Archive for fevereiro \25\UTC 2012

Obras e desordens do porto maravilha

25 de fevereiro de 2012

São formidáveis as modificações na zona portuária.  A Av. Venezuela está sendo urbanizada e o tratamento das calçadas parece ser muito bom.  Preocupa-me ver uma avenida sendo estreitada mas é preciso dar força para o transporte coletivo.  Veremos como ficarão os VLTs da região.   Estou torcendo para que fique mesmo uma maravilha. Até aí tudo bem.

Rua Sacadura Cabral

O que incomoda é o sofrimento imposto aos que trabalham na região há mais de ano. Desde a Av. Rodrigues Alves sofremos com uma pavimentação de destruir até Jipe do exército. O recapeamento inacabado da própria Av. Venezuela deixa tampa de bueiros a 20 cm do piso.
A rua Sacadura Cabral é um caso a parte. Virou terra de ninguém.  Uma grande cratera foi aberta em sua extensão. Por um lado é interessante ver reforços de antigas construções do cais no subsolo exposto.  As obras são necessárias e os transtornos inevitáveis.  Mas a bagunça generalizada é uma vergonha.  

Sacadura Cabral x Praça Mauá - Estacionamento

Em volta os mais espertos aproveitaram para fazer um grande estacionamento no meio das obras.   Os que precisam transitar por ali chegam a perder 20 minutos só para sair ou entrar na Sacadura Cabral.   

Av. Venezuela x Praça Mauá

A desordem total não fica por aí. Mendigos já de muito tempo fixaram residência na Av. Venezuela junto à Praça Mauá. 

Enquanto isso, o poder público só se faz presente nas placas enquanto o caos na região da Praça aumenta a cada dia. 
A Concessionária Porto Novo deixa o seu lixo por dias na rua.

A Prefeitura está usando a tática de colocar “o bode na sala” durante as obras.  Tornam a vida do cidadão um inferno para, quando “tirarem o bode”, a sala realmente parecer uma maravilha. 

Só como piada!

 Fotos by Cariocadorio, fevereiro de 2012

Anúncios

A figueira da Senador Vergueiro

15 de fevereiro de 2012

Na esquina da rua Senador Vergueiro com a Barão do Flamengo, em frente à praça José de Alencar, havia uma figueira.  Uma não, cinco delas iniciamente, plantadas a mando do imperador.  Como soe acontecer com as coisas  da natureza, tudo tem seu tempo e talvez fosse mesmo o tempo de a última delas ir embora.

A imperial figueira

Nestes seus mais de cem anos de vida viveu intensamente a história do lugar.  Ainda jovem, foi testemunha do assassinato de um senador, percebeu tramas sendo arquitetadas no sofisticado Hotel  dos Estrangeiros,  ouviu mentiras na  mesa do bar e casais jurando amor eterno para, tempos depois,  ali mesmo se despedirem.  Viu sumir o rio Carioca, sobreviveu às obras do metrô bem aos seus pés, divertiu-se com José de Alencar tantas vezes mudando de lugar ao sabor do progresso, despediu-se do belo prédio do hotel dos Estrangeiros e lamentou o enorme bloco de concreto que puseram em seu lugar.  

Sob sua frondosa copa, a desordem

Não teve, enfim, uma vida monótona a imperial figueira.  Mas confessava-se muito triste nas últimas décadas, cansada de tanta desordem na sua outrora requintada esquina. A bela árvore se foi mas não a distribuição de jornais em pleno trânsito, não o movimento de carga e descarga sob a placa de proibido estacionar, não a desordem que reina nesta terra de São Sebastião. 
Que descanse em paz! 

Foi-se a figueira, segue a desordem

Fotos by Cariocadorio: R.Senador Vergueiro, a saudosa figueira e a desordem (Dez 2011 e Fev. 2012) 

A tragédia nossa de cada dia

5 de fevereiro de 2012

Parte I:
Não é necessário pesquisar muito para lembrar de vários desastres recentes na cidade.  Para citar alguns, não faz muito tempo caiu um pequeno prédio no Catumbi;  uma explosão destruiu um restaurante no Centro;  o prédio semi abandonado do hospital do Fundão teve que ser implodido antes que caísse também.  No dia 30/01 um operário morreu e outros ficaram feridos em uma explosão no porto porque as redes fluviais estavam contaminadas com óleo. Por toda a cidade explodem bueiros por haver gás nas galerias do sub-solo. E não estamos nem falando de desgraças causadas por enchentes.

Assim, o desabamento do edifício Liberdade e de dois prédios vizinhos não chega a ser uma surpresa.  O Rio de Janeiro está sempre prestes a ser abalado por desastres de todos os tipos.  Como chegamos a este ponto? 

Falta seriedade antes, durante e depois destas catástrofes.  Logo após o recente desastre, alguém do governo saiu com a idéia de que precisamos de um “laudo” para todos os edifícios. Ele não lembra que o parque de diversões onde morreu uma jovem quando o brinquedo voou pelos ares também tinha um “laudo”. Segundo o site  ig, o CREA antecipou que a culpa deve ser das obras atuais no prédio.  Jornalistas, cidadãos e blogueiros podem “achar” a vontade mas o Conselho Regional de Engenharia deveria investigar seriamente primeiro e achar depois.

Metro na Av. Treze de Maio, 1975

Grandes acidentes geralmente acontecem em função de uma sequência de eventos, não por uma única causa. Portanto, se perguntarmos se a causa foi o abalo causado pelo buraco do metrô nos anos 70, a reforma do terceiro andar, a abertura de janelas na empena do prédio, o acréscimo de andares após a construção original ou o excesso de entulho no nono andar, a resposta provavelmente será que tudo isso contribuiu para a tragédia.
E em cada uma dessas fases haverá pitadas de irresponsabilidade, negligência e incompetência de proprietários, administradores, profissionais e autoridades. 

Alterações e obras (site ig)

Mas em última análise a culpa é da forma como nós, brasileiros, lidamos com assuntos sérios. De como escrevemos leis e as aplicamos.  De como fiscalizamos o cumprimento destas leis. De como apuramos responsabilidades e punimos culpados.  De como nosso legislativo é inoperante para o que realmente importa, de como nosso executivo não impõe a ordem e de como nosso judiciário faz de tudo para não concluir coisa alguma.

Parte II:
Caminhando pelo Centro quarta-feira passada, passei pela rua Treze de Maio e vi a operação final da remoção dos escombros dos edifícios no enorme vazio deixado no local. 

Vazio dos edifícios na 13 de maio

Teatro Municipal

Logo a seguir, observei o contraste da desolação com o Teatro Municipal, belíssimo, ainda com o frescor da recente reforma. Se este prédio centenário tivesse sido afetado, o prejuizo seria incalculável para o patrimônio cultural da cidade.

O pior é concluir que tivemos sorte nestas catástrofes.  Porque se ocorressem um pouco mais tarde, no caso da explosão no restaurante, ou um pouco mais cedo, no caso do Edifício Liberdade, estaríamos contando às centenas o número de perdas de vidas  humanas e de famílias atingidas. 

Mais adiante me deparei com a Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Não dá pra ver o Palácio Pedro Ernesto sem relacionar os que o freqüentam com a nossa rotina de desgraças.

Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro

Mas há coisas mais importantes para nos preocuparmos porque o verão continua, o Porto ficará Maravilha, a Copa e as Olimpíadas vem aí e, afinal, logo teremos eleições… 

Fotos: Tragédia, Vazio dos edifícios da Treze de maio, Teatro Municipal e Câmara dos Vereadores ( Fevereiro de 2012), by Cariocaodorio. Metro, av. Treze de maio, by Paulo Moreira (fevereiro de 1975) – obtida no site Rio de Histórias, de Rômulo Lima – e  Desabamento no Rio de Janerio arte by site ig (Fevereiro de 2012).