.  Só com massificação se pode gerar e identificar talentos na qualidade e quantidade necessárias.  Isto vale para o esporte e, principalmente, para o desenvolvimento tecnológico e social do país.  

Sem isso continuaremoa a ter apenas um Cielo aqui e um Nicolelis ali e, sobre estes poucos, o enorme peso de carregar um Brasil nas costas.   

O único que tem direito de achar que fracassou porque não chegou em primeiro é o próprio Cesar Cielo. Aqueles que pouco fazem para tornar este um país de primeira linha têm mais que dar-lhe os parabéns pela conquista.  Não é nada fácil chegar lá.   

Fotos: Sarah Menezes (site Exame.com), Medalhas Olímpicas (site zupi.com.br)

Redescobrindo o Rio de Janeiro

2 de junho de 2012
Pão de Açúcar, 1955

Pão de Açúcar, 1955

A natureza do Rio é tão deslumbrante que consegue sobreviver a anos de maltratos e ocupações descabidas.  A massiva verticalização do espaço urbano, particularmente de Copacabana, a favelização dos morros e a conseqüente  fragilidade da infra-estrutura são exemplos do que a ganância e a nossa ineficiência político-administrativa fizeram com a cidade em tantos anos.

Palmeiras no Canal do mangue, 1925

Palmeiras no Canal do mangue, 1925

Esta tendência, porém, parece estar mudando lentamente. Cada vez mais se vêem iniciativas pelo Rio de Janeiro. Discussões políticas a parte, houve uma evolução da segurança na gestão do Secretário Beltrame e as obras públicas voltaram na esteira dos eventos internacionais que estão por vir.

Praia de Ipanema, (que ano?)

Praia de Ipanema, (que ano?)

Ainda tímidas, ficam cada vez mais evidentes as iniciativas da população em prol da cidade.  Movimentos conhecidos como “Rio Eu Amo Eu Cuido” e outros, sem nenhuma estrutura ou ambição de ser um movimento, como os “FRA” (fotologs do Rio Antigo) despertam nosso sentido cívico.  Nos FRA os fotologeiros trazem fotos antigas e textos interessantíssimos que são comentados com humor, crítica e, muitas vezes, profundos conhecimentos sobre a arquitetura, a infra-estrutura e os habitantes da cidade.

As escavações para as obras do Porto Maravilha e recentemente no Leblon, se aliam aos FRA no redescobrimento da Cidade. Fala-se hoje em arqueologia no Rio de Janeiro, trazendo de volta um passado que já começa a se tornar distante.  A valorização da história e das tradições é importante para sedimentar o amor por essa casa tão maltradada pelos seus próprios habitantes. 

Praia de Botafogo (anos 60)

Praia de Botafogo (anos 60)

Tenho convicção de que, se a história do Rio se tornar parte dos currículos escolares, teremos em breve gerações mais comprometidas com toda a sociedade e um pouco menos com seu próprio umbigo.  

Praça Mauá, iníciodo século XX

Praça Mauá, iníciodo século XX

O Cariocadorio pretende ser um espaço de crítica e apoio ao desenvolvimento da Cidade bem como de celebração do nosso passado e antepassados.  Todos pelo Rio de Janeiro, por redescobrir e reinventar a terra do verão, da Bossa Nova, do Maracanã e de cariocas de todas as origens.

Fotos: Pão de Açúcar (acervo Cariocadorio) – As demais são roubadas dos FRA.
Links para os FRA em  Rios de Outrora, na página inicial deste blog.