Archive for outubro \29\UTC 2017

Politicamente Incorreto

29 de outubro de 2017

Capa de Revista

Este grupo se vê uma vez por ano, pouco mais ou menos. Ontem concordamos que daqui a uns 20 ainda é possível que estejamos juntos mas em 30 anos, certamente, só no andar de cima.

No alegre convescote, regado a um pouco de álcool e a simpatia dos anfitriões, falávamos de temas atuais:

Insegurança, fora Temer, o Rock in Rio de 85, agora me aposentei, jamais me casaria com a Dilma, fechei o escritório, as dores na coluna, e seguia por aí até chegar nos transisso, transaquilo etc.

Aquela história de que era proibido e passou a ser permitido, bonito, na moda, finalmente chegou ao que os mais rodados temiam: agora é obrigatório.

É claro que cada um faz o que quiser com a própria vida, com o que sente e deseja.  Que use os avanços da ciência como lhe convier.  Pode tatuar o corpo, trocar de sexo e o que mais for necessário para se encontrar na vida.  Pode ser homem, mulher ou qualquer uma das milhares de opções entre uma coisa e outra.  Muito justa a luta para que se eliminem os preconceitos e se respeitem o direito de cada um na busca da felicidade.

Obrigatório

Há que respeitar e mesmo admirar os que, com tantos problemas que a vida nos impõe, ainda precisam enfrentar, e enfrentam, as dificuldades de nascer por fora diferente do que sente por dentro.

Mas quando se nasce, se tem pintinho é macho, se tem pepeca é fêmea.  Mais tarde vai produzir esperma ou menstruar.  Simples assim, biologicamente pode ser menino ou menina. Há que respeitar isto também.

Mas a mídia parece pensar diferente.  O que é difícil entender é qual seria o interesse que tem boa parte dela em convencer a sociedade de que o certo são vestidos para os meninos e gravatas para as meninas.   Parece que qualquer coisa diferente é uma agressão aos direitos de alguns. Seria apenas o justo interesse em defender o direito de cada um viver como queira?  Não parece e, caso seja, precisam repensar a dose.

Fato é que para aqueles que dependem da mídia para vender sua arte não dá pra ignorar esta onda.  Se quiser aparecer rápido é obrigatório, como mínimo, namorar alguém do mesmo sexo, se me permitem simplificar assim.  Seja homem ou mulher, se for macho (opa, desculpe) o suficiente para mudar de sexo, tanto melhor.

A revista Ela d’ O Globo de hoje, com capa e dez páginas desinteressadamente em torno do assunto, é apenas mais um exemplo.

Ou talvez este grupo que viveu Woodstock, queimou soutiens e sobreviveu a 21 anos de ditadura, aos Sarneys e às Dilmas da vida esteja mesmo ficando velho demais.

Fotos: fotos parciais da revista citada.

Anúncios