Posts Tagged ‘Praça Mauá’

Intimidades num voo noturno

9 de julho de 2018

Marcello Senna ainda tinha esperança de que a poltrona da janela ao lado ficasse vazia quando a simpática moça com uma camiseta Carioca em forma de Coca-cola, pediu licença pra passar.

Cansado da semana de reuniões, Marcello bem que tentou evitar a conversa. Não conseguiu. Boas noites, obas e olás, ela não falava bem inglês, trabalhava no INPI e vinha de San Diego onde foi ver o namorado.  Marcello mais preocupado com o Sudoku inacabado na mesinha.

O papo seguiu e ela falou sobre os pais… que sua mãe, ainda nova, começou a sofrer com a perda da memória.  No supermercado a roubavam no troco, se perdia na rua … Marcello se interessou. Sabia bem o que era isso. Seu pai cuidara de tudo até o Alzheimer tomar conta logo após a perda da esposa. Desgraças a parte, riram bastante das situações tragicômicas dos seus idosos.

Dois largos bocejos, Marcello virou-se e dormiu suas quatro horas de praxe.  Acordou com a moça quase sentada no peito na tentativa de ir ao banheiro.  Tudo bem, já iam mesmo servir o café da manhã.

Perguntado Marcello falou da sua Estela e dos gêmeos que o esperavam no Rio. Foi então que Mariana, acho que era esse seu nome, se sentiu a vontade pra contar a história da sua vida.

O namorado, que fazia pós-doutorado em San Diego, era sua primeira recaída diante da raça de crápulas que são os homens.  Conheceu o ex-marido no parque infantil do Fluminense.  Depois estudaram no mesmo São Vicente de Paulo. Jovens profissionais, chegaram ao Instituto Nacional de Pesquisas Industriais, o INPI, na Praça Mauá.  Aí começaram o namoro e casaram alguns anos depois. Com muito bom humor, a carioca seguiu contando sua história para um agora interessadíssimo Marcello.

Três filhas em idade escolar depois, ela começou a desconfiar de alguma coisa.  Jogar um pequeno verde foi o suficiente pra colega de trabalho contar o que só ela no INPI parecia não saber. O sacana do marido não só teve duas “namoradas” depois de casado como uma filha com uma delas.  Pior, as duas trabalhavam no mesmo departamento de patentes que ela e a filha da outra frequentava as festinhas de aniversário em sua casa desde sempre.

Marcello não podia acreditar; meu Deus, esse cara é bom!, pensou.

Quem? Eu?

Certa noite, crianças dormindo,  chamou o marido na chincha.
Ele negou… era tudo mentira, queriam derrubá-lo da gerência, que podia explicar, que isso, que aquilo. Mas tava difícil, ela sabia até dos detalhes.    Ele insistiu que a amava, que queria seguir com a família, que isso não se repetiria…

Isso o que? …outra namorada?… ou seria outra filha?, se perguntava Marcello.

Finalmente o safado concordou em sair de casa.  Ela foi generosa e deu um mês pra ele arranjar um lugar. Passaram dois e o cara fingindo que as coisas estavam voltando ao normal. Ela deu um ultimato.  Ele tinha dois dias pra sumir de casa pra sempre.

O coitado, do fundo do seu sofrimento, ainda tentou argumentar:
“Mas por que é que você está fazendo isso comigo?”

 

Fotos: Flight CO-092 (Maio 2010, by Cariocadorio);  Quem, eu?  (Maio 2010, EP, by Naj Olari, Flickr Creative Commons)

Nota: baseado no post “Houston-Rio CO-092” de 30 de outubro de 2010.

Anúncios

Rio de Janeiro, a Cidade do Amanhã

1 de janeiro de 2016
maua e outras 001

A Cidade do Amanhã

Sou obrigado a reconhecer que os cariocas, nascidos ou não no Rio de Janeiro, somos uns mal-agradecidos.  Não contentes em viver numa cidade de beleza incomparável, cuidadosamente talhada entre montanhas verdes e mares azuis, ainda queremos ter segurança, escolas e hospitais que funcionem.

É verdade que não se pode passar em certas vias públicas a tantas horas do dia sob o risco de aumentar a probabilidade de assalto dos normais 48 para inaceitáveis 92,5%.  Também é verdade que às vezes algum incauto fica doente sem que haja UPA que o atenda, ou que uma grávida inescrupulosa decida dar à luz na hora da troca de turno.  Particularmente quando o governo não pagou ninguém e o hospital não tem médico em turno algum pra fazer a troca.

Mas não se pode querer tanto quando se tem a Quinta da Boa Vista, o Pão de Açúcar, a Floresta da Tijuca, as praias do Leme ao Pontal, a Lagoa Rodrigo de Freitas, o Jardim Botânico, a nova Praça Mauá, e vou parar por aqui se não acabo esquecendo do Cristo Redentor, com seus braços abertos sobre a Guanabara.

Há que escolher entre uma cidade maravilhosa e um governo que preste.  O fato é que, antes mesmo de 1° de março de 1565, o carioca já havia feito a sua opção pelo belo.  Mais do que isso é descabida ambição.

Foto by Cariocadorio: Cidade do Amanhã, dezembro de 2015

Nota: baseado em crônica de Machado de Assis (15/09/1876)

Porto Maravilha, tomando forma

7 de setembro de 2014
A Perimetral e o sol

A Perimetral e o sol

Enquanto passado e futuro ainda convivem, começa a tomar forma a nova região portuária do Rio de Janeiro.

A demolição da Perimetral permitiu que uma luz há muito não vista voltasse a banhar  a Av. Rodrigues Alves e a Praça Mauá.

O Museu de Arte do Rio é, já há algum tempo, uma realidade.  Acho interessante aquele teto ondulado sobre o edifício e o Palacete D. João VI. A polêmica arquitetura é mais uma atração para a Praça Mauá.

O Museu do Amanhã também começa a tomar forma ao mesmo tempo em que se removem os restos da Perimetral.

Obras do Museu do Amanhã e restos da Perimetral

Obras do Museu do Amanhã e restos da Perimetral

Ainda há muita coisa por fazer, como arranjar uma solução para o triste e abandonado edifício A Noite, aquele que foi o maior arranha céu da América Latina. Quem sabe um dia caminharemos tranquilamente por modernas vias e pelas vielas do Morro da Conceição, berço do Rio de Janeiro.

A Perimetral já foi mesmo demolida, não adianta continuar reclamando. Melhor torcer para que a maior transformação urbana no Rio de Janeiro nos últimos quarenta anos nos permita melhor desfrutar da Cidade Maravilhosa.

Artigos sobre este assunto:
https://cariocadorio.wordpress.com/2011/11/26/as-obras-do-mar/
https://cariocadorio.wordpress.com/2011/04/18/palacio-d-joao-vi-segue-a-obra/
https://cariocadorio.wordpress.com/2010/05/22/palacio-d-joao-vi-em-obras/
https://cariocadorio.wordpress.com/2014/01/26/tchau-tchau-perimetral/
https://cariocadorio.wordpress.com/2011/04/18/palacio-d-joao-vi-segue-a-obra/

Fotos by Cariocadorio, agosto de 2014.

Perimetral, a demolição em 2 tempos

23 de abril de 2014
Remoção de escombros na Praça Mauá

Remoção de escombros na Praça Mauá

Há alguns anos critico esta obra faraônica que seria normal se fossemos uma economia como a dos Emirados Árabes.  Ainda acho que haveria alternativas para não demolir o elevado da Perimetral.  Mas não há mais espaço para reclamar porque a coisa está no chão.  Agora só resta torcer para que o Porto Maravilha faça juz ao nome.  

Antes da implosão

Antes da implosão

Depois da implosão

Depois da implosão

Pré-perimetral, circa 1965

Praça Mauá; pré-perimetral, pré-ponte, circa 1965

Houve um tempo, nem tão longínquo assim, que não havia Perimetral.  Aí sim, deveriam ter seriamente pensado em não construí-la.  Mas era tempo de Brasil Grande… 

A boa notícia é que o prefeito Eduardo Paes e sua equipe agora partirão para demolir o elevado da Paulo de Frontin e revitalizar o Rio Comprido e a Tijuca. Seria de um propósito ainda mais nobre: devolver à região a tranquilidade que lhe foi roubada há quatro décadas.  

Escombros da Perimetral

Escombros da Perimetral

Fotos atuais by Cariocadorio (i-phone – abril 2014) ;
Foto antiga: Praça Mauá circa 1965, obtida na internet (Site Portogente, Julio A.R. Reis)

Tchau, Tchau, Perimetral

26 de janeiro de 2014

O Cariocadorio começou na Praça Mauá, com o Porto Maravilha e com o anúncio do fim  da Perimetral.  Desde 2009 me manifesto contra a derrubada da Perimetral (clique aqui e aqui). Cheguei a criar um VLT  na Perimetral (clique aqui) que, aliás, ainda acho que seria muito interessante e útil para os cidadãos.

Em frente à Praça XV

Em frente à Praça XV

Arcenal de Marinha e Baía de GB

Arsenal de Marinha e Baía de GB

Pois bem, nesta sexta dei o meu último “passeio” pela Perimetral.  Era este, até então, o meu caminho diário para o trabalho desde o século passado.

Obras do Museu do Amanhã e Transatlântico

Saída para a Pr. Mauá – Obras do Museu do Amanhã e Transatlântico

Agora só me resta torcer para que a fortuna que gastamos para derrubar esta via nos traga, pelo menos, o alento de uma melhora substancial para a região.  Alguma coisa que nos faça esquecer o desperdício e o sofrimento de um trânsito caótico por tantos anos.

Que não fiquem somente as mazelas das enormes torres e aglomerações de edifícios que serão construídas, segundo a prefeitura, para pagar a conta. Que as pessoas, e não só os grandes empreendimentos, lucrem com esta história.

Não quero ser pessimista mas, para quem defendia a vista para a baía de Guanabara, aquele monstrengo de vidro ao lado do INTO não é um bom começo.

O INTO e o monstro

O INTO e o monstro vistos da Linha Vermelha

Fotos by Cariocadorio, Janeiro de 2014

Bem-vindo ao caos carioca

21 de dezembro de 2013
Turistas puxando malas na Rio Branco

Turistas puxando malas na Rio Branco

De repente tinha um monte de gente atravessando a rua sob o que ainda resta da Perimetral. Na Praça Mauá e seus arredores, turistas desembarcados dos luxuosos cruzeiros sentiam um choque de realidade.   Rapidamente se espalharam pelas calçadas do início da Av. Rio Branco.   Carregando malas e bagagens caçavam taxis que os levassem ao seu destino na Cidade Maravilhosa. Na praça havia uma fila organizada mas os taxis custavam a aparecer. Ainda tiveram sorte de não estar chovendo e de não terem que encarar o infernal calor do meio-dia, típico desta época.

O cenário era perfeito para ação de bandidos, taxistas desonestos e outros pilantras. A chegada ao Rio de Janeiro pela rodoviária Novo Rio e pelos aeroportos do Galeão e Santos Dumont parecem coisa de primeiro mundo se comparados ao caótico desembarque de turistas na Praça Mauá.

Turistas na Praça Mauá

Turistas na Praça Mauá

Seria fácil dizer que tudo será resolvido quando tivermos o terminal marítimo apropriado.  Mas bastaria um mínimo de organização e competência aliados a respeito ao consumidor para evitar esta situação.  Conhecendo a nossa realidade, é de se esperar que este caos perdure por toda a temporada.    

Fotos by Cariocadorio:  Turistas na Praça Mauá e Turistas na Av. Rio Branco (20/12/13).

O teto do MAR (museu de arte do Rio)

7 de outubro de 2012

O teto ondulado do MAR

As obras do ousado projeto arquitetônico, que busca unir o palacete D.João VI e o edifício da antiga Rodoviária seguem em ritmo acelerado.
Retirados os moldes de isopor, começa a tomar forma o teto do Museu de Artes do Rio na Praça Mauá.  É justamente este o elemento que dá unidade aos dois prédios.  O resultado parece atingir plenamente o objetivo pois une Palacete D.João VI, construído em 1912, ao moderno prédio da rodoviária sem agredir exageradamente o estilo clássico do palacete. 

O mais interessante é que o conjunto será certamente objeto de muita polêmica. A polêmica despertará a  curiosidade e a atenção do público, ajudando a aumentar a frequencia do MAR. Espero que o acervo e as mostras temporárias sejam dignas do que se está investindo no museu.

Uma preocupação é o sistema de drenagem das partes mais baixas do teto.  Já trabalharam muito ali e a água continua se acumulando em vários lugares.  Continuaremos observando e comentando as obras do Porto Maravilha.  

O teto do MAR visto da Perimetral

O teto do MAR sobre o Palacete D.João VI

O teto do MAR sobre o Palacete D.João VI

Fotos by Cariocadorio, outubro de 2012.

Veja fotos sem o teto e outros posts sobre o MAR:
https://cariocadorio.wordpress.com/2011/11/26/as-obras-do-mar/
https://cariocadorio.wordpress.com/2011/04/18/palacio-d-joao-vi-segue-a-obra/
https://cariocadorio.wordpress.com/2010/05/22/palacio-d-joao-vi-em-obras/

Redescobrindo o Rio de Janeiro

2 de junho de 2012
Pão de Açúcar, 1955

Pão de Açúcar, 1955

A natureza do Rio é tão deslumbrante que consegue sobreviver a anos de maltratos e ocupações descabidas.  A massiva verticalização do espaço urbano, particularmente de Copacabana, a favelização dos morros e a conseqüente  fragilidade da infra-estrutura são exemplos do que a ganância e a nossa ineficiência político-administrativa fizeram com a cidade em tantos anos.

Palmeiras no Canal do mangue, 1925

Palmeiras no Canal do mangue, 1925

Esta tendência, porém, parece estar mudando lentamente. Cada vez mais se vêem iniciativas pelo Rio de Janeiro. Discussões políticas a parte, houve uma evolução da segurança na gestão do Secretário Beltrame e as obras públicas voltaram na esteira dos eventos internacionais que estão por vir.

Praia de Ipanema, (que ano?)

Praia de Ipanema, (que ano?)

Ainda tímidas, ficam cada vez mais evidentes as iniciativas da população em prol da cidade.  Movimentos conhecidos como “Rio Eu Amo Eu Cuido” e outros, sem nenhuma estrutura ou ambição de ser um movimento, como os “FRA” (fotologs do Rio Antigo) despertam nosso sentido cívico.  Nos FRA os fotologeiros trazem fotos antigas e textos interessantíssimos que são comentados com humor, crítica e, muitas vezes, profundos conhecimentos sobre a arquitetura, a infra-estrutura e os habitantes da cidade.

As escavações para as obras do Porto Maravilha e recentemente no Leblon, se aliam aos FRA no redescobrimento da Cidade. Fala-se hoje em arqueologia no Rio de Janeiro, trazendo de volta um passado que já começa a se tornar distante.  A valorização da história e das tradições é importante para sedimentar o amor por essa casa tão maltradada pelos seus próprios habitantes. 

Praia de Botafogo (anos 60)

Praia de Botafogo (anos 60)

Tenho convicção de que, se a história do Rio se tornar parte dos currículos escolares, teremos em breve gerações mais comprometidas com toda a sociedade e um pouco menos com seu próprio umbigo.  

Praça Mauá, iníciodo século XX

Praça Mauá, iníciodo século XX

O Cariocadorio pretende ser um espaço de crítica e apoio ao desenvolvimento da Cidade bem como de celebração do nosso passado e antepassados.  Todos pelo Rio de Janeiro, por redescobrir e reinventar a terra do verão, da Bossa Nova, do Maracanã e de cariocas de todas as origens.

Fotos: Pão de Açúcar (acervo Cariocadorio) – As demais são roubadas dos FRA.
Links para os FRA em  Rios de Outrora, na página inicial deste blog.

Igreja de São Francisco da Prainha

23 de março de 2012

Junto à rua Sacadura Cabral, no alto de uma escadaria de pedra que sobe o Morro da Conceição, encontra-se a capela de São Francisco da Prainha.  O templo foi erguido em princípios do século XVIII, época em que o mar banhava as proximidades das faldas do morro. 

A Igreja e as obras na Sacadura Cabral

A Igreja e as obras na Sacadura Cabral

As recentes obras de modernização da zona portuária, o projeto Porto Maravilha, expuseram o cais de pedra construído no século XIX. 

O antigo cais sob a calçamento da rua

As pedras do antigo cais

Junto com ela foram encontrados canhões de origem inglesa e outras peças da época.  Falamos, portanto, de descobertas interessantíssimas para a arqueologia tão pouco explorada do Rio de Janeiro.  Um acervo riquíssimo, ali mesmo, discponível para ilustrar a história da Cidade.

Ao mesmo tempo reformas são feitas no Palacete D.João VI e no prédio da antiga Rodoviária na Praça Mauá. Em conjunto, os prédios formarão o Museu de Artes do Rio (MAR).  Na mesma região, no Pier Mauá, constrói-se o Museu do Amanhã, projeto do arquiteto da moda, o espanhol Calatrava. 

A igreja, os dois museus e o terminal de cruzeiros encontram-se em um raio de cem metros da Praça Mauá.  São cinco minutos de caminhada entre eles.  A região, apenas uma pequena parte do formidável projeto do Porto Maravilha, tem um enorme potencial turístico. 

Obras do MAR e do Museu do Amanhã

Obras do MAR e do Museu do Amanhã

Findadas as Olimpíadas de 2016, teremos aí um formidável legado para o Rio de Janeiro.  O que acontecerá com tudo isso alguns anos depois, porém, é o que me preocupa. Somos muito bons em investir fortunas para construir prédios e monumentos mas muito ruins quando se trata de cuidar deles. As diversas arenas esportivas dos fatídicos Jogos Panamericanos e a sinfonia inacabada da Cidade da Música estão aí para provar. 

O exemplo deste momento, entretanto, é a situação da igreja de quase trezentos anos que dá título a este artigo.   Museu algum poderá rivalizar em importância histórica com esta construção que hoje está  em ruínas. As fotos ilustram melhor do que qualquer descrição.  Triste.

Igreja de São Francisco da Prainha

Fotos by Cariocadorio, Março de 2012.

Obras e desordens do porto maravilha

25 de fevereiro de 2012

São formidáveis as modificações na zona portuária.  A Av. Venezuela está sendo urbanizada e o tratamento das calçadas parece ser muito bom.  Preocupa-me ver uma avenida sendo estreitada mas é preciso dar força para o transporte coletivo.  Veremos como ficarão os VLTs da região.   Estou torcendo para que fique mesmo uma maravilha. Até aí tudo bem.

Rua Sacadura Cabral

O que incomoda é o sofrimento imposto aos que trabalham na região há mais de ano. Desde a Av. Rodrigues Alves sofremos com uma pavimentação de destruir até Jipe do exército. O recapeamento inacabado da própria Av. Venezuela deixa tampa de bueiros a 20 cm do piso.
A rua Sacadura Cabral é um caso a parte. Virou terra de ninguém.  Uma grande cratera foi aberta em sua extensão. Por um lado é interessante ver reforços de antigas construções do cais no subsolo exposto.  As obras são necessárias e os transtornos inevitáveis.  Mas a bagunça generalizada é uma vergonha.  

Sacadura Cabral x Praça Mauá - Estacionamento

Em volta os mais espertos aproveitaram para fazer um grande estacionamento no meio das obras.   Os que precisam transitar por ali chegam a perder 20 minutos só para sair ou entrar na Sacadura Cabral.   

Av. Venezuela x Praça Mauá

A desordem total não fica por aí. Mendigos já de muito tempo fixaram residência na Av. Venezuela junto à Praça Mauá. 

Enquanto isso, o poder público só se faz presente nas placas enquanto o caos na região da Praça aumenta a cada dia. 
A Concessionária Porto Novo deixa o seu lixo por dias na rua.

A Prefeitura está usando a tática de colocar “o bode na sala” durante as obras.  Tornam a vida do cidadão um inferno para, quando “tirarem o bode”, a sala realmente parecer uma maravilha. 

Só como piada!

 Fotos by Cariocadorio, fevereiro de 2012