Posts Tagged ‘Galeão’

Voe Gol-contra

25 de dezembro de 2010

O sindicato dos aeroviários ameaça paralisar o tráfego aéreo no Brasil em meio às festas de fim de ano. Não dá para simpatizar com a causa de um sindicato que faz isso e fecha a avenida de acesso ao Galeão, entre outras agressões ao direito de ir e vir do cidadão.

Mas se tirarmos por base a maneira como as companhias aéreas tratam os passageiros, seus clientes, podemos imaginar o que fazem com seus empregados.  Deve ser um inferno trabalhar em empresas que não têm a mínima consideração com seres humanos.   

Alguns casos:

1. O vôo está atrasado umas 2 horas mas você, passageiro irresponsável, chegou um minuto depois do horário requerido. Você tem que pagar a multa por chegar atrasado e espera 3 horas para embarcar. Pra eles não pega nada.

2.  O casal conseguiu tirar férias ao mesmo tempo depois de vários anos.  Programaram encontrar com o filho, a nora e o neto – que moram nos EUA – em um resort na República Domenicana.   Uma semaninha só mas a viagem dos sonhos. Pouco antes da viagem a companhia aérea avisa:
   “Seu vôo de sábado foi cancelado, agora vocês viajam na terça-feira seguinte.”
   ” Peraí, não posso adiar minhas férias.” 
   “Sorry, perdeu”
Depois de muita briga eles aceitaram devolver a passagem.  As férias, planejadas com muita antecedência, foram perdidas.  Danem-se os passageiros.

3.  A polícia do Rio invade a Vila Cruzeiro e sitia o Alemão.  Você está em Sampa com vôo marcado às 19:00 horas.  No Rio a família telefona e diz pra ter cuidado e você lá preocupado com a família. Tudo bem, no Santos Dumont não chega o tiroteio.  Só que choveu de tarde em São Paulo e os vôos estão atrasados. 

As informações são as mais desencontradas.  De repente o seu vôo some do painel do portão de embarque.   Os atendentes somem também.  Um bando de passageiros perdidos não sabe o que fazer.  Ninguém da companhia aérea explica o que está acontecendo ou vai acontecer.  Nenhuma informação pelo alto-falante.

Não, isso não é por acaso.  A companhia aérea usa essa tática de desesperar para dispersar os passageiros. Dispersos eles são mais fáceis de enganar.  Há horas a  aérea já sabe que não vai dar para o vôo sair de Congonhas. De repente avisam pra quem está perto.  Com a boca, nada de informar pelo alto-falante.
   “Vamos levar vocês pra Guarulhos.  De lá sai o vôo”. 

A atendente sai andando e quem quiser que vá atrás.
Os covardes só não avisaram que o vôo sai de Guarulhos para o Galeão e não para o Santos Dumont.  Os empregados são claramente instruídos para não informarem que você tem direito a jantar, hotel e vôo no dia seguinte.   Os que moravam em São Paulo decidiram ficar por lá e o pessoal do Rio seguiu para o ônibus.  Para a companhia aérea o inimigo já estava enfraquecendo, cada passageiro escolhendo sua alternativa, vencidos no cansaço.  A tática da desinformação continuava.  Escutei no rádio da atendente que no Rio não haveria transporte do Galeão porque não circulavam táxis e a empresa de ônibus se recusou a sair naquela hora.  O Rio estava em pé de guerra.   Mas em momento algum os atendentes informaram isso aos passageiros.  Boa parte entrou nos ônibus em meio ao caos em frente ao aeroporto.  Para a companhia aérea era melhor despachar covardemente os inimigos e deixá-los mofando até a manhã do dia seguinte no Galeão do que gastar com hotéis em São Paulo.

Decidi tentar a sorte de remarcar o vôo para o dia seguinte. Já passava de meia-noite quando, um grupo de seis pessoas, tomamos uma cerveja no bar do hotel para relaxar e ir dormir.  Os  que sobraram e tentaram ficar por lá contaram com a boa vontade dos atendentes do balcão e foram lentamente sendo colocados em hotéis, o que não foi fácil. 

A Infraero é uma vergonha e a ANAC uma piada. As companhias aéreas fazem o que querem. Duas delas  dominam o mercado sob pífia fiscalização da ANAC.  Os vôos são otimizados a ponto de um problema no aeroporto de Oriximiná causar atraso em vôos de Porto Alegre. E a desculpa é aceita.  Imagina o que as aéreas fazem com as escalas da tripulação e dos atendentes … imagina o que fazem com a manutenção dos aviões para maximizar o lucro.

Quem trabalha nestas empresas  é treinado para enganar, para não respeitar. Ética não é palavra no dicionário dessa gente.  Neste ambiente onde imperam a traição, a esperteza e a covardia, quem teria pudor em fazer uma greve em pleno fim de ano e acabar com a festa de milhares de pessoas?  Eles são vítimas maiores que nós, passageiros. Convivem todos os dias com as companhias aéreas e certamente são explorados e enganados também.

Tenho uma sugestão:  José Mariano Beltrame na ANAC.

 Foto by Cariocadorio: Voe Gol-contra (dezembro de 2010)

Anúncios

Antipatias Cariocas

11 de dezembro de 2009

(13/01/2010:  edição revista e aumentada com os comentários dos navegantes.  Texto completo nos comentários de acada um)

O Rio tem algumas coisas antipáticas.  Não falo do caos urbano, da guerra do tráfico nem da poluição.  Estas são tragédias cariocas.  Antipatias são coisas pessoais, cada um sente as suas, às vezes nem dá pra explicar.  Gostaria que este fosse um artigo de todos.  Vamos falar do que é antipático no nosso Rio de janeiro.

  • Garçon do Bar Lagoa,  a maioria conhece.  Faz parte do folclore e alguns acham que está bom assim mesmo.    
  • Estacionamento do Botafogo Plaza Shopping, que tal? Você chega e vê aquele espaço todo vazio mas vaga só no andar de cima. Porque ali em baixo, no lugar fácil, só se você pagar o “valetiparquin”.  Tenho má vontade em ir lá por causa disso, atrapalha até a imagem do shopping. 
  • Aeroporto do Galeão.  Depois de uma viagem recente resolvi dar prioridade ao nosso aeroporto e fazer um artigo a parte.  Veja clicando aqui. Isso tá mais pra anarquia do que antipatia carioca.
  • Ruas e calçadas.  Péssima conservação. Onde passamos, temos sempre grande possibilidade de cair em algum buraco ou cratera.  E quando chove … (por Wagner e apoiado por muitos, reforçado por Isabel depois que um buraco na rua rasgou o pneu)
  • Na praia. O loteamento e a gritaria dos vendedores.  (por Denise)
  • Falta de educação. No trânsito, os péssimos motoristas de ônibus, vans e táxis,  a mania de falar alto em lugares públicos, os celulares no cinema…dá pra fazer um blog só disso. (por Denise)
  • Falta de banheiros públicos.  Algo irritante. Não tente ir ao banheiro quando estiver no centro da cidade, senão terás sérios problemas. Por que não colocar banheiros públicos em pontos estratégicos da cidade? (por Claudio)
  • Lixo nas ruas e nas praias.  É algo impressionante. Eu fui a Praia de Ipanema (eu costumo chegar por volta das 8:00 h e caminhar até o Leblon) e o lixo assustava tanto que cheguei a conversar sobre a falta de educação das pessoas com dois garis. Por que não fazer uma campanha publicitária agressiva sobre o assunto e usar agentes para repreender as pessoas? (por Claudio)
  • Flanelinhas e mendigos.  presença irritante nas ruas.  E a Guarda municipal só multa os carros.. (por Claudio).
  • Camelôs nas calçadas. Os camelôs nas calçadas, principalmente aqueles que estendem as capas de inúmeros softwares pirata reduzindo a passagem na calçada, é outro ponto irritante. (por Claudio)
  • Taxa de iluminação.  A previsão de cobrança pela precária iluminação pública é outro ponto irritante na nossa querida cidade e deste prefeito. (por Claudio)
  • Desmatamento e balões. Os morros estão ficando carecas.  Balões causam queimadas. Quem mora em casa é que sabe como é o inferno quando um balao cai em seu quintal ou telhado e um bando de loucos invade sua casa durante a noite apenas para recuperar os restos mortais de um balao caido. (por Roberto)
  • Televisão nos bares e restaurantes.  Televisões ligadas em quase todos os bares e restaurantes da cidade, não solicitamos isso e está sendo imposto!  As pessoas não se olham,  não batem papo, mas assistem TV caladas, lado a lado, nas mesas de bar! (por Evelyn)
  • Falar no rádio Nextel em lugar público.  As pessoas  usam os seus aparelhos de Nextel (rádios) no viva voz, obrigando a todos que estão em volta, seja no onibus, na rua, no elevador, enfim, em qualquer lugar público, participar do que esta sendo discutido.  E o “alerta” também perturba todo mundo. (por Isabel)
  • Mijões dos blocos de carnaval.  Já comentaram aqui sobre a falta de banheiros públicos, concordo, mas nada justfica a porcaria desses camaradas (por Andreia).
  • Transporte marítimo Rio-Niterói. O Governo do Estado do Rio de Janeiro, em conluio com a iniciativa privada, consegui transformar o prazer enorme que era a travessia Rio/Niterói, pelas saudosas barcas, num tormento inenarrável. Com dijanelas altas e diminutas, verdadeiras escotilhas, retirou-se a visão relaxante da paisagem e o frescor da brisa marinha, agora substituídos pelo pelo calor sufocante proporcionado pelo inexistente sistema de ar condicionado, tão anunciado pela imprensa à época da construção dos novos mausoléus flutuantes. (Por Galdino)

Agora que você já sabe qual é a idéia, vamos fazer uma lista. Em “deixar um comentário”, descreva o que você acha antípático no Rio.  Vale qualquer coisa, é pra desabafar.  Se der certo eu compilo os comentários e atualizo o artigo.  Aí ponho uma foto bem antipática também.

Aeroporto do Galeão

5 de dezembro de 2009

Torre de Controle

No maior aeroporto do Rio de Janeiro, chegar e partir são só dois lados da mesma anarquia. 

Você desce do táxi e já te esperam uns engraxates com um jeito estranho.  Entra rápido pra se sentir menos inseguro. No saguão do aeroporto, em pleno pré-verão do Rio, o ar condicionado funciona muito mal. Você logo nota que as reformas em andamento são uma maquiagem de segunda classe. Os novos “telões” sobre os postos de check-in são tão pequenos que não dá pra identificar a companhia aérea.  Você responde a uma série de perguntas idiotas da companhia aérea americana (só aqui, lá eles não fazem isso). Tudo bem, isso não é culpa da Infraero.  

Feito o check-in, vem a longuíssima fila pra passar na imigração.  Depois a fila pra passar no raio-x e finalmente você está do lado dos portões de embarque.  A escada rolante pro andar de cima não funciona. O calor continua… Azar seu que colocam três vôos internacionais em portões consecutivos, 11 ao 13.  Logo aqueles em reforma e espremidos ao lado do raio-x, enquanto do  5 ao 10 está tudo vazio.  Claro que não há espaço pra todo mundo e o calor aumenta mais ainda.  Você aguardou a sua vez e passou pelo gate. Responde novamente às perguntas idiotas e finalmente embarca com apenas 15 minutos de atraso.  Que maravilha, está tudo pronto para o vôo sair na hora marcada.  

O Comandante pede desculpa mas tem que esperar outro vôo. Depois diz que o seu avião é o sétimo da fila de decolagem e que tem ainda que esperar dois que estão aterrisando.  Com uma hora de atraso você está no ar.  

"Waiting For" (filas no aeroporto)

Mesmo que o trabalho ou as férias tenham sido ótimos sempre é bom voltar pra casa.  Tudo certo e você aterrisa  no Antonio Carlos Jobim.  Que sacanagem fazer isto com um cara que tanto fez pelo nosso orgulho-de-ser-brasileiro.  Graças a Deus todo mundo continua chamando de Galeão esse aeroporto medieval.   

Agora é hora de passar na imigração e depois lutar naquele espaço espremido para pegar as malas na esteira lentíssima. Parada básica no free shop, a única parte do aeroporto que parece reformada (por que será?), e você está pronto pra enfrentar a alfândega.  Só que o pessoal da alfândega resolveu trabalhar sério e … operação padrão.  Mais de uma hora na fila.

Você venceu, passou no verde levando o celular de $1350 com tecnologia do fala-escreve do George Orwel, só que em doze idiomas, mais o estado da arte em comunicação. Serve até como telefone.    Feliz da vida, você encara uma daquelas mulheres atraentes das empresas de táxi. Pode escolher qualquer uma porque o preço agora é tabelado. Isso mesmo, o rádio-taxi (branco) passou a cobrar o mesmo da antiga máfia do aeroporto (carros azuis e vinho). O mesmo assalto pra todos os “especiais”.  Na saída o carregador / cambista (isso até que melhorou) tenta te abordar, a rapaziada oferece um táxi e é melhor você se mandar logo.  Se não quis o táxi “especial” no preço tabelado você pode arriscar um amarelinho lá fora.  Mas aí já sabe, do lado de fora você está ainda mais exposto que do lado de dentro.   

Bem-vindo ao Rio de janeiro.   Tudo bem, pra Copa vai estar tudo resolvido e pras Olimpíadas melhor ainda.  Depois …    

Fotos: “Torre de Controle” by Bruno S. Lessa (Flickr, Creative Commons, 4/2/08); “Waiting For” by Santa Rosa (Flickr, Creative Commons, 24/9/05);