Posts Tagged ‘Rubens Barrichelo’

Fórmula 1, mais uma vez

8 de março de 2010

No Bahrein, no próximo domingo, inicia-se mais uma temporada de fórmula 1.  E me perguntei há quanto tempo eu acompanho a fórmula 1 e por que durante tanto tempo eu “perdi o meu tempo” lendo a respeito, vendo corridas e buscando informações para saber mais. Certamente de longa data, uns quarenta anos pelo menos.  O porque, sei lá.   

Jim Clark, vencedor do GP dos EUA, 1966

A coisa começou com DKWs, Berlinetas, Binos e Fitti-Porsches.  Fórmula 1 era uma ficção trazida pelas AutoEsportes, lidos e relidos os textos detalhados das corridas, devoradas as estatísticas de voltas mais rápidas, vencedores de corridas e campeões …  Um mundo mágico de um  Jim Clark que a fórmula 2, que ironia, logo nos levaria.  Anos mais tarde aprendi que  “um simples canalha mata o rei em menos de um segundo”.  Dennis Hulme era o campeão.  Como podia aquela figura de anti-herói, um neo-zelandês, ser o campeão?  Como podia um carro chamado Brabham ser campeão?  Então não era uma Ferrari, Lotus, Mercedes, Alfa Romeu? Não, o campeão era um homem mais velho, na verdade Dennis Hulme apenas tinha cara de velho, sempre teve cara de velho, em um carro que levava o nome de um piloto australiano, Jack Brabham.  Um ano antes, o próprio Jack havia conseguido seu terceiro título, desta vez com seu próprio carro. 

Dennis Hulme, McLaren Can-Am

O grande Dennis Hulme partiu para a novata McLaren e continuou vencendo corridas de F1 e campeonatos na série canadense-americana, a Can-Am, com enormes carros com motores de 7 litros.  Na Europa, em esporte protótipos, os Porsches eram a grande atração.  Por muito tempo não teve pra mais ninguem.  Só dava Porsche modelos 907, 908, 917, enquanto as Ferraris estavam em uma má fase, não viam a cor da bola.  

Graham Hill, Monaco 1968

Na F1 tinhamos Graham Hill, o esteriótipo de um aristocrata inglês, talvez o último romântico da categoria, que também venceu em Indianápolis e Le Mans e  Jackie Stewart, o escocês que levou um carro francês a ser campeão do mundo em uma equipe inglêsa. 

Stewart, Matra-Ford: GP Holanda, 1969

Pedro Rodriguez, Jacky Ickx, o azarado Amon, Bruce McLaren (seus carros ganham até hoje), Beltoise, Cevert, John Surtees, campeão das categorias máximas sobre duas e quatro rodas (acho que foi  o único?),  Redman, Siffert, Pescarolo… 
Muitos ficaram pelo caminho, a F1 matava muita gente.  No ano em que o Brasil foi tri no México, Jochen Rindt foi campeão post morten.    

Quando o Emerson Fittipaldi ganhou as páginas de esportes dos jornais com uma vitória na F-Ford inglêsa eu já torcia por ele há muito tempo.   Anos depois, em 72,  um colega no cursinho de vestibular me fazia descrever a carreira do ídolo…na primeira pessoa.  Eu assinava contratos, explicava o que acontecera na corrida, como fiz certa ultrapassagem e, tão comum no início dos anos 70, qual foi o defeito que me tirou da prova .  A gente se divertia com isso, ajudando a diminuir a tensão do vestibular.  Naquele ano “eu ganhei cinco GPs e fui campeão mundial”.  Tive também o primeiro gostinho de ver as baratas da F1 acelerando em Interlagos.  A corrida foi muito ruim, não valia pelo campeonato e logo de início vários pararam.   No ano seguinte, 1973, Interlagos tinha o seu primeiro GP pra valer, com direito a vitória do Rato e boné do Colin Chapman voando. 

Interlagos, 1° GP do Brasil 1973

A presença de Emerson na fórmula 1 fez o Brasil despertar novamente para corridas de automóveis.  O locutor de rádio, acostumado com o futebol, lançou a seguinte pérola no auge de seu entusiasmo: ” e lá vão eles para a última volta do ponteiro“.  A telivisão passou a mostrar corridas e até o meu pai, que antes só reclamava da minha paixão incondicional, passou a ser fã das manhãs de domingos com  F1 na TV.  Torcemos muito pelos brasileiros. Por sinal, saudades do José Carlos Pace.

Não tenho o mesmo entusiasmo mas ainda gosto de ver corridas.  Dependendo do GP assisto ao vivo, apesar do chatíssimo narrador oficial e seu comentarista que  parece preferir servir-lhe apenas de escada.   Ou no VT a noite, quando invariavelmente durmo antes do final. Mas na primeira do ano estarei de cara para a TV, torcendo pelos brasileiros de sempre e pelos recém chegados.  Aliás, temo que esta turma nova não vai vingar. Torcer para o Rubinho também?  Claro que sim. E mais torceria se ele falasse menos.  Barrichelo é um exemplo de trabalhador.   Depois de tanto tempo ainda tem um empregão,  que muitos gostariam de ter.   

Jenson Button

Agora há muita informação disponível.   Mas certamente haverá garotos que , como eu no final dos anos 60, vão estranhar que um inglês quase  obscuro, esse tal de Jenson Button, seja o atual campeão pilotando uma Brawn.  E que diabos é uma Brawn?  O que???  Não tem mais Brawn esse ano??? Calma, você vai ter explicação pra tudo.  E daqui a quarenta anos vai lembrar mais disso do que das corridas de 2049.  

Eu ía falar das mazelas de um esporte corrompido por tramóias, espionagens, trapaças e comercialização sem limite.  
Como no futebol falou mais alto a paixão.  As novidades deste ano prometem.  Tenham todos uma ótima temporada. 

PS. Links para artigos relacionados:
Autódromo do Rio
Ídolos

Fotos: Jim Clark no GP EUA, 1966 (by Diskmix, Flickr Creative Commons); Dennis Hulme com McLaren Can-Am  (by Diskmix, Flickr Creative Commons); Graham Hill no GP de Monaco , 1968 (by Prorallypix, Flickr Creative Commons); Jackie Stewart no GP da Holanda, 1969 (by Prorallypix, Flickr Creative Commons); Grid em Interlagos GP do Brasil, 1973 (by Cariocadorio); Jenson Button (by Martin Baldwin, Flickr Creative Commons)

Anúncios

Ídolos

25 de outubro de 2009

Outro dia me contaram uma passagem atribuída ao empresário Antônio Ermírio de Moraes quando em processo de escolher um novo executivo.  Diante de sua atônita secretária, Antonio Ermírio teria jogado no lixo metade da pilha de currículos que estavam sobre a mesa. Explicou:  “Pra trabalhar aqui não basta ser muito bom, tem que ter sorte”.

Sorte não é uma coisa que tenha o nosso Rubens Barrichelo.  E pra ser campeão… Certo, ele também não é bom o suficiente para ser campeão mas, ainda assim, muito poucos tiveram sucesso como ele.  Quantos pilotos brasileiros tentaram e não chegaram nem perto?  Alguns muito bons, outros nem tanto, alguns com pedigree, outros com grana e alguns mais com a cara e a coragem chegaram à fórmula 1. Citando nomes sem julgar-lhes o mérito: Ingo, Chico,  Boesel, Gugelmim,  Bernoldi,  Zonta, Diniz, Christian, enfim a lista é enorme.  

Ídolos em Ação - Nelson já passou (F1, Rio de Janeiro, 1987)

Ídolos em Ação - Nelson já passou (F1, Rio de Janeiro, 1987)

A prova da sua competência  vem dos contratos que tem tido ao longo dos muitos anos da sua carreira. Ser piloto de fórmula 1 é o sonho de muita gente.  Alguns pagam fortunas pra sentar em um carro daqueles.   Na fórmula 1 quem não tem competência pra dar lucro no final não fica por lá .  Portanto, quem atesta a competência do Rubens são os Stewart, Todt, Brown e Williams que o mantêm com a carreira mais longa na categoria e ganhando muito bem pra isso. Ele ainda vence corridas.   As estatísticas o colocam em 4º lugar em número de pódios, 4º em número de pontos e não há mais do que 22 pilotos com mais que as suas 11 vitórias.  

Mas nada disso importa para nós, brasileiros.      Porque o problema do Rubens não é a competência técnica mas sua ingenuidade, imaturidade que beira a infantilidade.    Bobagens em quase tudo que disse durante a carreira: declarações infelizes sobre outros pilotos, suas entrevistas, bravatas impensadas, postura no pódio e por aí vai.  E nos comerciais de televisão? Lembro dele levando uma bronca pública do pai porque atendeu o celular no caminho da largada:  “Mas era você, pai…”. Alguém imagina o Piquet ou o Alonso fazendo um papel desse?  
 
Faltou-lhe uma boa assessoria de imprensa, a orientação de um marketeiro para produzir a sua imagem ou sei lá.  O fato é que ele nunca conseguiu ter o respeito do público.  Alguns jornalistas  não perdem a oportunidade de vender mais fazendo, levianamente, coro com a opinião pública e servindo de catalisador para esta opinião.     
Guga sacando

Guga, ídolo na dose certa

Para o público brasileiro, Rubinho é um  ba…bobo.  E o brasileiro não tolera o bobo.  Antes idolatra o esperto, o malandro e até mesmo o canalha.  Para ser ídolo de brasileiros não basta ser competente.  Tem que ser um fora de série inconteste (Pelé, Senna) ou um malandro esperto (Romário).   Também leva chance o egoísta, do tipo que se dane a equipe,  hábil de mídia (Oscar).    

Em uma briga, na guerra, no esporte ou no trabalho não é só o vencedor que luta. 

O “perdedor” também lutou e esta luta é  parte essencial da história.  E Rubens Barrichelo tem lutado sempre e está longe de ser um perdedor.  Ainda torço por ele.

Algum dia o Brasil terá um ídolo inconteste e longevo que antes de esperto, malandro ou fora de  série será apenas um lutador que, tendo a sorte ao seu lado, terá dado certo por muito tempo.

Fotos: F1 no Rio (1987), by Cariocadorio; Guga , by Pierre -Yves Sanchis, Flickr, (2008)