Posts Tagged ‘Porto do Rio’

Porto Maravilha – Praça XV sem Perimetral

4 de outubro de 2014
Praça XV

Praça XV de Novembro

Saída do Mergulhão

Saída do Mergulhão da Praça XV

Tribunal Marítimo e Centro Cultural da Marinha

Av. Alfredo Agache, à continuação

Seguem as obras na Praça XV.  No trecho de onde já foram removidos os escombros da Perimetral pode-se ter uma ideia de como ficará o local.  As fotos foram tiradas do prédio da Bolsa de Valores (o que aparece com um heliponto azul na foto abaixo).

Os prédios do Tribunal de Justiça e do Hospital Maternidade continuarão impedindo a vista para o mar. Na sequencia, o Tribunal Marítimo aparece de forma mais harmônica  com a paisagem.

Google Mapas, ainda  com a Perimetral

Google Terra, ainda com a Perimetral

Fotos by Cariocadorio: Praça XV e Av. Alfredo Agache (sembro de 2014);
Vista de cima do Google Terra.

Anúncios

Porto Maravilha, tomando forma

7 de setembro de 2014
A Perimetral e o sol

A Perimetral e o sol

Enquanto passado e futuro ainda convivem, começa a tomar forma a nova região portuária do Rio de Janeiro.

A demolição da Perimetral permitiu que uma luz há muito não vista voltasse a banhar  a Av. Rodrigues Alves e a Praça Mauá.

O Museu de Arte do Rio é, já há algum tempo, uma realidade.  Acho interessante aquele teto ondulado sobre o edifício e o Palacete D. João VI. A polêmica arquitetura é mais uma atração para a Praça Mauá.

O Museu do Amanhã também começa a tomar forma ao mesmo tempo em que se removem os restos da Perimetral.

Obras do Museu do Amanhã e restos da Perimetral

Obras do Museu do Amanhã e restos da Perimetral

Ainda há muita coisa por fazer, como arranjar uma solução para o triste e abandonado edifício A Noite, aquele que foi o maior arranha céu da América Latina. Quem sabe um dia caminharemos tranquilamente por modernas vias e pelas vielas do Morro da Conceição, berço do Rio de Janeiro.

A Perimetral já foi mesmo demolida, não adianta continuar reclamando. Melhor torcer para que a maior transformação urbana no Rio de Janeiro nos últimos quarenta anos nos permita melhor desfrutar da Cidade Maravilhosa.

Artigos sobre este assunto:
https://cariocadorio.wordpress.com/2011/11/26/as-obras-do-mar/
https://cariocadorio.wordpress.com/2011/04/18/palacio-d-joao-vi-segue-a-obra/
https://cariocadorio.wordpress.com/2010/05/22/palacio-d-joao-vi-em-obras/
https://cariocadorio.wordpress.com/2014/01/26/tchau-tchau-perimetral/
https://cariocadorio.wordpress.com/2011/04/18/palacio-d-joao-vi-segue-a-obra/

Fotos by Cariocadorio, agosto de 2014.

Perimetral, a demolição em 2 tempos

23 de abril de 2014
Remoção de escombros na Praça Mauá

Remoção de escombros na Praça Mauá

Há alguns anos critico esta obra faraônica que seria normal se fossemos uma economia como a dos Emirados Árabes.  Ainda acho que haveria alternativas para não demolir o elevado da Perimetral.  Mas não há mais espaço para reclamar porque a coisa está no chão.  Agora só resta torcer para que o Porto Maravilha faça juz ao nome.  

Antes da implosão

Antes da implosão

Depois da implosão

Depois da implosão

Pré-perimetral, circa 1965

Praça Mauá; pré-perimetral, pré-ponte, circa 1965

Houve um tempo, nem tão longínquo assim, que não havia Perimetral.  Aí sim, deveriam ter seriamente pensado em não construí-la.  Mas era tempo de Brasil Grande… 

A boa notícia é que o prefeito Eduardo Paes e sua equipe agora partirão para demolir o elevado da Paulo de Frontin e revitalizar o Rio Comprido e a Tijuca. Seria de um propósito ainda mais nobre: devolver à região a tranquilidade que lhe foi roubada há quatro décadas.  

Escombros da Perimetral

Escombros da Perimetral

Fotos atuais by Cariocadorio (i-phone – abril 2014) ;
Foto antiga: Praça Mauá circa 1965, obtida na internet (Site Portogente, Julio A.R. Reis)

Tchau, Tchau, Perimetral

26 de janeiro de 2014

O Cariocadorio começou na Praça Mauá, com o Porto Maravilha e com o anúncio do fim  da Perimetral.  Desde 2009 me manifesto contra a derrubada da Perimetral (clique aqui e aqui). Cheguei a criar um VLT  na Perimetral (clique aqui) que, aliás, ainda acho que seria muito interessante e útil para os cidadãos.

Em frente à Praça XV

Em frente à Praça XV

Arcenal de Marinha e Baía de GB

Arsenal de Marinha e Baía de GB

Pois bem, nesta sexta dei o meu último “passeio” pela Perimetral.  Era este, até então, o meu caminho diário para o trabalho desde o século passado.

Obras do Museu do Amanhã e Transatlântico

Saída para a Pr. Mauá – Obras do Museu do Amanhã e Transatlântico

Agora só me resta torcer para que a fortuna que gastamos para derrubar esta via nos traga, pelo menos, o alento de uma melhora substancial para a região.  Alguma coisa que nos faça esquecer o desperdício e o sofrimento de um trânsito caótico por tantos anos.

Que não fiquem somente as mazelas das enormes torres e aglomerações de edifícios que serão construídas, segundo a prefeitura, para pagar a conta. Que as pessoas, e não só os grandes empreendimentos, lucrem com esta história.

Não quero ser pessimista mas, para quem defendia a vista para a baía de Guanabara, aquele monstrengo de vidro ao lado do INTO não é um bom começo.

O INTO e o monstro

O INTO e o monstro vistos da Linha Vermelha

Fotos by Cariocadorio, Janeiro de 2014

Bem-vindo ao caos carioca

21 de dezembro de 2013
Turistas puxando malas na Rio Branco

Turistas puxando malas na Rio Branco

De repente tinha um monte de gente atravessando a rua sob o que ainda resta da Perimetral. Na Praça Mauá e seus arredores, turistas desembarcados dos luxuosos cruzeiros sentiam um choque de realidade.   Rapidamente se espalharam pelas calçadas do início da Av. Rio Branco.   Carregando malas e bagagens caçavam taxis que os levassem ao seu destino na Cidade Maravilhosa. Na praça havia uma fila organizada mas os taxis custavam a aparecer. Ainda tiveram sorte de não estar chovendo e de não terem que encarar o infernal calor do meio-dia, típico desta época.

O cenário era perfeito para ação de bandidos, taxistas desonestos e outros pilantras. A chegada ao Rio de Janeiro pela rodoviária Novo Rio e pelos aeroportos do Galeão e Santos Dumont parecem coisa de primeiro mundo se comparados ao caótico desembarque de turistas na Praça Mauá.

Turistas na Praça Mauá

Turistas na Praça Mauá

Seria fácil dizer que tudo será resolvido quando tivermos o terminal marítimo apropriado.  Mas bastaria um mínimo de organização e competência aliados a respeito ao consumidor para evitar esta situação.  Conhecendo a nossa realidade, é de se esperar que este caos perdure por toda a temporada.    

Fotos by Cariocadorio:  Turistas na Praça Mauá e Turistas na Av. Rio Branco (20/12/13).

Igreja de São Francisco da Prainha

23 de março de 2012

Junto à rua Sacadura Cabral, no alto de uma escadaria de pedra que sobe o Morro da Conceição, encontra-se a capela de São Francisco da Prainha.  O templo foi erguido em princípios do século XVIII, época em que o mar banhava as proximidades das faldas do morro. 

A Igreja e as obras na Sacadura Cabral

A Igreja e as obras na Sacadura Cabral

As recentes obras de modernização da zona portuária, o projeto Porto Maravilha, expuseram o cais de pedra construído no século XIX. 

O antigo cais sob a calçamento da rua

As pedras do antigo cais

Junto com ela foram encontrados canhões de origem inglesa e outras peças da época.  Falamos, portanto, de descobertas interessantíssimas para a arqueologia tão pouco explorada do Rio de Janeiro.  Um acervo riquíssimo, ali mesmo, discponível para ilustrar a história da Cidade.

Ao mesmo tempo reformas são feitas no Palacete D.João VI e no prédio da antiga Rodoviária na Praça Mauá. Em conjunto, os prédios formarão o Museu de Artes do Rio (MAR).  Na mesma região, no Pier Mauá, constrói-se o Museu do Amanhã, projeto do arquiteto da moda, o espanhol Calatrava. 

A igreja, os dois museus e o terminal de cruzeiros encontram-se em um raio de cem metros da Praça Mauá.  São cinco minutos de caminhada entre eles.  A região, apenas uma pequena parte do formidável projeto do Porto Maravilha, tem um enorme potencial turístico. 

Obras do MAR e do Museu do Amanhã

Obras do MAR e do Museu do Amanhã

Findadas as Olimpíadas de 2016, teremos aí um formidável legado para o Rio de Janeiro.  O que acontecerá com tudo isso alguns anos depois, porém, é o que me preocupa. Somos muito bons em investir fortunas para construir prédios e monumentos mas muito ruins quando se trata de cuidar deles. As diversas arenas esportivas dos fatídicos Jogos Panamericanos e a sinfonia inacabada da Cidade da Música estão aí para provar. 

O exemplo deste momento, entretanto, é a situação da igreja de quase trezentos anos que dá título a este artigo.   Museu algum poderá rivalizar em importância histórica com esta construção que hoje está  em ruínas. As fotos ilustram melhor do que qualquer descrição.  Triste.

Igreja de São Francisco da Prainha

Fotos by Cariocadorio, Março de 2012.

A tragédia nossa de cada dia

5 de fevereiro de 2012

Parte I:
Não é necessário pesquisar muito para lembrar de vários desastres recentes na cidade.  Para citar alguns, não faz muito tempo caiu um pequeno prédio no Catumbi;  uma explosão destruiu um restaurante no Centro;  o prédio semi abandonado do hospital do Fundão teve que ser implodido antes que caísse também.  No dia 30/01 um operário morreu e outros ficaram feridos em uma explosão no porto porque as redes fluviais estavam contaminadas com óleo. Por toda a cidade explodem bueiros por haver gás nas galerias do sub-solo. E não estamos nem falando de desgraças causadas por enchentes.

Assim, o desabamento do edifício Liberdade e de dois prédios vizinhos não chega a ser uma surpresa.  O Rio de Janeiro está sempre prestes a ser abalado por desastres de todos os tipos.  Como chegamos a este ponto? 

Falta seriedade antes, durante e depois destas catástrofes.  Logo após o recente desastre, alguém do governo saiu com a idéia de que precisamos de um “laudo” para todos os edifícios. Ele não lembra que o parque de diversões onde morreu uma jovem quando o brinquedo voou pelos ares também tinha um “laudo”. Segundo o site  ig, o CREA antecipou que a culpa deve ser das obras atuais no prédio.  Jornalistas, cidadãos e blogueiros podem “achar” a vontade mas o Conselho Regional de Engenharia deveria investigar seriamente primeiro e achar depois.

Metro na Av. Treze de Maio, 1975

Grandes acidentes geralmente acontecem em função de uma sequência de eventos, não por uma única causa. Portanto, se perguntarmos se a causa foi o abalo causado pelo buraco do metrô nos anos 70, a reforma do terceiro andar, a abertura de janelas na empena do prédio, o acréscimo de andares após a construção original ou o excesso de entulho no nono andar, a resposta provavelmente será que tudo isso contribuiu para a tragédia.
E em cada uma dessas fases haverá pitadas de irresponsabilidade, negligência e incompetência de proprietários, administradores, profissionais e autoridades. 

Alterações e obras (site ig)

Mas em última análise a culpa é da forma como nós, brasileiros, lidamos com assuntos sérios. De como escrevemos leis e as aplicamos.  De como fiscalizamos o cumprimento destas leis. De como apuramos responsabilidades e punimos culpados.  De como nosso legislativo é inoperante para o que realmente importa, de como nosso executivo não impõe a ordem e de como nosso judiciário faz de tudo para não concluir coisa alguma.

Parte II:
Caminhando pelo Centro quarta-feira passada, passei pela rua Treze de Maio e vi a operação final da remoção dos escombros dos edifícios no enorme vazio deixado no local. 

Vazio dos edifícios na 13 de maio

Teatro Municipal

Logo a seguir, observei o contraste da desolação com o Teatro Municipal, belíssimo, ainda com o frescor da recente reforma. Se este prédio centenário tivesse sido afetado, o prejuizo seria incalculável para o patrimônio cultural da cidade.

O pior é concluir que tivemos sorte nestas catástrofes.  Porque se ocorressem um pouco mais tarde, no caso da explosão no restaurante, ou um pouco mais cedo, no caso do Edifício Liberdade, estaríamos contando às centenas o número de perdas de vidas  humanas e de famílias atingidas. 

Mais adiante me deparei com a Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Não dá pra ver o Palácio Pedro Ernesto sem relacionar os que o freqüentam com a nossa rotina de desgraças.

Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro

Mas há coisas mais importantes para nos preocuparmos porque o verão continua, o Porto ficará Maravilha, a Copa e as Olimpíadas vem aí e, afinal, logo teremos eleições… 

Fotos: Tragédia, Vazio dos edifícios da Treze de maio, Teatro Municipal e Câmara dos Vereadores ( Fevereiro de 2012), by Cariocaodorio. Metro, av. Treze de maio, by Paulo Moreira (fevereiro de 1975) – obtida no site Rio de Histórias, de Rômulo Lima – e  Desabamento no Rio de Janerio arte by site ig (Fevereiro de 2012).

Derrubamos a Perimetral?

28 de novembro de 2010

Por que será que é tão importante derrubar a Perimetral?  Será este o maior mal arquitetônico desta cidade?

Perimetral na Praça Mauá

Não creio.  Tampouco posso acreditar que a única motivação em derrubar uma via vital para o deslocamento de milhares de pessoas todos os dias seja a melhoria estética da cidade. Não foi inteligente construí-la mas derrubá-la será uma inaceitável agressão aos cofres públicos.  

No início da semana foi assinado o contrato para a segunda fase do projeto Porto Maravilha que inclui a derrubada do elevado.  Derrubar a Perimetral será, além do desperdício, uma formidável derrota para arquitetos e urbanistas.  Não haveria uma solução que a tornasse menos agressiva ao visual da cidade?  No mínimo há que pensar em alternativas viáveis.  

A matéria de Rogério Daflon na Revista do Globo deste domingo apresenta uma série de arquitetos que defendem a manutenção da Perimetral com idéias criativas.  Seja uma espécie de jardim suspenso como área de lazer, a transformação como linha de trem ou qualquer outra coisa, acho que devemos pensar muito mais antes de derrubá-la.  A proposta de uma concorrência ampla para a escolha da solução é acertada. 

O arquiteto da moda, o valenciano Santiago Calatrava, disse logo que aquilo é horrível e que tem que ser derrubado.  É claro, o cara não mora aqui, não paga impostos aqui e não sabe o que é uma cidade com carência de mais de 200 leitos de UTI, onde as pessoas não conseguem ser atendidas em hospitais ou postos de saúde e onde não tem escola pra todo mundo.  E as escolas que temos são as que colocam o Rio de Janeiro entre os últimos do ranking brasileiro.  

 Na mesma matéria o secretário municipal de urbanismos, o arquiteto Sérgio Dias, diz que a demolição terá custo praticamente zero.  Será que ele realmente acredita nisto?    

O projeto do Porto Maravilha promete fazer jus ao próprio nome.  Mas é preciso cuidado para não ficarmos devendo dinheiro por mais de uma geração.

Este assunto nos preocupa há bastante tempo como pode ser visto clicando aqui.

Foto by Cariocadorio: A Perimetral na Praça Mauá (nov. 2009)

Museu do Amanhã no Pier Mauá

18 de setembro de 2010

Na segunda-feira passada uma grossa coluna de fumaça se ergueu na baía de Guanabara. Foi um incêndio em uma lancha da Marinha que felizmente, apesar das mais de 100 pessoas a bordo , não causou vítimas. 

Além da passagem do belo porta-container compondo a foto, o que mais me chamou a atenção foi o Pier Mauá. As obras continuam na estaca zero.  Há cerca de um ano, a prefeitura anunciou a urbanização do pier com um grande jardim aberto ao público.  Colocaram placas enormes, fizeram um  estardalhaço danado para alguns meses depois desistirem da idéia em prol de um museu no pier.  Tal qual o Gugenhein do ex-prefeito, aquele que fez as obras que o povo não queria.     

E veio o projeto do espanhol Santiago Calatrava, figura da hora nos modismos arquitetônicos.   Um prédio moderníssimo, com teto que se move para se ajustar aos raios solares e o escambau.  A apresentação artística chega a emocionar.  Não dá para não achar maravilhoso e que vai muito bem com o Porto maravilha.
 

Mas também não dá pra não ficar preocupado.  As obras, que começarão em 2011, estão orçadas em R$130 milhões.  Pode multiplicar por 2, como soe acontecer nestas obras. Como a realização é da Fundação Roberto Marinho, é provável que saia mesmo.   Na tímida pesquisa que fiz na internet não conssegui ter certeza de onde sairão as verbas para a obra.  Tampouco encontrei quanto custou este projeto do Calatrava e quem o pagou. 
 
Mas minha maior preocupação é como será mantido este museu com teto móvel de grandes proporções, sistemas de filtragem de água etc.  Não há de ser com a arrecadação da entrada dos visitantes.  Patrocinadores, então? O provável é que seja da mesma forma que os demais, ou seja, muito mal e porcamente.

Teremos mais uma Cidade da Sinfonia Inacabada? Aliás, não deveiram gastar um centavo em museus e afins enquanto não terminassem as obras daquela vergonha carioca.  Já que está quase pronta,  acaba logo para que tenha alguma utilidade. 

Sou totalamente a favor da cultura em suas várias vertentes mas é muito fácil desperdiçar dinheiro em nome dela.  Se gastar mal com viadutos e escolas fosse tão fácil como com obras ditas culturais, esta cidade estaria cheia de coisas úteis.

A proposta do museu é criar uma experiência da passagem do hoje para o amanhã, de modo que o presente opere como um portal. Um dos eixos ao longo dos quais se estrutura a construção é o da polaridade entre as ciências cósmicas e as terrestres. (do site PINIweb)

Foto: Incêndio na Lancha (13/09/10) by Cristina Ribeiro;
Museu do Amanhá (junho de 2010 divlugação)

Palácio D. João VI, em obras

22 de maio de 2010
Atualizando este artigo, vemos as novas redes de proteção decoradas no Palácio D.João VI na Praça Mauá.  Quando esta tela decorada for retirada, teremos o novo Museu de Artes do Rio (MAR). Segundo anuncia a prefeitura, o prédio será integrado ao prédio que hoje abriga uma delegacia de polícia civil e o terminal intermunicipal de ônibus formando um grande centro cultural.  Agora já tem placa mas também tem obra.

MAR

—————————————————————————————————————

Restauração da cúpula do palácio

As obras de restauração do palácio D. João VI começaram há cerca de dois meses e seguem em ritmo frenético.  Rapidamenente o prédio foi cercado de andaimes e telas de proteção e logo já se viam os operários de capacetes amarelos trabalhando na reforma. Tudo parece estar muito bem organizado.  Interessante que não se vê nada de placa descrevendo a obra. 

Operários trabalhando

Enquanto isso, em frente ao pier Mauá, segue a enorme placa.  Atrás dela acontece de tudo:  estacionamento, exposição de veleiros,  jantar em mesa elevada por uma grua, área de apoio para o “air race” e por aí vai.  Do grande parque do pier cujo início das obras foram anunciadas há seis meses atrás, nada ainda.   

Veja como estavam a cúpula do palácio, o pier e a placa em outubro de 2009 aqui: https://cariocadorio.wordpress.com/2009/10/27/praca-maua-o-renascer/

Fotos by Cariocadorio: Palácio D. João VI, Restauração da Cúpula (Maio/2010), Operários trabalhando (Abril/2010)