Posts Tagged ‘desordem’

Obras e desordens do porto maravilha

25 de fevereiro de 2012

São formidáveis as modificações na zona portuária.  A Av. Venezuela está sendo urbanizada e o tratamento das calçadas parece ser muito bom.  Preocupa-me ver uma avenida sendo estreitada mas é preciso dar força para o transporte coletivo.  Veremos como ficarão os VLTs da região.   Estou torcendo para que fique mesmo uma maravilha. Até aí tudo bem.

Rua Sacadura Cabral

O que incomoda é o sofrimento imposto aos que trabalham na região há mais de ano. Desde a Av. Rodrigues Alves sofremos com uma pavimentação de destruir até Jipe do exército. O recapeamento inacabado da própria Av. Venezuela deixa tampa de bueiros a 20 cm do piso.
A rua Sacadura Cabral é um caso a parte. Virou terra de ninguém.  Uma grande cratera foi aberta em sua extensão. Por um lado é interessante ver reforços de antigas construções do cais no subsolo exposto.  As obras são necessárias e os transtornos inevitáveis.  Mas a bagunça generalizada é uma vergonha.  

Sacadura Cabral x Praça Mauá - Estacionamento

Em volta os mais espertos aproveitaram para fazer um grande estacionamento no meio das obras.   Os que precisam transitar por ali chegam a perder 20 minutos só para sair ou entrar na Sacadura Cabral.   

Av. Venezuela x Praça Mauá

A desordem total não fica por aí. Mendigos já de muito tempo fixaram residência na Av. Venezuela junto à Praça Mauá. 

Enquanto isso, o poder público só se faz presente nas placas enquanto o caos na região da Praça aumenta a cada dia. 
A Concessionária Porto Novo deixa o seu lixo por dias na rua.

A Prefeitura está usando a tática de colocar “o bode na sala” durante as obras.  Tornam a vida do cidadão um inferno para, quando “tirarem o bode”, a sala realmente parecer uma maravilha. 

Só como piada!

 Fotos by Cariocadorio, fevereiro de 2012

Anúncios

A figueira da Senador Vergueiro

15 de fevereiro de 2012

Na esquina da rua Senador Vergueiro com a Barão do Flamengo, em frente à praça José de Alencar, havia uma figueira.  Uma não, cinco delas iniciamente, plantadas a mando do imperador.  Como soe acontecer com as coisas  da natureza, tudo tem seu tempo e talvez fosse mesmo o tempo de a última delas ir embora.

A imperial figueira

Nestes seus mais de cem anos de vida viveu intensamente a história do lugar.  Ainda jovem, foi testemunha do assassinato de um senador, percebeu tramas sendo arquitetadas no sofisticado Hotel  dos Estrangeiros,  ouviu mentiras na  mesa do bar e casais jurando amor eterno para, tempos depois,  ali mesmo se despedirem.  Viu sumir o rio Carioca, sobreviveu às obras do metrô bem aos seus pés, divertiu-se com José de Alencar tantas vezes mudando de lugar ao sabor do progresso, despediu-se do belo prédio do hotel dos Estrangeiros e lamentou o enorme bloco de concreto que puseram em seu lugar.  

Sob sua frondosa copa, a desordem

Não teve, enfim, uma vida monótona a imperial figueira.  Mas confessava-se muito triste nas últimas décadas, cansada de tanta desordem na sua outrora requintada esquina. A bela árvore se foi mas não a distribuição de jornais em pleno trânsito, não o movimento de carga e descarga sob a placa de proibido estacionar, não a desordem que reina nesta terra de São Sebastião. 
Que descanse em paz! 

Foi-se a figueira, segue a desordem

Fotos by Cariocadorio: R.Senador Vergueiro, a saudosa figueira e a desordem (Dez 2011 e Fev. 2012) 

Praça Mauá, o caos continua

22 de maio de 2011

Esta semana colocaram mais uma placa do Porto Maravilha, esta bem no meio da Praça.  Apesar do tão propalado projeto, a Praça Mauá continua sendo uma pocilga fétida no centro do Rio de Janeiro. 

Travessa do Liceu

Dinheiro para museus de utilidade duvidosa e um super terminal para navios de cruzeiro não falta.  Mas simplesmente colocar um pouco de ordem onde milhares de pessoas caminham diariamente parece que não dá o retorno político desejado. 

A tela n'A Noite

A tela n'A Noite

Para passar pela Travessa do Liceu é necessário um exercício de alienação ao entorno. As barracas de camelôs, alguns legais e vários de De VDs piratas, “coberturas” de plástico, buracos cheios de água são apenas algumas das dificuldades no local. 

A travessa é um beco atrás do edifício “A Noite” cuja reforma nunca termina simplesmente porque nunca começa.  Há um ano renovaram a tela e o madeirame mas já está tudo deteriorado de novo como se pode fazer na foto. 

Será que isso vai seguir assim até acontecer um grave acidente? 

Mais adiante, na própria praça, a ocupação da calçada é de toda ordem. Tem barraca de frutas, mesas e cadeiras do restaurante, um inacreditável estacionamento, estantes da loja que tem de tudo, guarita de ônibus, banca de jornais, barraquinha de chaveiro e buracos no chão, muitos buracos.

Siga mais um pouquinho e chegue na Av. Venezuela.  Ali o esgoto, muitas vezes na cor característica, aflora pelo menos uma vez por semana, exalando o odor característico e  causando prejuízos ao restaurante em frente ao bueiro. 

Av. Venezuela x Pr. Mauá

Esgoto aflora na claçada

 
Em outubro de 2009, já falávamos no problema de abandono da Praça Mauá neste post aqui. A situação não mudou muito assim como não é muito diferente em diversos outros lugares do centro do Rio.  Muitas vezes a solução é simples mas coisas simples não valem a pena resolver.  Tem pouco dinheiro envolvido e pouco retorno político.

Fotos
 by Cariocadorio, abril, maio 2011

Desordem carioca

21 de novembro de 2010
 

Rua Senador Vergueiro - distribuição de jornais

Não bastassem os tradicionais vendedores de balas, chocolates, biscoito Globo, água mineral e os infames lavadores de pára-brisa, agora temos os vendedores de jornais.  Digo vendedores porque trata-se de um negócio, embora os jornais sejam entregues gratuitamente.  Dois jornais concorrem por este mercado.

A economia por décadas decadente, a falta de empregos e a eterna tolerância das autoridades do estado criaram uma economia de esquina e engarramento difícil de reverter em pouco tempo. É igualmente conhecido o perigo para a segurança que são estes lavadores de pára-brisa cuja atividade não se consegue coibir.

O que se vê agora é uma atividade formal sendo permitida nas ruas do Rio. Os distribuidores de jornais, uniformizados e patrocinados, ocupam as esquinas retardando o tráfego e causando perigo inclusive para eles próprios.  Se a moda pega, em breve teremos todos os tipos de promoções nos sinais trânsito aumentando a insegurança e tornando o ir e vir ainda mais caótico.

Não se pode admitir a institucionalização da desordem. Este mal pode ser cortado pela raiz. É  imperativo acabar com a distribuição se jornais no trânsito carioca.

Barão do Flamengo x Praia do Flamengo

Fotos by Cariocadorio (Nov. 2010)