Posts Tagged ‘José Dirceu’

Proclamação da República

15 de novembro de 2013

´131115 proclamacao-da-republica-2

Mamãe jamais teve dúvida com respeito a certas coisas: “luta de boxe é tudo marmelada” e “rico não vai pra cadeia” estavam entre suas mais firmes convicções.  Brigamos muito por causa disso.  O tempo me mostrou que ela, no mínimo, acertou muito mais do que eu.

Se minha mãe ainda estivesse entre nós, hoje, neste 15 de novembro de 2013, talvez eu pudesse ter um momento de vitória nesta discussão de toda vida.

“Hoje comemoramos o 124º aniversário da Proclamação da República. A origem da palavra República nos ensina muito. A palavra República vem do latim e significa ‘coisa pública’. Ser a presidenta da República significa exatamente zelar e proteger a ‘coisa pública’, cuidar do bem comum, prevenir e combater a corrupção”.

Presidente Dilma

 “Viva o PT”.
“Considero-me preso político”

José Genoíno

“Não importa que me
tenham roubado a liberdade: continuarei a defender por todos os meios ao meu
alcance as grandes causas da nossa gente, ao lado do povo brasileiro,
combatendo por sua emancipação e soberania”

José Dirceu

As palavras da Presidente vão ao encontro dos anseios da população.  Enquanto isso, os criminosos procuram desvirtuar a verdadeira razão de sua condenação.  Procuram se mostrar como vítimas e perseguidos políticos… Mas durante o seu próprio governo?

Banqueiros, empresários, presidente de partido e o chefe do gabinete civil do governo Lula estão a caminho de ver o sol nascer quadrado.  Isto é uma grande novidade neste país. Felizmente o ex-presidente Lula não sabia do que estava sendo tramado nos bastidores do seu governo. Talvez ele pudesse ser envolvido nesta situação, o que seria altamente constrangedor para o povo brasileiro.

E mais uma vez, 15 de novembro é um dia histórico no Brasil.
Estaremos diante de um marco contra a seletividade do sistema prisional brasileiro?
Será que finalmente minha mãe, de onde estiver, verá uma razão para duvidar de suas próprias convicções?

Imagem obtida na internet.

José Dirceu; herói ou vilão do mensalão?

28 de outubro de 2012

A defesa de José Dirceu alega que deve ser dado crédito à vida pública pregressa deste senhor para efeito de avaliação da sua pena.
Diz o memorial da defesa:

“A análise dos fatos relevantes da vida de José Dirceu se inicia na década de sessenta, quando era um dos líderes do movimento estudantil na luta contra um regime político violentíssimo, que desrespeitava inúmeras garantias individuais e fazia uso da tortura. Em 1968 foi preso ao participar de um congresso estudantil, permanecendo encarcerado por quase um ano, quando então foi banido do país”. 

Ora, José Dirceu e os demais não foram julgados pelo que fizeram no passado mas sim por um repugnante crime que buscava acabar com a democracia brasileira. Desta vez a violência das armas partindo dos quartéis foi substuída pela violência moral da corrupção que encontrou no congresso nacional o ambiente propício para prosperar. 

Estudantes dos anos 70 viam com simpatia a luta que alguns destes réus travavam contra a ditadura.  Por isso, incomoda também a decepção com os que pensávamos  seriam uma alternativa democrática ao regime militar.  

O STF em dia de julgamento de mensalão

O STF em dia de julgamento de mensalão

As evidências e a conclusão do STF apontam para uma possível falta de nobreza de  alguns dos que diziam lutar pela democracia contra a ditadura militar.  A julgar pela intenção retratada na  jornada do mensalão, aquela pode  ser entendida como uma luta para substituir a ditadura militar  por outra, a favor dos seus interesses e convicções pessoais.  Esta possibilidade ajuda a desqualificar a  linha de defesa apresentada. Se naquela época tínhamos uma ditadura a combater, qual a sustentação para a tentativa de golpe na realidade atual?

Não podemos esperar que políticos profissionais se pautem na ética para julgar situações relevantes.  Interesses pessoais, disfarçados ou não de convicção ideológica, são predominantes em quase todos os casos.  Apesar de tudo a esperança ainda fica na democracia e no equilíbrio dos poderes, cujo aperfeiçoamento pode demorar gerações, mas ainda assim é a única chance de fazer do Brasil um grande país.

Tentativas de interromper este processo com golpes, fraldes e corrupção têm que ser vigorosamente combatidas pela sociedade.

Fontes: site Globo.com e Manchete.com