Archive for the ‘família’ Category

A Igreja Católica e o Vermífugo Fahnestock

28 de setembro de 2014
Frente e verso

Frente e verso

Naquele tempo não havia internet, televisão nem mesmo rádio. Como faziam os fabricantes para anunciar seus produtos?

Certamente através dos jornais, revistas e anúncios em cartazes e espaços públicos. Os santinhos no baú de fotos da família revelaram uma forma de propaganda que eu não esperava. No início do século passado a igreja católica tinha tanta influência que até os santinhos vendiam.

Cem anos depois o que se vê é o maior país católico do mundo se tornando evangélico. A igreja católica pouco a pouco perde influência. Seu lugar vai sendo ocupado por pastores que, com suas igrejas e franquias, se aproximaram do povo suprindo suas carências espirituais.

Em quantas eleições teremos um pastor (a) presidente?

 

Ilustração: santinho do baú da família

 

Carta aberta aos meus netinhos

8 de julho de 2014

Rio de Janeiro, 8 de julho de 2014

Queridos Netinhos,

Um time sem meio-campo, com ataque inoperante e pífio esquema tático não merecia mesmo ganhar. Mas os incontestáveis 7 x 1 foram um castigo duro demais para um povo que, apesar de tudo (*), faz desta uma belíssima Copa do Mundo.

Vocês ouvirão falar muito da “tragédia do Mineirão”.  Acreditem, jamais haverá vitória sobre a Alemanha que vingue o que aconteceu hoje. Sei muito bem o que é isso. Vovô não tinha nem nascido quando, em 1950, perdemos para o Uruguai. Ainda assim, sinto o fantasma do Maracanazo como se fosse ontem, 64 anos depois.

Nós hoje perdemos para a seleção de um país que foi completamente arrasado na metade do século passado. Mas mesmo dividido ao meio, trinta anos depois já era um dos maiores do planeta. Não conseguiram isto por força dos céus. Não esperaram que Deus, o governo ou seja lá quem ou o que lhes desse o pão, o teto e a cama de dormir. Trabalharam muito e continuam trabalhando. Da mesma forma pragmática que nos venceram hoje.

Saibam, portanto, que ficar chorando nos cantos não leva a nada. Jamais permitam que lhes convençam de que nós brasileiros somos um bando de coitadinhos. Isto só é conveniente para preguiçosos e, principalmente, políticos. É ferramenta de ganhar votos e manter o poder. Nestas situações enxuguem logo as lágrimas e voltem ao trabalho. Como diz a letra do velho samba: “levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima!”.

Não se esqueçam que depois da tristeza de 50 ganhamos cinco Copas do Mundo, mais do que qualquer outro país.
Penta-campeão!

 PS. Não contem isto aos argentinos, eles acham que a história das Copas começa nos anos 70.

(*) este tudo é a farra política, o escândalo dos estádios, a vergonha do “legado” e a falta de tudo que poderia ter sido feito com a grana mal-gasta com esta Copa. Incluído aí o vexame que foi o “chute no traseiro” que o país levou da FIFA. Aliás, eu odeio a FIFA.

Meg, uma doce criatura

24 de maio de 2014
Meg

Meg

Meg era uma destas criaturas que parecem estar fora de seu ambiente na Terra de tão boas que são. Seu porte físico de pastor alemão contrastava com a doçura do seu olhar e a bondade de suas atitudes.  Tenho a impressão de que se humana fosse, Meg seria alguem como a Madre Teresa de Calcutá.

Quando a bebê Ruby chegou, Meg abraçou a pequena intrusa com o carinho de mãe que nunca fora. A agitadíssima boxer alegrou a velhice da Meg.

"Mamãe" Meg e Rubi

“Mamãe” Meg e Ruby

Já bem velhinha sofreu com a fraqueza das pernas traseiras. Ficou rabugenta mas até nisso era boa.  Às vezes latia de ciúmes da outra sem jamais ser agressiva.

Esta semana finalmente se foi.

Megs como esta são criaturas raras na Terra e cada uma que se vai diminui o já carente estoque de bondade do planeta.  Espero que Deus tenha tido o cuidado de colocar outra Meg na Terra.

 

Fotos by Cariocadorio: Meg na piscina; Meg e Rubi (2010)

 

Luciano do Valle, o “Show do Esporte”

19 de abril de 2014
Luciano do Valle

Luciano do Valle

Nos anos 80 quem gostava de esporte não perdia o “Show do Esporte” da Bandeirantes e do jornalista Luciano do Valle. Com esta marca, Luciano tirava audiência da Globo e do SBT, trazendo para as telinhas uma tarde de domingo cheia de programas esportivos. Naquele tempo havia apenas uns poucos canais na TV aberta, nada de TV a cabo com uma dezena de canais de esporte como hoje.

Mas se toda a mídia falará do Luciano do Valle, por que trazê-lo ao Cariocadorio? Simples. O “Show do Esporte” trazia assunto para discussões acaloradas e divertidas nas alegres tardes de domingo na casa dos Velhos. Discutia-se até sobre o estilo sensacionalista do próprio Luciano que, desta forma, fez parte de um tempo muito feliz para minha família.

As primeiras vitórias do Emerson na Indy e o crescimento da geração de prata do vôlei foram popularizadas na voz do Luciano do Valle. Excelente narrador, apesar do ufanismo exagerado, Luciano cantou as glórias do basquete feminino de Magic Paula e Hortência assim como o sucesso das meninas do vôlei brasileiro.

O mérito do Luciano não estava apenas em transmitir esporte mas principalmente em criar atrações para o público. Algumas destas tiveram grande sucesso.

Seleção de Masters

Seleção de Masters

Foi assim que os jogos da seleção de masters (com Rivelino e companhia) criada por ele, os torneios de sinuca, o boxe e vários outros tornaram-se parte das conversas das segundas-feiras. Alguns nomes jamais teriam saído do anonimato sem o trabalho do Luciano, como o peso pesado Adilson “Maguila” Rodrigues e o jogador de sinuca Rui Chapéu.

É incontestável a importância do jornalista e empresário Luciano do Valle para a história do esporte na TV brasileira. Mas vamos em frente porque o show – do Esporte – não pode parar.

Fotos obtidas na internet.

 

Manifestação, liberdade e trabalho

28 de março de 2014

Olhem bem pra mim… Estou com roupas escuras, uma blusa enrolada no rosto e uma mochila nas costas.
Isto é uma manifestação!

Fecho a Av. Rio Branco e agora todos terão que me ouvir.  Caminho entre o lixo dos garis entoando palavras de ordem e faço calar os que são contra e a favor da Copa do Mundo da FIFA.   Destruo carros alegóricos, venço  black blocks, garotinhos, o sindicato dos rodoviários e dos produtores de ovo de codorna de Cachoeiro de Macacu que disputam a avenida comigo.

Não tenho culpa se meu pai começou aos 13 anos e só se aposentou aos 70.  Se minha mãe esfregava panelas até o último fio do Bom Brill.  Se me obrigaram a estudar mais do que eu tinha vontade e acabei no Pedro II.  Se me meti em más companhias, estes malditos caras que entraram pra faculdade.  Se não consegui me livrar deste jugo familiar e segui o exemplo do meu irmão.   O coitado também cresceu neste meio, não teve escolha.

Não tenho culpa se a política me dá náuseas, se não sei ultrapassar pelo acostamento, se não sei ser meio-honesto, se acho que lei tem que ser cumprida e outras besteiras do gênero.  Eu só conheço um caminho para viver em sociedade: trabalho e respeito ao próximo.  E não vou pedir perdão por isso. Posso ser todo errado mas sou brasileiro e tenho os meus direitos.

Com todo respeito a São Jorge e Zumbi, desafio vereadores a acabarem com os neo-feriados do Rio de Janeiro. Fecho a Rio Branco contra as sextas-feiras de carnaval antes que elas comecem nas quintas;  contra os feriados da Copa da FIFA que paralisarão a cidade; contra os meia-dúzia de gatos pingados que a cada dia vão às ruas do Rio em causa própria privando milhares do seu direito de ir e vir.

Pela liberdade de protestar.
Fecho a Av. Rio Branco pelo direito de trabalhar.

Colégio Pedro II, turma B, 1966

17 de novembro de 2013
CP II Turma B, 1966

CP II Turma B, 1966

A turma B era até mal vista na escola.  O pessoal estourava cabeções no banheiro, batucava nas carteiras, fazia guerra de giz, colava chiclete no teto para vê-los descer lentamente em plena aula e, de repente; …. culpa do Bacalhau que tirou a cara da frente e deixou o apagador quebrar a vidraça. Quando a Gina da turma D fez aniversário foi uma festa…”Viva a Gina!”,  cantava o andar inteiro.

 

Via Dutra, 1968

Via Dutra, 1968

Transgredíamos mas o inspetor Fausto não deixava barato.  Havia disciplina. E lá vai todo mundo formado de pé na porta do banheiro, detidos mais uma vez depois da hora.

Lago Azul, Itatiaia, 1968

Lago Azul, Itatiaia, 1968

 

Nos encontramos em 1966, no 1º ginasial.  Era o tempo da ditadura embora no início não tivéssemos nem ideia do que isso significava. Seguimos por décadas perdidas e sobrevivemos aos militares, aos Sarneys que nunca se vão, aos planos e às cores do poder, ao Itamar e suas saliências, ao Real que deu certo e nos reencontramos há alguns anos sob o império de Lula e seus mensaleiros.

As aulas da D.Mary, do Freitinhas, da bela tia (ou seria prima) da saudosa Maria Cristina, da sisuda prof. de inglês, do Ítalo de histórias e passeios e até daquele simpático professor de latim serviram para alguma coisa. Porque podemos nos orgulhar da bagunça que fizemos e do rumo que demos às nossas vidas.

 

juntos novamente, 2011

juntos novamente, 2011

Os que perdemos viverão na nossa memória, parte que sempre serão da turma B de 1966, turno da tarde do Colégio Pedro II do Humaitá.

A chegada do Papa Francisco

21 de julho de 2013

1a comunhao Abel
Uma das mais importantes missões do Papa Francisco em sua visita ao país é trazer a religião católica de volta aos lares brasileiros. Durante muito tempo a religião católica reinou absoluta por aqui, transformando o Brasil dos anos 70 no maior país católico do mundo, como gostava de bradar o ufanismo nacional da época. Protestantes, judeus, espíritas e religiões africanas dividiam o restante da população. 

Não sei qual era o percentual de católicos no Brasil quando meu avô Abel fez a primeira comunhão na igreja do Brás em São Paulo, como mostra este documento de 23 de dezembro de 1900.

Entre 94 e 2013 este percentual caiu de 75 para 57% da população segundo pesquisas recentes. Longe de mim querer explicar as razões do abandono que vivem hoje as igrejas católicas enquanto se multiplicam as seitas ditas evangélicas lotando seus tempos. Mas uma coisa está muito clara. A igreja deixou de ir onde o povo está, abrindo caminho para aqueles que perceberam o espaço para pregar a palavra de Deus.  Há muitos aproveitadores neste meio mas também tem gente séria.  Mesmo porque a igreja católica de santa tem muito pouco.

Felizmente, a fé em Deus está muito acima das igrejas dos homens. A fé que nos faz respeitar e cuidar do próximo e ajuda a criar um mundo melhor para todos.  

Que o Papa Francisco traga bom senso ao Vaticano e ao Brasil,  e muito amor ao coração dos homens, independente de suas crenças religiosas.

A quarta pessoa

27 de maio de 2013
Família

Família

Ainda não havia chegado, a quarta pessoa.  

Começando pela vida, aos três ela deve tudo, a tal quarta pessoa.  Os primeiros passos, as primeiras letras, as primeiras brigas e desentendimentos, essenciais para forjar valores.  Desde os tímidos voos solo às aventuras mais distantes, sempre a certeza de um norte, mesmo no desconforto das intempéries. 

Com os ciclos da vida surgem novos personagens. O tempo cuida para que todos estejam na foto, papéis renovados, até que não sejam mais parte dela. Ou melhor, surgem novos, é verdade, mas o tempo não subtrai os de antes, são eternos os personagens.  

Saudosos agradecimentos,
A quarta pessoa

Foto:  “A família”, São Paulo, outubro de 1951; acervo Cariocadorio, proibida a reprodução.

São Lourenço, 1948

29 de dezembro de 2012
A igreja, o lago do parque e a fonte Vichy

A igreja, o lago do parque e a fonte Vichy

A primeira visita da minha família à paradisíaca cidade do sul de Minas, São Lourenço, data de 1948. Graças às lentes da câmera do vovô Abel, temos um interessante registro fotográfico. Destacavam-se a igreja e o belíssimo parque das águas, o grande catalizador do desenvolvimento da região. 

Desde o início do século XIX se tem notícia das nascentes de águas minerais da região.  O início da comercialização data de 1890. Somente bem mais tarde, em 1927, foi criado o município de São Lourenço.  Quando da construção do balneário, em 1935, o parque começou a tomar a configuração atual.  Passaram-se apenas 13 anos, portanto, até que estas imagens fossem captadas.  Já havia pedalinhos no lago, a igreja, muitos hotéis para os turistas mas ainda estávamos longe da cidade grande que se tornou São Lourenço.

Panorama do centro de São Lourenço

Panorama do centro de São Lourenço

Já naquela época, porém, os arranha-céus, ícones da modernidade, começavam a interferir na paisagem quase rural da cidade.  Atualmente, a cidade sofre do mesmo mal que tantas outras, com edifícios obstruindo o horizonte e adensando as ruas. Mas São Lourenço continua sendo um ótimo lugar para se visitar e, segundo relatos dos moradores, para se viver também.  

Hotel Brasil

Hotel Brasil

Fotos by Abel Lourenço dos Santos; São Lourenço, 1948. (acervo pessoal Cariocadorio, proibida a reprodução sem autorização prévia).
Fonte de informações históricas, site do Parque da Águas (clique aqui)
Posts Cariocadorio com mais fotos de São Lourenço (clique aqui)

Pensei em você

22 de dezembro de 2012

Enfim começava o Natal. Caminhei na Lagoa apreciando a árvore, suas cores e brilhos. Na volta, atravessei a rua entre carros, apitos e buzinas e subi as escadas da igreja de Santa Margarida Maria. Lá dentro, um inesperado presente, um concerto de Natal. 
A sonoridade macia do oboé e o lirismo da arpa preenchiam a igreja e a alma.  Ao deleite da música…

…Pensei em você

Pensei muito em você, meu pai,
Pensei muito em você , meu irmão
E em você, meu grande amigo
Por quem fui rezar

Pensei em você, querida Doninha,
De efêmera presença
Em vocês, Coroões, de tão cara lembrança

Pensei em você que meu lar preenche,
Em você, herdeiro que meu lar enfeita
E nos que logo haverão de enfeitar,

Em você, que meu irmão nos deu
E nos que junto nos fazem família

Pensei em você, tia querida
Em você e seus filhos, meu primo tão cerca,
Em você, primo tão longe, e em todos os seus

Pensei na família que pouco vejo
E naqueles que já não verei

Pensei em você, amigo de canções e sonhos
Que há tanto e tanto divide comigo
E em você, parceiro de cerveja e vinhos

Pensei em você, meu colega de escola
E em você, com quem ganho a vida

Pensei em você, de verdes caminhos
Em você, meu amigo mais velho  
E também em você que veleja comigo

Pensei muito em você
Em quem todos os dias penso
E em você, de quem já não lembrava

Pensei em Deus,
E a Deus agradeci,
Por me ter dado tantos
Em quem tanto pensar.