Posts Tagged ‘Fotos Antigas’

A estátua do Bellini

21 de março de 2014
A estátua do Bellini, 1969

A estátua do Bellini, 1969

Uma geração de jogadores de futebol, que com todo o mérito nos tornou um povo de “mascarados”, vem se despedindo de nós.  Esta semana Hilderaldo Luís, o Bellini, capitão de 1958, partiu ao encontro dos colegas Gilmar, Djalma, Nilton Santos, Garrincha (o segundo maior jogador de todos os tempos para desespero de Maradona) e outros.

Pelé, o caçula da turma, Zagalo e alguns mais seguem firme conosco.  Que seja por muito tempo.

Bellini foi o primeiro a erguer a taça Jules Rimet sobre a cabeça. Símbolo maior da conquista de 1958 na Suécia, este gesto foi desde então repetido por todos os campeões do mundo.  Nosso capitão foi homenageado com uma estátua na entrada principal do Maracanã.  A estátua do Bellini passou a ser o ponto de encontro dos torcedores que combinavam assistir juntos as partidas no antigo Maracanã.

A gente se encontra na estátua do Bellini

Naqueles tempos de um Rio de Janeiro mais tranquilo, a estátua do Bellini era o ponto de encontro entre as zonas norte e sul mesmo quando não se tratava de ir ao Maracanã.

Na foto, a equipe carioca de basquete infantil de 1969 junto à famosa estátua antes de iniciar a viagem de ônibus para Feira de Santana na Bahia.  Lá disputaríamos o campeonato brasileiro de seleções. Mas esta é outra história. Qualquer dia eu conto.

Ao Bellini e seus capitaneados, o agradecimento de uma geração que, graças a eles, cresceu campeã do mundo.

Rio – Brasília, 1960

11 de janeiro de 2014
Aluisio e o Palácio da Alvorada

Aluisio e o Palácio da Alvorada

Inaugurada em 21 de abril de 1960, Brasília era o símbolo do progresso da nação brasileira.  Junto com a nova capital, o presidente Juscelino Kubitscheck  construiu estradas e viabilizou a emergente indústria automobilística brasileira.

Aluisio e Chico no Senado

Aluisio e Chico no Senado

Neste novo cenário econômico e social do país teriam participação relevante três amigos, parceiros de aventuras e empreendimentos:
Aluizio Lemos, Chico Brentar e Roberto Rombauer.

Os três fizeram uma épica viagem para participar da inauguração de Brasília.  A estrela do companhia não era um dos modernos VW ou DKW construídos no Brasil mas sim um belo Mercedes 170S, 1950, que pertencia ao Chico Brentar.

Consertando a Mercedes

Consertando a Mercedes

Apesar da marca famosa, não foram poucas as dificuldades encontradas pelo carrinho e pelos intrépidos aventureiros para chegar em Brasília.  A novíssima BR-3 (atual B4-040) não tinha postos de gasolina suficientes para cobrir longos percursos particularmente para atender à autonomia do carro que era pequena.

Aluisio Lemos no posto com o Mercedes

Aluisio Lemos no posto com o Mercedes

Pane seca na BR-3

Pane seca na BR-3

1507982_708559752501509_1347497822_n

Apreciando o cerrado

Fotos e história pertencentes a Gustavo Lemos, filho do Aluisio Lemos, a quem agradecemos a gentiliza de autorizar a publicação deste post.   Brasília (1960).

Petrópolis Golf Clube, em 2 tempos

28 de dezembro de 2013

Fundado em 1938, o Petrópolis Golf Clube está localizado em Nogueira, a 25 Km do centro de Petrópolis e a 90 Km da Lagoa Rodrigo de Freitas no Rio de Janeiro.  A beleza natural e o clima ameno da região fazem do clube um paraíso para jogadores de golfe e uma ótima opção para aqueles que pretendem começar no esporte.

Este belíssimo clube serve de plataforma para mostrar os contrastes que o tempo traz.

PGC, Estacionamento em 2013

Petrópolis Golf Clube – 2013

Petrópolis Golf Clube - circa 1950

Petrópolis Golf Clube – 1953

Sede do PGC, 2013

Sede do PGC, 2013

Sede do Clube, 1953

Sede do Clube, 1953

Fotos antigas obtidas no site do clube (aqui):  
Fotos atuais by Cariocadorio.

Saudades do Rio

1 de dezembro de 2013

O título deste post é uma homenagem ao fotolog do mesmo nome. Durante anos o “Saudades do Rio” e outros espaços criados com propósito similar ajudaram a reconstruir a história recente do Rio de Janeiro.  Vários deles estão referidos com links na página inicial deste Cariocadorio. Recentemente, o Terra, site que hospeda os FRA (fotologs do Rio antigo), anunciou para 30/12/13 o fim deste serviço.

Laranjeiras, Campo de Fluminense, 1936

Laranjeiras, Campo de Fluminense, 1936

Rua Ipiranga, 1905: ao fundo A Praça de Touros do Rio

Rua Ipiranga, 1905: ao fundo, a Praça de Touros do Rio

Mais que o grupo de pessoas acostumadas a ver as postagens diárias, perde o Rio de Janeiro. As fotos e os comentários dos frequentadores formaram um importante acervo sobre a história recente da cidade que merecia ser mantido.  Esperemos que as fotos voltem a ser postadas onde possam permanecer como referência. Mas alguns comentários de pessoas que conheceram os logradouros e viveram a história do lugar não serão recuperados. Saudades também de alguns comentaristas que já estão frequentando sites da próxima dimensão.

Pavilhão Mourisco, início do Sec. XX

Pavilhão Mourisco, início do Sec. XX

Minha homenagem vai com estas fotos roubadas dos FRA  que me ajudaram a conhecer minha própria história. Mostram regiões do Rio que  são referências da infância. O Fluminense e as ruas em seu entorno, onde morei e caminhei no caminho da escola; a rua Ipiranga com uma inacreditável praça de touros ao fundo, na rua das Laranjeiras; e o pavilhão Mourisco, que explica o nome daquela região ao final da enseada de Botafogo.

Registro meu agradecimento aos que tiveram a ideia de criar os FRA e àqueles que ajudaram a construí-los e a mantê-los portanto tempo.  Ficamos no aguardo de novas plataformas que suportem uma iniciativa que não pode acabar.

Colégio Pedro II, turma B, 1966

17 de novembro de 2013
CP II Turma B, 1966

CP II Turma B, 1966

A turma B era até mal vista na escola.  O pessoal estourava cabeções no banheiro, batucava nas carteiras, fazia guerra de giz, colava chiclete no teto para vê-los descer lentamente em plena aula e, de repente; …. culpa do Bacalhau que tirou a cara da frente e deixou o apagador quebrar a vidraça. Quando a Gina da turma D fez aniversário foi uma festa…”Viva a Gina!”,  cantava o andar inteiro.

 

Via Dutra, 1968

Via Dutra, 1968

Transgredíamos mas o inspetor Fausto não deixava barato.  Havia disciplina. E lá vai todo mundo formado de pé na porta do banheiro, detidos mais uma vez depois da hora.

Lago Azul, Itatiaia, 1968

Lago Azul, Itatiaia, 1968

 

Nos encontramos em 1966, no 1º ginasial.  Era o tempo da ditadura embora no início não tivéssemos nem ideia do que isso significava. Seguimos por décadas perdidas e sobrevivemos aos militares, aos Sarneys que nunca se vão, aos planos e às cores do poder, ao Itamar e suas saliências, ao Real que deu certo e nos reencontramos há alguns anos sob o império de Lula e seus mensaleiros.

As aulas da D.Mary, do Freitinhas, da bela tia (ou seria prima) da saudosa Maria Cristina, da sisuda prof. de inglês, do Ítalo de histórias e passeios e até daquele simpático professor de latim serviram para alguma coisa. Porque podemos nos orgulhar da bagunça que fizemos e do rumo que demos às nossas vidas.

 

juntos novamente, 2011

juntos novamente, 2011

Os que perdemos viverão na nossa memória, parte que sempre serão da turma B de 1966, turno da tarde do Colégio Pedro II do Humaitá.

A chegada do Papa Francisco

21 de julho de 2013

1a comunhao Abel
Uma das mais importantes missões do Papa Francisco em sua visita ao país é trazer a religião católica de volta aos lares brasileiros. Durante muito tempo a religião católica reinou absoluta por aqui, transformando o Brasil dos anos 70 no maior país católico do mundo, como gostava de bradar o ufanismo nacional da época. Protestantes, judeus, espíritas e religiões africanas dividiam o restante da população. 

Não sei qual era o percentual de católicos no Brasil quando meu avô Abel fez a primeira comunhão na igreja do Brás em São Paulo, como mostra este documento de 23 de dezembro de 1900.

Entre 94 e 2013 este percentual caiu de 75 para 57% da população segundo pesquisas recentes. Longe de mim querer explicar as razões do abandono que vivem hoje as igrejas católicas enquanto se multiplicam as seitas ditas evangélicas lotando seus tempos. Mas uma coisa está muito clara. A igreja deixou de ir onde o povo está, abrindo caminho para aqueles que perceberam o espaço para pregar a palavra de Deus.  Há muitos aproveitadores neste meio mas também tem gente séria.  Mesmo porque a igreja católica de santa tem muito pouco.

Felizmente, a fé em Deus está muito acima das igrejas dos homens. A fé que nos faz respeitar e cuidar do próximo e ajuda a criar um mundo melhor para todos.  

Que o Papa Francisco traga bom senso ao Vaticano e ao Brasil,  e muito amor ao coração dos homens, independente de suas crenças religiosas.

A quarta pessoa

27 de maio de 2013
Família

Família

Ainda não havia chegado, a quarta pessoa.  

Começando pela vida, aos três ela deve tudo, a tal quarta pessoa.  Os primeiros passos, as primeiras letras, as primeiras brigas e desentendimentos, essenciais para forjar valores.  Desde os tímidos voos solo às aventuras mais distantes, sempre a certeza de um norte, mesmo no desconforto das intempéries. 

Com os ciclos da vida surgem novos personagens. O tempo cuida para que todos estejam na foto, papéis renovados, até que não sejam mais parte dela. Ou melhor, surgem novos, é verdade, mas o tempo não subtrai os de antes, são eternos os personagens.  

Saudosos agradecimentos,
A quarta pessoa

Foto:  “A família”, São Paulo, outubro de 1951; acervo Cariocadorio, proibida a reprodução.

São Lourenço, 1948

29 de dezembro de 2012
A igreja, o lago do parque e a fonte Vichy

A igreja, o lago do parque e a fonte Vichy

A primeira visita da minha família à paradisíaca cidade do sul de Minas, São Lourenço, data de 1948. Graças às lentes da câmera do vovô Abel, temos um interessante registro fotográfico. Destacavam-se a igreja e o belíssimo parque das águas, o grande catalizador do desenvolvimento da região. 

Desde o início do século XIX se tem notícia das nascentes de águas minerais da região.  O início da comercialização data de 1890. Somente bem mais tarde, em 1927, foi criado o município de São Lourenço.  Quando da construção do balneário, em 1935, o parque começou a tomar a configuração atual.  Passaram-se apenas 13 anos, portanto, até que estas imagens fossem captadas.  Já havia pedalinhos no lago, a igreja, muitos hotéis para os turistas mas ainda estávamos longe da cidade grande que se tornou São Lourenço.

Panorama do centro de São Lourenço

Panorama do centro de São Lourenço

Já naquela época, porém, os arranha-céus, ícones da modernidade, começavam a interferir na paisagem quase rural da cidade.  Atualmente, a cidade sofre do mesmo mal que tantas outras, com edifícios obstruindo o horizonte e adensando as ruas. Mas São Lourenço continua sendo um ótimo lugar para se visitar e, segundo relatos dos moradores, para se viver também.  

Hotel Brasil

Hotel Brasil

Fotos by Abel Lourenço dos Santos; São Lourenço, 1948. (acervo pessoal Cariocadorio, proibida a reprodução sem autorização prévia).
Fonte de informações históricas, site do Parque da Águas (clique aqui)
Posts Cariocadorio com mais fotos de São Lourenço (clique aqui)

De São Lourenço a Soledade de Minas

11 de novembro de 2012
O trem  de São Lourenço a Soledade de Minas

O trem de São Lourenço a Soledade de Minas

O sul de Minas Gerais é uma região que me exerce um certo fascínio. Há algo de místico em cidades como São Lourenço, Caxambu e mesmo na Pouso Alto do hotel Serra Verde ou na pequena Pedralva da minha amiga Ana Maria. 

Na estação de São Lourenço

Na estação de São Lourenço

Talvez seja alguma coisa que me leve aos primeiros passos fora do Rio.  A começar pela lenta e inesquecível subida da serra no ônibus Mercedes da EVANIL nos idos de 64 e nas muitas porém espaçadas vezes que estive por ali, sempre com boas recordações. 

Procuro me manter afastado de possíveis interpretações de misticismos que envolvem a região.  Tampouco me permitirei escrever que há uma energia diferente e muito boa por ali. Até porque eu também não acredito em bruxas. 

Em Soledade de Minas

Em Soledade de Minas

Da última vez fizemos o passeio turístico de trem de São Lourenço a Soledade de Minas onde pouco pudemos ver além do pequeníssimo museu ferroviário que pouco tinha a mostrar. A grande atração era mesmo o próprio trem, que espero possa se manter por muitos anos como mais uma atração de São Lourenço.

Estranho que nas descrições das gerações anteriores nunca ouvi falar deste trem de São Lourenço nem encontrei fotos a respeito. Exceto pelo trenzinho auxiliar dentro do parque das águas onde aparecem vovó e tia Wanda em 1948. 

Trenzinho no Parque das Águas.

Fotos by Cariocadorio, julho de 2010 e o Trenzinho no Parque das Águas (1948) – acervo Cariocadorio, proibida a reprodução sem autorização prévia.

Geraldo Gargalhada

26 de agosto de 2012

Geraldo Gargalhada, Geraldo Colombo… Meu grande amigo Geraldo.

Naquele dia em que nos encontramos em uma exposição de carros de corrida no Estádio de Remo e depois caminhamos até o pequeno parquinho em frente à hípica na Lagoa, a minha vida começou a mudar. O mundo começava a tornar-se maior que a família, a escola, o edifício e o clube.  Havia uma intensa alegria nos seus olhos quando brincávamos inocentemente no auto-pista, o carrinho de bater.  Não sei como se estabelece a passagem da infância para a adolescência nem mesmo se é desta passagem que eu estou falando.  Mas foi definitivamente, uma passagem.

A paixão pelo automobilismo era coisa rara naqueles tempos em que o Chico Landi já não fazia sucesso e um desconhecido Emerson Fittipaldi ainda dava suas primeiras entortadas nas precaríssimas pistas brasileiras.  Essa paixão catalisou nossa amizade por anos a fio. Juntos freqüentamos o clube, a praia, as festas, passamos tantos carnavais em Cabo Frio, fizemos vestibular e jogamos fora incontáveis longas conversas pelas esquinas de Laranjeiras.  Mas mais do que tudo respirávamos automobilismo. 

Na minha casa, Natal de 1974

Geraldo virou família.  Assistíamos aos GPs lá em casa, o meu pai junto. Papai abria uma cerveja que bebíamos acompanhada de sardinha na rodela de pão francês.  O Geraldo passou a chamar o Velho de pick-up quando soube que um dia seu apelido fora João Vitrola.  De vitrola para pick-up foi um passo.  O apelido que só ele usava era sua forma de mostrar que a pessoa era especial para ele. Em algum momento eu mesmo virei Jotacê.  Geraldo tinha também um caminho diferente de todo mundo para cada destino. Literal e literariamente falando.

Viramos ratos de autódromo no Rio e em Interlagos. Fomos ajudantes de mecânico, torcedores de arquibancada, comissários de box na Fórmula 1, bandeirinha de pista  tudo mais.  Graças ao Geraldo conheci de perto os ídolos nacionais da época.  Sentávamos para almoçar com eles após as corridas na Barra, ouvíamos histórias de automobilismo e até contávamos as nossas.  Seu carisma e sua inconfundível gargalhada abriam todas as portas.  E eu ia junto.  Éramos felizes e sabíamos muito bem disso.

 A vida de engenheiro não foi fácil a partir da década perdida de 80.  Geraldo buscou a sorte em São Paulo e por lá ficou. Era janeiro de 1990 quando tocou muito cedo o telefone lá em casa.  Acordamos meio assustados naquele frio danado que fazia em Madrid.  Era o Geraldo, para que eu não me esquecesse do meu aniversário de casamento, como fazia ano após ano.   

A distância e o tempo têm o implacável efeito que os mais rodados já aprenderam.  As notícias ficaram escassas até sumirem de vez.  Mas há uns cinco anos decidi procurá-lo.  Quando nos falamos parecia que tudo havia sido ontem.  Seguimos trocando emails, fotos e finalmente nos encontramos e jantamos com as respectivas em uma noite memorável.  Resumimos os últimos quinze anos naquelas poucas horas. Este blog, com as coisas do automobilismo, ajudou a manter o contato à distância. 

 Não me dei muita conta quando ele deixou de responder a um email. Este mês no dia do meu aniversário, vim a saber por caminhos que só o Geraldo poderia traçar, por que ele não havia respondido. Há pouco mais de um ano e meio, em algum ponto da estrada entre o Rio e São Paulo, os improváveis caminhos do meu amigo o levaram inexoravelmente para longe nosso convívio.    

Como disse, não sei muito bem como se estabelecem as passagens de uma fase a outra da vida. Sinto apenas que eu estou vivendo mais uma e, mais uma vez, o meu querido Geraldo está novamente presente.