Posts Tagged ‘estacionamento’

Árvore de Natal da Lagoa, 2012

22 de dezembro de 2012
Árvore de Natal da Lagoa, 2012

Árvore de Natal da Lagoa, 2012

Há anos aprecio a árvore de natal da Lagoa Rodrigo de Freitas.  Ela nos ajuda a viver o espírito natalino, cada vez mais descolorido pela dura rotina e a pressa do dia a dia.  Mal se tem tempo para pensar nas coisas boas desta época.  Já escrevi tantas vezes sobre isso mas como é bom que gente de tantos lugares possa  fazer um passeio apreciando este cenário da zona sul carioca e a sempre renovada obra do artista Abel Braga.  A árvore está particularmente bonita este ano.

Em 2009 escrevi (clique aqui) o que ainda sinto sobre a árvore.  Continua valendo.

O espetáculo, entretanto, trás transtornos para muitos, gerando as costumeiras reclamações dos moradores locais.  Não permitir a baderna, como estacionar nas calçadas junto à curva do calombo e em locais já proibidos é corretíssimo. Mas por que eliminar o estacionamento no canteiro central da Epitácio Pessoa? Causa transtorno aos moradores que o utilizam ou cujas visitas ali estacionam.   Durante todo o mês de dezembro são privados do estacionamento.  Será necessário? Será justo?

Av. Borges de Medeiros e Lagoa

Av. Borges de Medeiros e Lagoa

Mas é tempo de Natal e do ano novo que chega.  Preciso pensar no cartão de Boas Festas do Cariocadorio que está custando muito a sair este ano. Tenho pouco tempo.

 Fotos by cariocadorio:  Árvore de natal da Lagoa, 2012  (dezembro de 2012).

Anúncios

Rio Reveillon 2012: não há vagas

29 de dezembro de 2011

A celebração da passagem de ano é também chamada réveillon, termo oriundo do verbo francês réveiller, que em português significa “despertar”.

Pois bem, o Rio de Janeiro vai despertar em 2012 com menos vagas que em 2011.  Esta foi uma das medidas que a Prefeitura tomou para melhorar o trânsito em Copacabana.  Em datas como o Reveillon talvez não haja outra saída.

Mas o problema de estacionamento no Rio não se limita aos dias de festas.  É uma constante.    Tente ir à praia ou  jantar num restaurante de Botafogo mesmo numa terça-feira . Qualquer programa esbarra na dificuldade para estacionar.   A situação é muito pior para as pessoas que dependem do carro para se deslocar a trabalho diariamente.  Metro e ônibus não suprem as necessidades e táxis são muito caros.

Obviamente, o transporte coletivo tem que ser a prioridade. Mas isto não deve significar impedir a circulação dos carros na cidade. Um transporte coletivo eficiente, abrangente e seguro está longe de ser uma realidade.   Mesmo que o tenhamos algum dia, haverá situações onde o transporte individual será necessário.  Os BRTs, BRSs  (malditas siglas em inglês), VLTs eoutras medidas favorecerão certos bairros mas não são suficientes.  

É preciso aumentar o número de vagas disponíveis. A saída são  estacionamentos subterrâneos. Junto com estes, ou até mesmo antes destes, passagens subterrâneas para melhorar o fluxo de veículos, como em outras  grandes cidades.  Nos bairros estes estacionamentos devem beneficiar primeiro aos moradores, que teriam prioridade em adquirir ou alugar as vagas.  

O que não é inteligente é construir um estacionamento sem as respectivas passagens subterrâneas como foi feito na Av. Pres. Antonio Carlos, por exemplo.  Seria óbvio fazer a passagem subterrânea no cruzamento desta com a Alm. Barroso e Pres. Wilson.  Algo semelhante poderia ser feito no cruzamento da Rio Branco com a Pres. Vargas. 

Acesso ao estacionamento: Pres. Antônio Carlos x Alm. Barroso

Os grandes vilões do trânsito e da ordem são os estacionamentos irregulares que infestam o centro da cidade tornando intransitáveis ruas como São Bento, Acre e outras na região.  O mesmo se aplica a Copacabana, Ipanema e qualquer bairro onde os flanelinhas e agora os “Valets” se apossaram das ruas.

Construir estacionamentos associados a passagens subterrâneas e coibir  abusos permitiria ordenar o trânsito, servir ao cidadão e, junto com um razoável sistema de transporte coletivo, dar uma cara de primeiro mundo ao Rio de Janeiro. 

Foto obtida no site skyscrapercity.com.

Antipatias Cariocas

11 de dezembro de 2009

(13/01/2010:  edição revista e aumentada com os comentários dos navegantes.  Texto completo nos comentários de acada um)

O Rio tem algumas coisas antipáticas.  Não falo do caos urbano, da guerra do tráfico nem da poluição.  Estas são tragédias cariocas.  Antipatias são coisas pessoais, cada um sente as suas, às vezes nem dá pra explicar.  Gostaria que este fosse um artigo de todos.  Vamos falar do que é antipático no nosso Rio de janeiro.

  • Garçon do Bar Lagoa,  a maioria conhece.  Faz parte do folclore e alguns acham que está bom assim mesmo.    
  • Estacionamento do Botafogo Plaza Shopping, que tal? Você chega e vê aquele espaço todo vazio mas vaga só no andar de cima. Porque ali em baixo, no lugar fácil, só se você pagar o “valetiparquin”.  Tenho má vontade em ir lá por causa disso, atrapalha até a imagem do shopping. 
  • Aeroporto do Galeão.  Depois de uma viagem recente resolvi dar prioridade ao nosso aeroporto e fazer um artigo a parte.  Veja clicando aqui. Isso tá mais pra anarquia do que antipatia carioca.
  • Ruas e calçadas.  Péssima conservação. Onde passamos, temos sempre grande possibilidade de cair em algum buraco ou cratera.  E quando chove … (por Wagner e apoiado por muitos, reforçado por Isabel depois que um buraco na rua rasgou o pneu)
  • Na praia. O loteamento e a gritaria dos vendedores.  (por Denise)
  • Falta de educação. No trânsito, os péssimos motoristas de ônibus, vans e táxis,  a mania de falar alto em lugares públicos, os celulares no cinema…dá pra fazer um blog só disso. (por Denise)
  • Falta de banheiros públicos.  Algo irritante. Não tente ir ao banheiro quando estiver no centro da cidade, senão terás sérios problemas. Por que não colocar banheiros públicos em pontos estratégicos da cidade? (por Claudio)
  • Lixo nas ruas e nas praias.  É algo impressionante. Eu fui a Praia de Ipanema (eu costumo chegar por volta das 8:00 h e caminhar até o Leblon) e o lixo assustava tanto que cheguei a conversar sobre a falta de educação das pessoas com dois garis. Por que não fazer uma campanha publicitária agressiva sobre o assunto e usar agentes para repreender as pessoas? (por Claudio)
  • Flanelinhas e mendigos.  presença irritante nas ruas.  E a Guarda municipal só multa os carros.. (por Claudio).
  • Camelôs nas calçadas. Os camelôs nas calçadas, principalmente aqueles que estendem as capas de inúmeros softwares pirata reduzindo a passagem na calçada, é outro ponto irritante. (por Claudio)
  • Taxa de iluminação.  A previsão de cobrança pela precária iluminação pública é outro ponto irritante na nossa querida cidade e deste prefeito. (por Claudio)
  • Desmatamento e balões. Os morros estão ficando carecas.  Balões causam queimadas. Quem mora em casa é que sabe como é o inferno quando um balao cai em seu quintal ou telhado e um bando de loucos invade sua casa durante a noite apenas para recuperar os restos mortais de um balao caido. (por Roberto)
  • Televisão nos bares e restaurantes.  Televisões ligadas em quase todos os bares e restaurantes da cidade, não solicitamos isso e está sendo imposto!  As pessoas não se olham,  não batem papo, mas assistem TV caladas, lado a lado, nas mesas de bar! (por Evelyn)
  • Falar no rádio Nextel em lugar público.  As pessoas  usam os seus aparelhos de Nextel (rádios) no viva voz, obrigando a todos que estão em volta, seja no onibus, na rua, no elevador, enfim, em qualquer lugar público, participar do que esta sendo discutido.  E o “alerta” também perturba todo mundo. (por Isabel)
  • Mijões dos blocos de carnaval.  Já comentaram aqui sobre a falta de banheiros públicos, concordo, mas nada justfica a porcaria desses camaradas (por Andreia).
  • Transporte marítimo Rio-Niterói. O Governo do Estado do Rio de Janeiro, em conluio com a iniciativa privada, consegui transformar o prazer enorme que era a travessia Rio/Niterói, pelas saudosas barcas, num tormento inenarrável. Com dijanelas altas e diminutas, verdadeiras escotilhas, retirou-se a visão relaxante da paisagem e o frescor da brisa marinha, agora substituídos pelo pelo calor sufocante proporcionado pelo inexistente sistema de ar condicionado, tão anunciado pela imprensa à época da construção dos novos mausoléus flutuantes. (Por Galdino)

Agora que você já sabe qual é a idéia, vamos fazer uma lista. Em “deixar um comentário”, descreva o que você acha antípático no Rio.  Vale qualquer coisa, é pra desabafar.  Se der certo eu compilo os comentários e atualizo o artigo.  Aí ponho uma foto bem antipática também.